Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Losna: para que serve e como usar

outubro 2022
  1. Para que serve
  2. Como usar
  3. Efeitos colaterais
  4. Contra-indicações

A losna é uma planta medicinal da espécie Artemisia absinthium, rica em lactonas, terpenóides, óleos essenciais, flavonóides e compostos fenólicos, com propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes, vermífuga, neuroprotetoras e imunomoduladoras, sendo, por isso indicada para auxiliar no tratamento de febre, vermes intestinais, hepatite, gastrite ou artrite.

As partes normalmente utilizadas dessa planta, que também é conhecida como absinto, erva-do-fel, alenjo, ou erva-dos-vermes, são as folhas e as partes superiores das flores, para o preparo do chá, compressas, tintura ou extrato fluido.

A losna pode ser comprada em ervanários, lojas de produtos naturais ou farmácias de manipulação, e deve ser usada com orientação de um médico ou outro profissional de saúde que tenha experiência com o uso de plantas medicinais.

Imagem ilustrativa número 1

Para que serve

A losna é popularmente indicada para:

  • Febre crônica;
  • Vermes intestinais;
  • Má-digestão;
  • Azia;
  • Gastrite;
  • Diarreia;
  • Dor de estômago;
  • Excesso de gases intestinais;
  • Ausência de menstruação;
  • Cólica menstrual;
  • Melhorar o funcionamento do sistema imune;
  • Desintoxicar o fígado;
  • Pedra na vesícula;
  • Falta de apetite ou anorexia;
  • Artrite;
  • Gota;
  • Contusão;
  • Infecções por fungos, bactérias e parasitas;
  • Depressão.

A losna possui propriedades anti-inflamatória, analgésica, antioxidante, vermífuga, antimicrobiana, tônica, estimulante do útero e da vesícula biliar, protetora do fígado, antidepressiva e estimulante do sistema imunológico.

Embora tenha muitos benefícios, a losna não deve substituir o tratamento médico com remédios e nem ser utilizado sem que tenha sido orientado pelo médico ou fitoterapeuta.

Como usar

A losna pode ser usada de diversas formas de acordo com a forma que se encontra e objetivo do seu uso:

1. Chá de losna

O chá de losna pode ser usado para auxiliar no tratamento de problemas na vesícula biliar, má digestão, perda do apetite, ou problemas intestinais.

Ingredientes

  • 1 colher (de chá) de folhas secas de losna;
  • 1 xícara de água.

Modo de preparo

Ferver a água, desligar o fogo e acrescentar as folhas secas de losna. Tampar e deixar repousar por cerca de 10 minutos. Em seguida, coar, esperar amornar e beber 1 xícara do chá, até 2 vezes por dia, por no máximo 4 semanas de tratamento.

Para estimular o apetite, é aconselhado beber 1 xícara do chá antes das refeições. Já para problemas gastrointestinais ou da vesícula biliar, pode-se tomar 1 xícara do chá após as refeições.

O chá de losna também pode ser usado para fazer compressas para aplicar sobre a pele, nos casos de gota, artrite, reumatismo ou contusões, por exemplo. Para isso, deve-se molhar uma gaze com o chá e colocar sobre a área da pele que deseja tratar.

2. Tintura de losna

A tintura de losna pode ser preparada em casa ou comprada em lojas de produtos naturais, podendo ser usada para estimular a digestão e combater a vontade de comer doces, especialmente chocolate.

Ingredientes

  • 10 g de folhas secas ou frescas de losna;
  • 100 mL de álcool de cereais.

Modo de preparo

Adicionar as folhas da losna e o álcool em um recipiente de vidro escuro com tampa, limpo e seco. Tampar o vidro e agitar. Deixar repousar por 15 dias, sendo importante agitar o frasco diariamente. Após esse período, coar e tomar 15 a 20 gotas da tintura, diluída em meio copo de água, de 2 a 3 vezes por dia.

3. Extrato fluido

O extrato fluido de losna pode ser usado para auxiliar no tratamento de vermes intestinais, que pode ser comprado em farmácias de manipulação ou lojas de produtos naturais.

Para usar o extrato fluido, deve-se tomar 2 mL (40 gotas) diluída em água em jejum. Tomar a cada 15 dias, durante alguns meses ou de forma habitual.

Possíveis efeitos colaterais

A losna pode causar efeitos colaterais quando consumido em quantidades maiores do que as recomendadas ou usada por um período maior do que 4 semanas, podendo surgir cólicas abdominais, náuseas, vômitos, insuficiência renal, sangramento ou aumento da pressão arterial.

Além disso, devido a presença de tujona, tuiol e felandrina na sua composição, o uso da losna em grandes quantidades pode causar espasmos ou degradação muscular, tremor, problemas no sistema nervoso central, paralisia ou convulsões, o que pode colocar a vida em risco.

A losna quando apicada sobre a pele também pode causar queimaduras na pele.

Quem não deve usar

A losna não deve ser usada por crianças, ou por pessoas que tenham alergia a essa planta, ou porfiria, doenças nos rins, epilepsia, ou sintomas de problemas no fígado.

Além disso, a losna não deve ser usada durante a gravidez pois pode provocar aborto, ou durante a amamentação.

A losna também não deve ser usada por pessoas que estejam em tratamento com anticoagulantes, como a varfarina, por exemplo, pois pode aumentar o risco de sangramentos, ou remédios para epilepsia, como gabapentina ou primidona.

Por conter álcool, o uso dda tintura ou extrato fluido de losna não é recomendado para pessoas em tratamento de alcoolismo que fazem uso do remédio dissulfiram.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em outubro de 2022.

Bibliografia

  • LACHENMEIER, D. W.; UEBELACKER, M. Risk assessment of thujone in foods and medicines containing sage and wormwood--evidence for a need of regulatory changes?. Regul Toxicol Pharmacol. 58. 3; 437-43, 2010
  • AMROLLAHI, H.; et al. Anti-inflammatory and Analgesic Activities of Artemisia absinthium and Chemical Composition of its Essential Oil. International Journal of Pharmaceutical Sciences Review and Research. 24. 2; 237-244, 2014
Mostrar bibliografia completa
  • BASIRI, Z.; et al. Topical Effects of Artemisia Absinthium Ointment and Liniment in Comparison with Piroxicam Gel in Patients with Knee Joint Osteoarthritis: A Randomized Double-Blind Controlled Trial. Iran J Med Sci. 42. 6; 524-531, 2017
  • BESHAY, E. V. N. Therapeutic efficacy of Artemisia absinthium against Hymenolepis nana: in vitro and in vivo studies in comparison with the anthelmintic praziquantel. J Helminthol. 92. 3; 298-308, 2018
  • BATIHA, G. E-S.; et al. Bioactive Compounds, Pharmacological Actions, and Pharmacokinetics of Wormwood (Artemisia absinthium). Antibiotics (Basel). 9. 6; 353, 2020
  • LACHENMEIER, D. W. Wormwood (Artemisia absinthium L.)--a curious plant with both neurotoxic and neuroprotective properties?. J Ethnopharmacol. 131. 1; 224-7, 2010
  • IBURG, A. O guia das plantas medicinais: ingredientes, efeitos medicinais e aplicações. 1.ed. Caracter, 2010. 60-61.
  • CURTIS, S.; et al.. O livro de receitas das ervas medicinais. São Paulo: Dorling Kindersley, 2011. 31.
  • COSTA, E. A. Nutrição & Fitoterapia. 2º. Brasil: Vozes Ltda, 2011. 196-197.
  • SZOPA, A. Artemisia absinthium L.—Importance in the History of Medicine, the Latest Advances in Phytochemistry and Therapeutical, Cosmetological and Culinary Uses. Plants (Basel). 9. 9; 1063, 2020
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.