Boldo: 11 benefícios e como fazer o chá

O boldo é uma planta medicinal muito usada como remédio caseiro, especialmente para o fígado devido às suas propriedades digestivas e hepáticas. Além disso, também possui propriedades diuréticas, anti-inflamatórias e antioxidantes, que podem ajudar no tratamento e prevenção de outros problemas, como gastrite, aterosclerose e câncer.

As duas espécies de boldo mais utilizadas são o boldo do Chile, conhecido como boldo verdadeiro (Peumus boldus Molina), que pode ser encontrado em lojas de produtos naturais na forma de folhas secas, em sachês para chás ou em cápsulas; e o boldo brasileiro, boldo africano ou falso boldo (Plectranthus barbatus) que é amplamente cultivado e encontrado em jardins no Brasil.

Embora tenha diversos benefícios para a saúde, o boldo também pode causar efeitos colaterais, principalmente quando é consumido em excesso ou por mais de 30 dias, além de ser contra-indicado para algumas pessoas. Por isso, o uso da planta deve ser feito com orientação de um médico ou outro profissional de saúde com experiência no uso de plantas medicinais. Conheça mais sobre o boldo no vídeo a seguir:

Os principais benefícios dependem da espécie do boldo utilizada e incluem:

1. Estimular o funcionamento do fígado

A boldina, um antioxidante presente especialmente no boldo do Chile, e a forscolina e a barbatusina, presentes no boldo brasileiro, estimulam a produção da bile pela vesícula biliar, ajudando o fígado a trabalhar melhor. 

Além disso, os antioxidantes da planta atuam como protetores do fígado em casos de esteatose hepática, que é o excesso de gordura no fígado, prevenindo sintomas como dor de cabeça, náuseas e mal estar.

2. Ajudar na perda de peso

Os flavonoides glicosilados, um dos componentes do boldo do Chile, são os responsáveis pela ação diurética desta planta, ajudando a diminuir o excesso de líquido  corporal, sendo uma boa opção para os tratamentos de perda de peso.

3. Auxiliar no tratamento de problemas da vesícula

O boldo estimula a produção e liberação de bile, um composto que ajuda na digestão dos alimentos, pela vesícula biliar. Por isso, esta planta pode auxiliar no tratamento de problemas da vesícula biliar. Além disso, o boldo ajuda a normalizar o funcionamento da vesícula biliar.  

4. Melhorar a digestão

O boldo do Chile e o boldo brasileiro ajudam a melhorar a digestão e a diminuir os gases, principalmente quando tomado na forma de chá antes ou logo após as refeições. Além disso, a boldina melhora a ação da bile que é liberada pelo fígado no intestino, auxiliando na digestão de gorduras e no alívio da má digestão.

5. Auxiliar no tratamento da gastrite 

Os alcaloides presentes nos dois tipos de boldo ajudam a equilibrar os ácidos do estômago, podendo ser muito útil para auxiliar no tratamento da gastrite. Além disso, as propriedades adstringentes do boldo reduzem a acidez do estômago, auxiliando também no tratamento da azia. 

6. Aliviar os sintomas da intolerância alimentar

O boldo tem propriedades digestivas, anti-inflamatórias e anti-espasmódicas que podem ajudar a aliviar os sintomas de algumas intolerâncias alimentares como má digestão, cólicas intestinais e produção excessiva de gases. 

7. Melhorar o funcionamento do intestino

A boldina, um alcaloide presente no boldo do Chile, age como relaxante regulando o funcionamento do intestino, o que  pode ser útil para tratar a prisão de ventre. Além disso, o boldo reduz a produção de gases intestinais e auxilia no tratamento de vermes e infecções intestinais.

8. Eliminar fungos e bactérias

O boldo pode auxiliar a eliminar bactérias como:

  • Streptococcus pyogenes que causa infecção de garganta ou erisipela, por exemplo;
  • Staphylococcus aureus que causam infecções pulmonares, de pele e ósseas.

Além disso, o óleo essencial do boldo do Chile tem atividade antifúngica principalmente para o fungo Candida sp que pode causar micose de pele. No entanto, o boldo não deve substituir nenhum antibiótico e só deve ser usado sob orientação de um médico.  

9. Ter ação antioxidante

O boldo é rico em compostos fenólicos como polifenóis e alcaloides, principalmente a boldina no boldo do Chile, o ácido rosmarínico, a barbatusina e a forscolina presentes no boldo brasileiro, que possuem ação antioxidante, combatendo os radicais livres e reduzindo os danos nas células. 

Assim, o boldo ajuda a retardar o envelhecimento precoce, além de prevenir doenças causadas pelo excesso de radicais livres, como Alzheimer, aterosclerose e câncer. 

10. Melhorar a ressaca 

O boldo ajuda a limpar o acetaldeído que é uma substância produzida pelo fígado após o consumo de bebida alcoólica e é o principal responsável pelos sintomas de ressaca como boca seca, dor de cabeça e mal estar geral. Além disso, a boldina age como protetor do fígado, ajudando a restabelecer esse órgão.

11. Ter efeito calmante

O boldo é uma planta aromática, com cheiro parecido ao da hortelã, tendo efeito calmante e relaxante quando usado na forma de chá ou banho de imersão.

Chá de boldo para COVID-19?

O chá de boldo ficou conhecido popularmente por poder ajudar a combater a infecção do novo coronavírus. No entanto, não existem estudos científicos que comprovem qualquer tipo de ação contra a COVID-19.

Assim, e embora o boldo possua diversos benefícios para a saúde, o chá de boldo não deve ser usado para tratar a COVID-19, especialmente sem qualquer supervisão por parte de um médico. Entenda melhor quais os tratamentos disponíveis para a COVID-19.

Como diferenciar e onde encontrar o boldo

Existem algumas características que ajudam a diferenciar entre os dois tipos mais comuns de boldo:

Boldo do Chile

Folhas de boldo do Chile
Folhas de boldo do Chile

As folhas de boldo do Chile têm as bordas lisas, são mais alongadas, ásperas, arredondadas. 

Este tipo de boldo pode ser comprado em supermercados, farmácias ou lojas de produtos naturais, pois não é cultivado no Brasil. 

Boldo brasileiro

Folhas de boldo brasileiro
Folhas de boldo brasileiro

Já o boldo brasileiro tem as folhas mais largas e arredondadas, aveludadas e com as bordas serradas.

Este tipo de boldo não é muito comercializado, sendo vendido com mais frequência na forma de planta para cultivo, mas também pode ser encontrado em florestas, canteiros ou nos jardins de casa.

Como usar o boldo

O boldo pode ser consumido na forma de cápsulas, chás, sucos ou tinturas usando as folhas frescas de boldo brasileiro ou as folhas secas do boldo do Chile. 

O chá de boldo pode ser preparado imediatamente antes de tomar e as folhas não devem ser fervidas junto com a água para evitar o sabor amargo forte dessa planta.

  • Chá de boldo: adicionar 1 colher de chá de folhas de boldo picado em 150 mL de água fervente. Deixar descansar por 5 a 10 minutos, coar e tomar morno logo em seguida. O chá de boldo pode ser tomado de 2 a 3 vezes ao dia antes ou após as refeições. Outra opção é tomar uma xícara antes de dormir para ajudar a digestão após o jantar e ter uma noite de sono tranquilo;
  • Suco de boldo: adicionar 1 colher de chá de folhas de boldo picadas em 1 copo de água gelada e meio copo de suco de limão. Bater no liquidificador, coar e beber em seguida;
  • Boldo em cápsulas (boldo do Chile): Cada cápsula contém entre 200 a 400 mg de boldo seco. Normalmente a indicação é de 1 cápsula de 1 a 2 vezes ao dia;
  • Tintura (boldo brasileiro): 20g de planta fresca em 100ml de álcool etílico 70%. tomar 2,5 mL da tintura, diluídos em 75 mL de água, três vezes ao dia. 

Outra forma de usar o boldo é em banhos de imersão para acalmar e melhorar sintomas de cansaço e estresse, pois o aroma do boldo é semelhante ao da hortelã, promovendo sensação de bem-estar. Neste caso, pode-se ferver 1 litro de água com algumas folhas de boldo durante 15 minutos e, em seguida, jogar o chá de boldo na água da banheira e ficar imerso por aproximadamente 10 minutos.

Possíveis efeitos colaterais

Tanto o boldo do Chile quanto o boldo brasileiro são seguros para a maioria dos adultos quando consumido por curto período de tempo. Entretanto, se o boldo do Chile for consumido em quantidade excessiva ou por mais de 30 dias pode causar intoxicação no fígado, náuseas, vômitos e diarreia. Além disso, o boldo do Chile pode causar aumento de contrações uterinas, aborto ou causar má formação no bebê, principalmente se consumido no primeiro trimestre da gravidez.

