Listeriose (infecção por Listeria): o que é, sintomas e tratamento

A listeriose é uma doença infecciosa causada pela bactéria Listeria monocytogenes, que pode ser encontrada no solo, lodo e água, podendo ser transmitida através do consumo de água e alimentos contaminados, como leite não pasteurizado, queijos, verduras, frutos do mar e salsicha.

A infecção pode ser muitas vezes assintomática, no entanto os sintomas podem aparecer em crianças, gestantes, idosos e portadores de doenças crônicas, já que o sistema imunológico está comprometido. Os sintomas iniciais da listeriose podem ser confundidos com os da gripe, uma vez que há febre, dor no corpo e calafrios, por exemplo, no entanto é comum que existam dores no corpo e diarreia, por exemplo.

Para evitar essa bactéria é importante lavar sempre as mãos e os alimentos antes de consumi-lo, além disso é indicado sempre que houver confirmação da listeriose, notificar à vigilância sanitária para que se possa investigar a causa da infecção.

 Listeriose (infecção por Listeria): o que é, sintomas e tratamento

Sintomas de listeriose

Os sintomas de listeriose podem variar de 3 a 60 dias após o contato com a bactéria responsável pela doença. Além disso, a intensidade dos sintomas podem variar de acordo com o estado geral de saúde, sendo os sintomas mais graves quando o sistema imunológico encontra-se mais debilitado. Os principais sintomas da listeriose são:

  • Dores musculares;
  • Febre alta, superior a 38ºC;
  • Vômitos;
  • Calafrios;
  • Dor de cabeça;
  • Perda de apetite;
  • Diarreia;
  • Confusão mental;
  • Cansaço.

Em casos mais graves e raros, a Listeria monocytogenes pode se espalhar pela corrente sanguínea e chegar no sistema nervoso, onde pode provocar meningite, que é uma inflamação nas membranas que envolvem o cérebro. Além disso, a infecção nas gestantes pode ser grave e resultar em morte do bebê, parto prematuro ou infecção no momento do parto.

Por isso, é importante que na presença de sinais e sintomas de listeriose, a pessoa consulte o clínico geral para que sejam realizados exames que ajudem a confirmar o diagnóstico, podendo ser feito exame de sangue e pesquisa da bactéria nas fezes, lavado gástrico, placenta ou líquido amniótico, no caso das grávidas.

Como acontece a transmissão

A transmissão da agente Listeria monocytogenes acontece a partir principalmente do consumo de água e alimentos contaminados, como por exemplo leite não pasteurizado, derivados do leite, frutas, verduras, legumes, carnes, peixes, frutos do mar defumados e congelados, e embutidos, como a salsicha.

Essa bactéria é resistente a todas as etapas do processamento e manipulação de alimentos e, por isso, pode ser encontrado em pequenas concentrações em alimentos devidamente processados. No entanto, a presença da bactéria no alimento não necessariamente é capaz de causar doença, a não ser que as condições de armazenamento não sejam respeitadas, podendo favorecer a proliferação da bactéria. Veja como armazenar corretamente os alimentos.

 Listeriose (infecção por Listeria): o que é, sintomas e tratamento

Tratamento da listeriose

O tratamento da listeriose é feito com o uso de antibióticos, sendo normalmente recomendado pelo médico o uso de Penicilina ou Ampicilina associada a Aminoglicosídeos, como a Gentamicina. Em caso de alergia a Penicilina, o médico pode indicar como alternativa o uso de Sulfametoxazol-Trimetoprim, também conhecido como Bactrim.

Além disso, no caso da pessoa apresentar vômitos e diarreia, é importante que beba bastante água e faça uso de soro caseiro, pois assim é possível prevenir a desidratação, além de também ser importante ter uma alimentação leve e de fácil digestão.

Como prevenir

Para evitar a contaminação pela Listeria monocytogenes e, consequentemente, o desenvolvimento da listeriose, é importante adotar algumas medidas de higiene, como:

  • Lavar as mãos antes das refeições;
  • Lavar bem os alimentos como frutas, legumes e verduras antes de comer;
  • Armazenar corretamente a comida;
  • Manter a geladeira limpa;
  • Evitar o consumo de alimentos não pasteurizados.

Além disso, para evitar novos casos de listeriose, é importante comunicar à vigilância sanitária o caso para que seja possível realizar uma investigação do ponto inicial da infecção e, assim, ser possível implantar medidas de prevenção mais eficazes.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • AUTORIDADE DE SEGURANÇA ALIMENTAR E ECONÔMICA. Listeria. Disponível em: <https://www.asae.gov.pt/seguranca-alimentar/riscos-biologicos/listeria-monocytogenes.aspx>. Acesso em 15 Jul 2019
  • SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO. Doenças transmitidas por água e alimentos - Listeria monocytogenes. 2013. Disponível em: <http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/areas-de-vigilancia/doencas-transmitidas-por-agua-e-alimentos/doc/bacterias/2013listeria_monocytogenes.pdf>. Acesso em 15 Jul 2019
  • DE SOUZA, Ana Paula O.; ARAUJO, Guilherme M. B.; FERREIRA, Maria José. Listeriose na gravidez. Rev Méd Minas Gerais. Vol 20. 432-434, 2010
  • DIREÇÃO GERAL DE SAÚDE. Listeriose. Disponível em: <https://www.dgs.pt/saude-publica1/listeriose.aspx>. Acesso em 15 Jul 2019
Mais sobre este assunto: