Impetigo bolhoso: o que é, sintomas e tratamento

Revisão médica: Dr.ª Sani Santos Ribeiro
Pediatra e Pneumologista infantil
setembro 2022

O impetigo bolhoso é caracterizado pelo aparecimento de bolhas na pele de tamanho variado que podem romper e deixar marcas avermelhadas na pele, sendo causada pela bactéria Staphylococcus aureus, que pode ser encontrada naturalmente na pele.

O impetigo é uma infecção altamente contagiosa e mais frequente em crianças, podendo os sintomas aparecerem poucos dias após o nascimento, por exemplo. Conheça mais sobre o impetigo.

O tratamento para impetigo bolhoso deve ser estabelecido pelo pediatra ou clínico geral de acordo com os sintomas apresentados pela criança, sendo normalmente recomendado o uso de antibióticos e a realização de compressa de soro fisiológico nas lesões.

Principais sintomas

Os principais sintomas de impetigo bolhoso são:

  • Aparecimento de feridas e bolhas contendo líquido amarelado na pele;
  • Febre acima de 38ºC;
  • Mal estar geral;
  • Surgimento de manchas vermelhas ou crostas na pele após rompimento das bolhas.

As bolhas e feridas do impetigo bolhoso podem parecer de forma localizada ou disseminada, ou seja, em várias partes do corpo, sendo mais frequentemente encontradas no rosto, pernas, barriga e nas extremidades. O impetigo bolhoso é mais comum de aparecer em bebês logo nos primeiros dias de vida, sendo denominado impetigo bolhoso neonatal ou do recém-nascido.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico do impetigo bolhoso é feito pelo pediatra ou clínico geral por meio da avaliação dos sinais e sintomas apresentados pela criança. Em alguns casos, para confirmar a infecção, pode ser indicada a realização da análise do líquido das bolhas ou presente na ferida, pois assim é possível confirmar a presença do agente infeccioso e verificar o seu perfil de sensibilidade, o que é útil para indicar o antibiótico mais adequado.

Tratamento para impetigo bolhoso

O tratamento para impetigo bolhoso deve ser orientado pelo pediatra, que pode indicar o uso de antibióticos de acordo com a quantidade de bolhas e sua localização, além de ser importante realizar a limpeza da região.

A limpeza da pele é parte fundamental do tratamento para impetigo bolhoso, pois assim é possível evitar a formação de novas bolhas e lesões. Para fazer a limpeza, é indicado passar soro fisiológico no local com auxílio de uma gaze limpa.

O uso de antibióticos é importante para combater o agente infeccioso responsável pelo impetigo bolhoso. No caso de serem identificadas poucas lesões ou quando as lesões estão presentes em apenas uma parte do corpo, pode ser recomendado o uso de antibiótico em forma de pomada, devendo ser aplicadas na pele 2 a 3 vezes ao dia durante 5 a 7 dias, de acordo com a orientação do médico. Os antibióticos mais indicados nesses casos são a mupirocina e a retapamulina.

Quando são identificadas muitas lesões ou quando as lesões estão espalhadas pelo corpo, o médico pode indicar o uso de antibióticos em forma de comprimido, como a cefalexina ou a amoxicilina combinada com o ácido clavulânico.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Dr.ª Sani Santos Ribeiro - Pediatra e Pneumologista infantil, em setembro de 2022.

Bibliografia

  • JUNIOR, Walter B.; DI CHIACCHIO, Nilton; CRIADO, Paulo R. Tratado de dermatologia. 2 ed. São Paulo: Atheneu, 2014. 837-839; 1187-1189.
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA. Impetigo. Disponível em: <http://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/impetigo/29/>. Acesso em 03 abr 2019
Mostrar bibliografia completa
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Antimicrobianos na Prática Clínica Pediátrica: Guia Prático para Manejo no Ambulatório, na Emergência e na Enfermaria. Disponível em: <http://www.saudedireta.com.br/docsupload/1377784200Antibioticos%20da%20Pratica%20Clinica%20Pediatrica%20-%20Dermatologia.pdf>. Acesso em 03 abr 2019
Revisão médica:
Dr.ª Sani Santos Ribeiro
Pediatra e Pneumologista infantil
Médica formada pela Universidade Federal do Rio Grande com CRM nº 28364 e especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria.