Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Remédios que cortam o efeito do Anticoncepcional

Alguns remédios podem cortar ou diminuir o efeito da pílula, pois diminuem a concentração hormonal na corrente sanguínea da mulher, aumentando o risco da gravidez indesejada.

Confira uma lista dos remédios que podem cortar ou diminuir a eficácia da pílula anticoncepcional e da pílula do dia seguinte, mesmo quando o anticoncepcional é tomado em forma de comprimido, injeção ou adesivo.

Remédios que cortam o efeito do Anticoncepcional

1. Antibióticos 

A Rifampicina é o principal antibiótico que corta o efeito da pílula anticoncepcional, este é geralmente usado para combater a tuberculose, hanseníase e a meningite. Mas diversas pesquisas já comprovaram que outros antibióticos, frequentemente usados contra dor de garganta, por exemplo, também podem diminuir um pouco a eficácia da pílula em algumas mulheres. Nesse caso, apesar de não cortem 100% o efeito do anticoncepcional, pode ser mais seguro usar camisinha durante o tratamento com esses medicamentos: 

  • Azitromicina;
  • Ampicilina;
  • Nitrofurantoína;
  • Amoxicilina;
  • Claritromicina;
  • Griseofulvina;
  • Metronidazol;
  • Ciprofloxacino;
  • Doxiciclina;
  • Penicilina;
  • Tetraciclina;
  • Cefazolina;
  • Levofloxacino;
  • Cefalexina;
  • Clindamicina;
  • Dapsona;
  • Eritromicina;
  • Isoniazida;
  • Fosfomicina;
  • Trimetoprim-sulfametoxazol.

Os antibióticos alteram a permeabilidade intestinal, fazendo com que a pílula anticoncepcional tenha mais dificuldade de ser corretamente absorvida, e isso acontece mesmo quando a pessoa não tem episódios de diarreia. Assim, sempre que a mulher necessitar de tomar algum antibiótico deve adicionar algum outro método contraceptivo para evitar a gravidez indesejada.

Veja também: Antibiótico corta o efeito do Anticoncepcional

2. Outros remédios 

Os remédios usados para diminuir ou abolir as crises convulsivas também podem comprometer a eficácia dos anticoncepcionais em forma de comprimidos, tais como:

  • Fenobarbital;
  • Primidona;
  • Topiramato;
  • Carbamazepina;
  • Fenitoína;
  • Hidantoína.

Além destes remédios, a Griseofulvina que é um antifúngico e os remédios para o controle do HIV como Ritonavir e Nelfinavir também interagem com os anticoncepcionais, reduzindo sua eficácia, principalmente nos tratamentos prolongados, sendo necessário usar camisinha ou DIU, para evitar a gravidez.

3. Remédios naturais

Os fitoterápicos, conhecidos popularmente como remédios naturais também interferem na eficácia da pílula anticoncepcional. Alguns exemplos são:

  • Saw palmeto tem ação oposta à testosterona e poderá interagir com estrógenos presentes nos anticoncepcionais orais.
  • Erva de são João e a Cimicífuga receosa, porque alteram a concentração hormonal na corrente sanguínea.  

Assim, em caso de uso de algum destes medicamentos, ainda que sejam naturais, deve-se utilizar preservativo em todas as relações, mas continuar tomando a pílula normalmente. A eficácia da pílula deverá voltar no 7º dia após parar de usar o medicamento que comprometia sua eficácia. 

Remédios que não cortam o efeito do Anticoncepcional

Outros remédios, que não alteram a absorção, nem interagem com os anticoncepcionais, são:

  • Dipirona;
  • Paracetamol;
  • Ibuprofeno;
  • Diprospan;
  • Decadron;
  • Profenid;
  • Aciclovir;
  • Valaciclovir;
  • Cetoconazol;
  • Fluconazol;
  • Miconazol;
  • Nistatina.

Por isso, caso tome algum destes medicamentos não deve se preocupar, nem adotar outro método contraceptivo enquanto durar o tratamento. 

Mais sobre este assunto:


Carregando
...