O consumo do boldo do Chile também pode causar anafilaxia, uma reação alérgica grave, sendo importante ficar atento a sintomas como língua inchada, dificuldade para respirar ou engolir, procurar atendimento médico de urgência. Saiba como identificar a anafilaxia.

Já o boldo brasileiro, em doses acima das recomendadas, ou utilizadas por um período maior do que 30 dias, pode causar queimação e dor no estômago e diarreia. Se for necessário usar a planta por um período maior de 30 dias, é importante pausar por 7 dias e depois retomar. Em algumas pessoas, o boldo brasileiro pode causar reação alérgica na pele. 

Quem não deve usar

O boldo do Chile não é recomendado para crianças, pessoas com pedra na vesícula e inflamação das vias biliares, doenças no fígado, nos rins, câncer na vesícula ou no pâncreas. Este tipo de boldo também é contraindicado para mulheres que amamentam e para gestantes, especialmente nos primeiros três meses de gestação. Caso exista suspeita de gravidez, recomenda-se que, antes de usar o boldo, seja feito um teste de gravidez, pois o boldo pode causar aborto pelo aumento das contrações uterinas.

O boldo brasileiro também não deve ser utilizado por crianças, gestantes e mulheres que amamentam. Da mesma forma que não é indicado para quem tem pressão alta, para quem sofre com pedras na vesícula, em casos de doença renal ou hepatites. 

Na forma de tintura, o boldo brasileiro também é contraindicado para diabéticos e alcoólicos. Não se deve utilizar este tipo de boldo com medicamentos como metronidazol, dissulfiram, calmantes, medicamentos para controlar a pressão alta, para equilibrar os batimentos cardíacos, digoxina, e hormônios para tireóide. Além disso, por ter ação antiácida, este tipo de boldo pode diminuir o efeito de alguns medicamentos que precisam do ácido do estômago para serem absorvidos. 

Seja qual for o tipo de boldo escolhido, é importante usar o boldo somente sob orientação de um médico, fitoterapeuta ou de um profissional de saúde com conhecimentos específicos em plantas medicinais.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • AMARAL, Francesca Guzzetti . Efeito de extractos aquosos de Plectranthus barbatus e de Peumus boldus na acção do etanol e na absorção conjunta de colesterol em linhas celulares. Dissertação de mestrado em bioquímica, 2011. Universidade de Lisboa.
  • RUIZ, Ana Lúcia T. G.; et al. Farmacologia e Toxicologia de Peumus boldus e Baccharis genistelloides. Revista Brasileira de Farmacognosia. vol.18 no.2 João Pessoa Apr./June 2008. 18. 2; 295-300, 2008
  • Lopes, A. S. N.; et al. Composição Química e Atividades Biológicas do Óleo Essencial de Peumus boldus Molina (Monimiaceae). Rev. Virtual Quim. 12. 2; 1-14, 2020
  • EUROPEAN MEDICINES AGENCY. Assessment report on Peumus boldus Molina, folium. 2016. Disponível em: <https://www.ema.europa.eu/en/documents/herbal-report/final-assessment-report-peumus-boldus-molina-folium_en.pdf>. Acesso em 19 Jun 2020
  • FINTELMANN Volker; FRITZ Rudolf . Manual de Fitoterapia. 11º. Brasil: Guanabara Koogan, 2010. 126.
  • COSTA Eronita. Nutrição & Fitoterapia. 2º. Brasil: Vozes Ltda, 2011. 82-83.
  • LEAL Antonio. Viva Melhor com as plantas medicinais. 7º. Lisboa Portugal: Edições Une, 2008. 100-101.
  • COSTA, H, M, Fernando. Caracterização da composição química de extratos de boldos in natura e produtos comerciais derivados do boldo . tese de conclusão de curso, 2017. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri.
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA. Formulário de fitoterápicos: farmacopéia brasileira. 2021. Disponível em: <https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/farmacopeia/formulario-fitoterapico/arquivos/2021-fffb2-final-c-capa2.pdf>. Acesso em 05 Ago 2021
  • M, F, Cordeiro et al. Phytochemical characterization and biological activities of Plectranthus barbatus Andrews. Brazilian Journal of Biology. Vol. 82. 1-12, 2020
Mais sobre este assunto: