Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Para que serve a Luz Infravermelha e como usar

A terapia com luz infravermelha é usada na fisioterapia para promover o aumento da temperatura de forma superficial e seca no local a ser tratado, o que promove a vasodilatação e aumenta a circulação sanguínea, favorecendo a reparação dos tecidos porque penetra no corpo atuando sobre os pequenos vasos sanguíneo, capilares e as terminações nervosas. 

A fisioterapia com infravermelho é indicada para:

  • Alívio da dor;
  • Aumentar a mobilidade das articulações;
  • Relaxamento muscular;
  • Favorecer a cicatrização da pele e dos músculos;
  • Alterações na pele, como infecção por fungos e em caso de psoríase. 

A luz infravermelha usada na fisioterapia varia entre 50 e 250 W  e por isso a profundidade da pele que atinge varia entre 0,3 até 2,5 mm, de acordo com a lâmpada utilizada e sua distância da pele. 

Existem também câmaras de luz infravermelha encontrada em SPAs e hotéis, que são semelhantes a uma sauna seca, que também promovem o relaxamento após uma lesão desportiva, por exemplo. Estas podem ser usadas por cerca de 15-20 minutos, e não são indicadas para pessoas com alterações da pressão. 

Para que serve a Luz Infravermelha e como usar
Para que serve a Luz Infravermelha e como usar

Como usar a luz infravermelha

O tempo de tratamento com a luz infravermelha varia entre 10-20 minutos, sendo que para alcançar os benefícios terapêuticos deve-se manter uma temperatura no local de tratamento entre 40 e 45 °C por pelo menos 5 minutos. A verificação da temperatura pode ser verificada com um termômetro de infravermelho diretamente sobre a área exposta à luz. A temperatura na região tratada deve voltar ao normal após cerca de 30-35 minutos. 

O tempo de tratamento pode ser menor quando a área a ser tratada é pequena, em caso de lesão aguda, doenças de pele, como psoríase. Para aumentar a intensidade da luz infravermelha pode-se aproximar a lâmpada da pele ou alterar a sua capacidade no gerador. 

Para iniciar o tratamento a pessoa deve manter-se numa posição confortável, mantendo o membro a ser tratado em repouso, podendo estar sentado ou deitado. A pele deve estar exposta, limpa e seca, e deve-se manter de olhos fechados durante o tratamento, caso a iluminação esteja afetando os olhos, para evitar o ressecamento ocular. 

A luz deve incidir sobre a área tratada diretamente, formando um ângulo reto o que permite uma maior absorção da energia. A distância entre a lâmpada e o corpo varia entre 50-75 cm, e a pessoa poderá afastar a lâmpada da pele se houver sensação de ardência ou de queimadura, especialmente porque o uso por tempo prolongado é prejudicial à saúde. 

Contraindicações do tratamento com luz infravermelha

Apesar de ser um tratamento que tem vários benefícios para saúde, esta técnica por de ter riscos associados, e por isso é contraindicada em algumas situações. São elas: 

  • Não deve ser usada em caso de feridas aberta na pele, porque pode promover a desidratação dos tecidos, atrasando a cicatrização
  • Não se deve incidir diretamente sobre os testículos porque pode diminuir a contagem de espermatozoides 
  • Não deve ser usado em bebês porque há risco de apneia
  • Em idosos não deve ser usado em grandes áreas, como costas ou ombros porque pode haver desidratação, redução temporária da pressão, tontura, dor de cabeça; 
  • Não deve ser usado em caso de lesão na pele causada por tecido desvitalizado por radioterapia profunda ou outras radiações ionizantes, porque pode estar mais sujeito a queimaduras
  • Não deve ser usado em cima de lesão cancerosa na pele 
  • Em caso de febre;
  • Em pessoa inconsciente ou com pouca capacidade de compreensão;
  • Não usar em caso de dermatite ou eczema. 

A luz infravermelha medicinal pode ser comprada em lojas de produtos médico-hospitalares, podendo ser usada em casa, mas é importante respeitar seu modo de uso e contraindicações para não prejudicar a saúde. 


Bibliografia

  • Sheila Kitchen. Eletroterapia: Prática Baseada em Evidências. 11.ed. São Paulo: Manole, 2003. 139-144.
Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem