Listeriose (listeria): o que é, sintomas, transmissão e tratamento

junho 2022

A listeriose é uma doença infecciosa causada pela bactéria Listeria monocytogenes, que pode ser encontrada no solo, lodo e água, podendo ser transmitida através do consumo de água e alimentos contaminados, como leite não pasteurizado, queijos, verduras, frutos do mar e salsicha.

A infecção pode ser muitas vezes assintomática, no entanto os sintomas podem aparecer em crianças, gestantes, idosos e portadores de doenças crônicas, já que o sistema imunológico está comprometido. Os sintomas iniciais da listeriose podem ser confundidos com os da gripe, uma vez que há febre, dor no corpo e calafrios, por exemplo, no entanto é comum que existam dores no corpo e diarreia, por exemplo.

Para evitar essa bactéria é importante lavar sempre as mãos e os alimentos antes de consumi-lo, além disso é indicado sempre que houver confirmação da listeriose, notificar à vigilância sanitária para que se possa investigar a causa da infecção.

Sintomas de listeriose

Os sintomas de listeriose podem variar de 3 a 60 dias após o contato com a bactéria responsável pela doença. Além disso, a intensidade dos sintomas podem variar de acordo com o estado geral de saúde, sendo os sintomas mais graves quando o sistema imunológico encontra-se mais debilitado. Os principais sintomas da listeriose são:

  • Dores musculares;
  • Febre alta, superior a 38ºC;
  • Vômitos;
  • Calafrios;
  • Dor de cabeça;
  • Perda de apetite;
  • Diarreia;
  • Confusão mental;
  • Cansaço.

Em casos mais graves e raros, a Listeria monocytogenes pode se espalhar pela corrente sanguínea e chegar no sistema nervoso, onde pode provocar meningite, que é uma inflamação nas membranas que envolvem o cérebro. Além disso, a infecção nas gestantes pode ser grave e resultar em morte do bebê, parto prematuro ou infecção no momento do parto.

Por isso, é importante que na presença de sinais e sintomas de listeriose, a pessoa consulte o clínico geral para que sejam realizados exames que ajudem a confirmar o diagnóstico, podendo ser feito exame de sangue e pesquisa da bactéria nas fezes, lavado gástrico, placenta ou líquido amniótico, no caso das grávidas.

Como acontece a transmissão

A transmissão da agente Listeria monocytogenes acontece a partir principalmente do consumo de água e alimentos contaminados, como por exemplo leite não pasteurizado, derivados do leite, frutas, verduras, legumes, carnes, peixes, frutos do mar defumados e congelados, e embutidos, como a salsicha.

Essa bactéria é resistente a todas as etapas do processamento e manipulação de alimentos e, por isso, pode ser encontrado em pequenas concentrações em alimentos devidamente processados. No entanto, a presença da bactéria no alimento não necessariamente é capaz de causar doença, a não ser que as condições de armazenamento não sejam respeitadas, podendo favorecer a proliferação da bactéria. Veja como armazenar corretamente os alimentos.

Tratamento da listeriose

O tratamento da listeriose é feito com o uso de antibióticos, sendo normalmente recomendado pelo médico o uso de Penicilina ou Ampicilina associada a Aminoglicosídeos, como a Gentamicina. Em caso de alergia a Penicilina, o médico pode indicar como alternativa o uso de Sulfametoxazol-Trimetoprim, também conhecido como Bactrim.

Além disso, no caso da pessoa apresentar vômitos e diarreia, é importante que beba bastante água e faça uso de soro caseiro, pois assim é possível prevenir a desidratação, além de também ser importante ter uma alimentação leve e de fácil digestão.

Como prevenir

Para evitar a contaminação pela Listeria monocytogenes e, consequentemente, o desenvolvimento da listeriose, é importante adotar algumas medidas de higiene, como:

  • Lavar as mãos antes das refeições;
  • Lavar bem os alimentos como frutas, legumes e verduras antes de comer;
  • Armazenar corretamente a comida;
  • Manter a geladeira limpa;
  • Evitar o consumo de alimentos não pasteurizados.

Além disso, para evitar novos casos de listeriose, é importante comunicar à vigilância sanitária o caso para que seja possível realizar uma investigação do ponto inicial da infecção e, assim, ser possível implantar medidas de prevenção mais eficazes.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em junho de 2022. Revisão clínica por Marcela Lemos - Biomédica, em junho de 2022.

Bibliografia

  • DIREÇÃO GERAL DE SAÚDE. Listeriose. Disponível em: <https://www.dgs.pt/saude-publica1/listeriose.aspx>. Acesso em 15 jul 2019
  • DE SOUZA, Ana Paula O.; ARAUJO, Guilherme M. B.; FERREIRA, Maria José. Listeriose na gravidez. Rev Méd Minas Gerais. Vol 20. 432-434, 2010
Mostrar bibliografia completa
  • SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO. Doenças transmitidas por água e alimentos - Listeria monocytogenes. 2013. Disponível em: <http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/areas-de-vigilancia/doencas-transmitidas-por-agua-e-alimentos/doc/bacterias/2013listeria_monocytogenes.pdf>. Acesso em 15 jul 2019
  • AUTORIDADE DE SEGURANÇA ALIMENTAR E ECONÔMICA. Listeria. Disponível em: <https://www.asae.gov.pt/seguranca-alimentar/riscos-biologicos/listeria-monocytogenes.aspx>. Acesso em 15 jul 2019
Revisão clínica:
Marcela Lemos
Biomédica
Mestre em Microbiologia Aplicada, com habilitação em Análises Clínicas e formada pela UFPE em 2017 com registro profissional no CRBM/ PE 08598.