Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Intolerância à frutose: o que é, sintomas e o que comer

Revisão clínica: Tatiana Zanin
Nutricionista
janeiro 2023
  1. Sintomas
  2. Tipos
  3. Causas
  4. Diagnóstico
  5. Tratamento
  6. Cardápio

A intolerância à frutose é a dificuldade em absorver ou digerir os alimentos ricos em frutose, podendo provocar alguns sintomas, como excesso de gases, dor na barriga, náuseas, diarreia e distensão abdominal.

A frutose é um tipo de açúcar naturalmente encontrado em frutas, mel e vegetais. Além disso, alguns produtos industrializados, como refrigerantes, molhos e biscoitos, também contêm a frutose na forma de xarope de frutose, sorbitol e sacarose. Veja todos os alimentos ricos em frutose.

O diagnóstico da intolerância à frutose deve ser feito por um médico e o tratamento consiste em reduzir a ingestão ou excluir da dieta alimentos ricos nesse tipo de açúcar. No entanto, como o tipo e grau de intolerância à frutose varia de pessoa para pessoa, é aconselhado consultar um nutricionista para tratar a condição e manter uma dieta saudável e variada.

Imagem ilustrativa número 2

Principais sintomas

Os principais sintomas da intolerância à frutose são:

  • Enjoo e vômitos;
  • Excesso de gases;
  • Dor na barriga;
  • Diarreia ou prisão de ventre;
  • Barriga inchada;
  • Falta de apetite;
  • Irritabilidade;
  • Tonturas.

Já em crianças os sinais e sintomas da intolerância à frutose são vômitos, diarreia, barriga inchada, pele e/ou olhos amarelados e dificuldades no crescimento e desenvolvimento.

Como a frutose não digerida pode se acumular no corpo, o consumo regular e contínuo de alimentos ricos nesse açúcar pode causar convulsões, coma e falência de órgãos.

O que é a frutose?

A frutose é um tipo de açúcar encontrado naturalmente nas frutas, no mel, no agave, em alguns vegetais e leguminosas, alimentos que normalmente não fazem mal à saúde.

No entanto, a frutose também pode ser encontrada, na forma de xarope de frutose, sorbitol, sacarose, em produtos industrializados como bolos, chocolates, molhos e refrigerantes, alimentos que estão relacionados com o surgimento da obesidade, diabetes e pressão alta, por exemplo.

Tipos de intolerância à frutose

A intolerância à frutose pode ser classificada em intolerância alimentar à frutose e intolerância hereditária à frutose.

1. Intolerância alimentar à frutose

Esse tipo de intolerância, também chamada de má absorção da frutose, acontece quando as células do intestino não conseguem absorver adequadamente a frutose. Assim, o intestino fermenta uma parte da frutose não absorvida, causando sintomas como excesso de gases, diarreia, dor na barriga e barriga inchada.

A intolerância alimentar à frutose pode pode surgir em qualquer fase da vida e pode ser causada pelo estresse ou problemas intestinais, como síndrome do intestino irritável ou disbiose, um desequilíbrio na microbiota intestinal que pode causar inflamação e atrapalhar a absorção de nutrientes. Entenda melhor sobre a disbiose.

2. Intolerância hereditária à frutose

A intolerância hereditária à frutose é uma doença genética rara causada pela alteração na aldolase B, que é a enzima responsável pelo metabolismo da frutose. Esse tipo de intolerância pode surgir nos primeiros 6 meses de vida, que é a fase onde o bebê começa a ingerir outros alimentos como papinhas e sucos ou frutas.

Pessoas com esse tipo de intolerância não absorvem a frutose, podendo apresentar sintomas como dor abdominal, náuseas e vômitos. Além disso, o consumo regular de alimentos ricos em frutose também pode causar problemas mais graves, como insuficiência renal, fibrose hepática e alterações no sistema nervoso.

Possíveis causas

As possíveis causas da intolerância à frutose são: 

  • Disbiose;

  • Problemas no intestino, como síndrome do intestino irritável, doença celíaca ou colite;

  • Ingestão de alimentos processados.

Já a intolerância hereditária à frutose é uma doença genética que é transmitida dos pais para os filhos.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico de intolerância à frutose deve ser feito pelo clínico geral ou gastroenterologista, através da avaliação dos sinais e sintomas apresentados e da dieta da pessoa.

Além disso, o médico também pode solicitar testes genéticos, exames de urina ou de fezes. Assim como pode pedir o teste de hidrogênio expirado, que é um exame que mede, através da respiração, a quantidade de metano e hidrogênio exalada após beber um líquido contendo frutose.

Como é feito o tratamento

O tratamento da intolerância à frutose deve ser indicado por um médico ou nutricionista, variando conforme o tipo e o grau dessa condição e consiste basicamente em retirar da dieta alimentos ricos em frutose.

Alimentos que devem ser evitados

Existem alimentos que contém elevadas quantidades de frutose e que devem ser reduzidos ou excluídos da dieta de acordo com o tipo e o grau de tolerância da pessoa:

Categoria

Baixo teor de frutose

Grande teor de frutose

Frutas

Abacate, limão, abacaxi, morango, tangerina, laranja, banana, amora e melão

Todas as frutas que não foram mencionadas anteriormente; Frutas em calda; geleias; sucos de fruta; frutas desidratadas como ameixas, uva-passa, damasco, figos e tâmaras; e compotas

Vegetais

Cenoura, cebola, aspargos, aipo, espinafre, batata, folhas de nabo, abóbora, couve-flor, alface, repolho, espinafre, cebolinha e pimentão verde

Alcachofra, couve-de-bruxelas, aspargos, brócolis, pimentão, cogumelo, alho-poró, quiabo, ervilha, pimentão vermelho, beterraba, tomate, batata-doce e berinjela

Cereais 

Trigo sarraceno, tortilhas de milho, arroz, pães simples, pipoca, quinoa e aveia

Pães e bolos com frutas secas ou que contenham xarope de milho, mel, melaço, agave, sorbitol, sacarose ou açúcar

Adoçantes

Stévia, sucralose, maltose aspartame

Mel, melaço de cana, agave, sorbitol, sacarose e açúcar

Molhos

Maionese e mostarda sem açúcar

Molho de tomate, maionese, molho barbecue e outros molhos preparados com açúcar

Alguns alimentos como ervilhas, lentilhas, feijão, grão de bico, feijão branco, milho e soja podem provocar gases e, por isso, o seu consumo depende da tolerância de cada pessoa.

Alimentos permitidos

Alguns dos alimentos que não possuem frutose e podem ser consumidos são:

  • Produtos lácteos, como leite, manteiga, queijo e iogurte natural;
  • Adoçantes, como stévia, sucralose, maltose e aspartame;
  • Oleaginosas, como nozes, amendoim, castanha, avelã, chia, gergelim e linhaça;
  • Temperos naturais, como sal, vinagre, ervas aromáticas e especiarias;
  • Cereais, como aveia, cevada, centeio, pão e arroz, desde que não tenham frutose, sacarose, sorbitol, mel, melado ou xarope de milho;
  • Proteínas, como frango, peixe, carne bovina e ovos;
  • Bebidas, como água, chás e cafés.

Como a intolerância à frutose varia conforme o tipo e grau dessa condição, é importante consultar um nutricionista para que seja indicado um plano nutricional adequado às necessidades individuais.

A dieta FODMAP também pode ser uma opção para aliviar a intolerância à frutose. Esta dieta tem como objetivo excluir alimentos que são pouco absorvidos e que são fermentados por bactérias presentes no intestino, como frutose, lactose, galacto-oligossacarídeos e álcoois de açúcar. Saiba mais sobre a dieta FODMAP.

Cardápio para intolerância à frutose

A tabela a seguir contém um exemplo de cardápio para intolerância à frutose:

Refeição

Dia 1

Dia 2

Dia 3

Café da manhã

1 xícara de chá de leite + 2 ovos mexidos com queijo + 1 fatia de pão

1 xícara de chá de camomila + 1 pão francês integral + 2 fatias de queijo branco

200 ml de leite com cacau + 2 fatias de pão integral com queijo branco

Lanche da Manhã

10 castanhas de caju

2 castanhas-do-pará

1 fatia pequena de bolo caseiro de aveia adoçado com estévia

Almoço/jantar

1 filé de peito de frango grelhado + 2 col de sopa de arroz integral + salada de alface, cebola e cenoura ralada + 1 colher de chá de azeite

1 filé de pescado grelhado + 2 col de sopa de de purê de batata + 3 col de sopa de espinafre refogado em 1/2 col de sobremesa de azeite

1 fatia de peito de peru + 2 batatas cozidas + 4 col de sopa de couve-flor cozida temperada com 1 col de sobremesa de azeite de oliva

Lanche da Tarde

1 iogurte natural + 1 colher de sopa de flocos de aveia

1 xícara de chá de ervas + 1 fatia de pão de centeio com queijo ricota

200 ml de leite com cacau em pó + 1 colher sopa de mix de castanhas, nozes e amêndoas

É importante lembrar que os tipos e quantidades de alimentos variam conforme o tipo e o grau de intolerância à frutose. Por isso, é aconselhado passar por uma consulta com um nutricionista para fazer uma avaliação completa e elaborar um cardápio de acordo com as necessidades individuais.

Além disso, deve-se sempre avaliar o rótulo de alimentos industrializados para verificar  se contém ingredientes como xarope de frutose, mel, melaço e os adoçantes sacarina e sorbitol. Veja como ler o rótulo dos alimentos.

Possíveis complicações

Como a frutose não digerida pode se acumular no corpo, o consumo regular e contínuo desse tipo de açúcar pode causar complicações como:

  • Convulsões;
  • Insuficiência renal;
  • Fibrose hepática;
  • Cirrose;
  • Dificuldades no crescimento e desenvolvimento em crianças.

Além disso, o consumo excessivo de frutose também pode causar falência de órgãos, levando ao coma e óbito.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Karla S. Leal - Nutricionista, em janeiro de 2023. Revisão clínica por Tatiana Zanin - Nutricionista, em janeiro de 2023.

Bibliografia

  • TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHIN. Hereditary Fructose Intolerance. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK559102/>. Acesso em 05 jan 2023
  • UNIVERSITY OF WASHINGTON, SEATTLE; 1993-2023.. Hereditary Fructose Intolerance. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK333439/>. Acesso em 05 jan 2023
Mostrar bibliografia completa
  • FERNDANDES, M, Ana Sofia . Má absorção de frutose: o impacto na microbiota intestinal. Tese de conclusão de mestrado, 2020. Universidade Fernando Pessoa.
Revisão clínica:
Tatiana Zanin
Nutricionista
Formada pela Universidade Católica de Santos em 2001, com registro profissional no CRN-3 nº 15097.