Luz infravermelha na fisioterapia: para que serve e como usar

outubro 2022

A luz infravermelha é usada na fisioterapia para promover o aumento da temperatura de forma superficial e seca no local a ser tratado, o que promove a vasodilatação e aumenta a circulação sanguínea no local. Dessa forma, a luz infravermelha favorece a reparação dos tecidos porque penetra no corpo atuando sobre os pequenos vasos sanguíneo, capilares e as terminações nervosas, ajudando a aliviar a dor, aumentar a mobilidade das articulações e relaxar os músculos.

O tratamento com luz infravermelha deve ser feito pelo fisioterapeuta especializado, podendo as sessões de tratamento terem duração de até 20 minutos, dependendo da área a ser tratada.

Para que serve

A fisioterapia com infravermelho é indicada para:

  • Alívio da dor;
  • Aumentar a mobilidade das articulações;
  • Relaxamento muscular;
  • Favorecer a cicatrização da pele e dos músculos;
  • Alterações na pele, como infecção por fungos e em caso de psoríase. 

A luz infravermelha usada na fisioterapia varia entre 50 e 250 W  e por isso a profundidade da pele que atinge varia entre 0,3 até 2,5 mm, de acordo com a lâmpada utilizada e sua distância da pele. 

Existem também câmaras de luz infravermelha encontrada em SPAs e hotéis, que são semelhantes a uma sauna seca, que também promovem o relaxamento após uma lesão desportiva, por exemplo. Estas podem ser usadas por cerca de 15-20 minutos, e não são indicadas para pessoas com alterações da pressão. 

Como usar a luz infravermelha

O tratamento com luz infravermelha deve ser feito pelo fisioterapeuta especializado e o tempo do tratamento pode variar entre 10 a 20 minutos de acordo com o local a ser tratado.

Para iniciar o tratamento a pessoa deve manter-se numa posição confortável, mantendo o membro a ser tratado em repouso, podendo estar sentado ou deitado. A pele deve estar exposta, limpa e seca, e deve-se manter de olhos fechados durante o tratamento, caso a iluminação esteja afetando os olhos, para evitar o ressecamento ocular.

A luz deve incidir sobre a área tratada diretamente, formando um ângulo reto o que permite uma maior absorção da energia. A distância entre a lâmpada e o corpo varia entre 50-75 cm, e a pessoa poderá afastar a lâmpada da pele se houver sensação de ardência ou de queimadura, especialmente porque o uso por tempo prolongado é prejudicial à saúde.

Para garantir os benefícios da luz infravermelha, é importante manter a temperatura no local de tratamento entre 40 e 45 °C por pelo menos 5 minutos, o que pode ser monitorado por meio de um termômetro.

Quando não é indicada

Apesar de ser considerada seguro, o tratamento com luz infravermelha não é indicada em algumas situações, sendo as principais:

  • Não deve ser usada em caso de feridas aberta na pele, porque pode promover a desidratação dos tecidos, atrasando a cicatrização;
  • Não se deve incidir diretamente sobre os testículos porque pode diminuir a contagem de espermatozoides;
  • Em idosos não deve ser usado em grandes áreas, como costas ou ombros porque pode haver desidratação, redução temporária da pressão, tontura, dor de cabeça; 
  • Não deve ser usado em caso de lesão na pele causada por tecido desvitalizado por radioterapia profunda ou outras radiações ionizantes, porque pode estar mais sujeito a queimaduras;
  • Não deve ser usado em cima de lesão cancerosa na pele;
  • Em pessoa inconsciente ou com pouca capacidade de compreensão;
  • Não usar em caso de dermatite ou eczema. 

Além disso, o tratamento com luz infravermelha não é indicado caso a pessoa tenha febre e nem em bebês, pois pode aumentar o risco de apneia.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em outubro de 2022. Revisão clínica por Marcelle Pinheiro - Fisioterapeuta, em outubro de 2022.

Bibliografia

  • Sheila Kitchen. Eletroterapia: Prática Baseada em Evidências. 11.ed. São Paulo: Manole, 2003. 139-144.
Revisão clínica:
Marcelle Pinheiro
Fisioterapeuta
Formada em Fisioterapia pela UNESA em 2006 com registro profissional no CREFITO- 2 nº. 170751 - F e especialista em dermatofuncional.