Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é Linfocele e como tratar

Linfocele é qualquer acúmulo de linfa em uma região do corpo, sendo que a causa mais comum é a remoção ou lesão de vasos que conduzem este líquido, após uma pancada ou a realização de uma cirurgia abdominal, pélvica, torácica, cervical ou inguinal, por exemplo. O extravasamento do líquido linfático fica acumulado nos tecidos próximos à região afetada, o que pode causar inflamação ou a formação de um cisto no local.

O sistema linfático é um conjunto de órgãos linfóides e vasos que se distribuem ao longo de todo o corpo, com a função de drenar e filtrar o excesso de líquido do corpo, encaminhando-o para a corrente sanguínea, além de atuar no sistema imune para a defesa do organismo. Para saber mais sobre o funcionamento deste complexo sistema, confira o que é o sistema linfático e como funciona.

Geralmente, o líquido linfático da linfocele é reabsorvido naturalmente pelo organismo, não sendo necessário qualquer tratamento. Entretanto, em alguns casos em que há um grande acúmulo de líquido ou quando provoca sintomas, como dor, infecção ou compressão dos vasos sanguíneos, é necessária a realização de procedimentos para drenagem do líquido, através uma punção ou cirurgia. 

O que é Linfocele e como tratar

Principais causas

A linfocele surge sempre que a linfa que extravasa dos vasos linfáticos, podendo ficar contida nos tecidos ao redor, o que favorece uma inflamação e o desenvolvimento de uma cápsula, formando um cisto. Esta complicação é mais comum em situações como:

1. Cirurgia

Qualquer cirurgia pode causar uma linfocele, principalmente aquelas em que se manipulam vasos sanguíneos ou em que se removem gânglios linfáticos, podendo surgir entre cerca de 2 semanas a 6 meses após o procedimento cirúrgico. Algumas das cirurgias mais associadas a este tipo de complicação são:

  • Abdominal ou pélvica, como histerectomia, cirurgia intestinal, cirurgia renal ou transplante renal;
  • Torácica, como pulmões, aorta, região das mamas ou axilas, por exemplo;
  • Cervical, como da tireóide;
  • Vasos sanguíneos, como remoção de obstrução ou correção de algum defeito, como aneurisma.

Após a cirurgia abdominal, é comum que a linfocele fique retida no espaço retroperitoneal, que é a região mais posterior da cavidade abdominal. Além disso, as cirurgias oncológicas feitas para remoção ou tratamento do câncer, são importantes causadoras da linfocele, pois é comum que haja a necessidade de remover tecidos linfáticos durante o procedimento. 

2. Lesões

Lesões ou traumas que provoquem o rompimento de vasos sanguíneos ou linfáticos podem causar a linfocele, o que pode surgir em pancadas ou acidentes, por exemplo.

A linfocele também pode surgir na região genital, após contato íntimo ou masturbações, podendo surgir como uma caroço nos grandes lábios ou no pênis, após horas a dias do ato. Saiba mais sobre estas e outras causas de caroço no pênis.

3. Câncer

O desenvolvimento de um tumor ou câncer pode causar lesões nos vasos sanguíneos ou linfáticos, estimulando o extravasamento de linfa para regiões próximas.

O que é Linfocele e como tratar

Sintomas que podem surgir

Quando pequena e sem complicações, a linfocele não costuma causar sintomas. Entretanto, caso aumente de volume, e a depender da sua localização e se causa compressão de estruturas próximas, pode provocar sintomas como:

  • Dor abdominal;
  • Vontade frequente ou dificuldade para urinar;
  • Constipação intestinal;
  • inchaço na região genital ou nos membros inferiores;
  • Nódulo palpável no abdômen ou na região afetada.

Quando a linfocele causa obstrução das vias urinárias, como ureteres, é possível haver prejuízo da função renal, o que pode se tornar grave. 

Para confirmar a presença de linfocele, o médico poderá solicitar exames como ultrassom ou tomografia computadorizada.

Como é feito o tratamento

Quando a linfocele é pequena, costuma ser reabsorvida em cerca de 1 semana, sendo apenas acompanhada pelo médico com exames, como ultrassom. 

Entretanto, quando não regridem, aumentam de tamanho ou causam complicações como inflamação, infecção, sintomas urinários ou aumento da pressão linfática, é necessário realizar um procedimento, que pode ser punção para drenagem do líquido ou cirurgia pra remoção do cisto. 

O uso de antibióticos pode ser indicado pelo médico quando há suspeita de infecção. 

Mais sobre este assunto:


Carregando
...