Hantavirose: o que é, sintomas, transmissão e tratamento

outubro 2022

A hantavirose é uma doença infecciosa grave transmitida pelo Hantavírus, que é um vírus pertencente à família Bunyaviridae e que pode ser encontrado nas fezes, urina e saliva de alguns roedores, principalmente ratos silvestres.

A infecção pelo Hantavírus acontece pela inalação de partículas do vírus suspensas no ar, levando ao aparecimento de sintomas cerca de 2 semanas após o contato com o vírus, como febre, vômitos, dor de cabeça e dor no corpo, além de poder haver o comprometimento dos pulmões, coração ou rins, o que pode ser muito graves.

Assim, caso haja suspeita de infecção pelo Hantavírus é importante que a pessoa vá ao hospital para que seja feito o diagnóstico e iniciado o tratamento, que é feito por meio de medidas de suporte, já que não há tratamento específico.

Principais sintomas

Os principais sintomas de hantavirose são:

  • Febre;
  • Dor de cabeça;
  • Cansaço;
  • Dor muscular;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Dor abdominal.

Os primeiros sintomas de infecção pelo hantavírus podem demorar entre 5 a 60 dias, em média 14 dias, para aparecer, sendo inespecíficos e podendo ser confundido com outras doenças.

Após o surgimento dos primeiros sintomas, é comum que haja o comprometimento da função de alguns órgãos, representando que o vírus está se espalhando e a doença já encontra-se em um estágio mais avançado. Assim, é possível que exista:

  • Síndrome Cardiopulmonar Pelo Hantavírus (SCPH), em que surgem sintomas respiratórios, havendo tosse, produção de escarro com muco e sangue e falta de ar, que podem evoluir para uma insuficiência respiratória por acúmulo de líquidos nos pulmões, queda da pressão arterial e colapso da circulação sanguínea;
  • Febre Hemorrágica com Síndrome Renal (FHSR), em que a doença pode cursar com comprometimento da função dos rins, com diminuição da produção de urina, chamada de oligúria, acúmulo de ureia no sangue, hematomas e petéquias pelo corpo, risco de sangramentos e falência do funcionamento de vários órgãos.

A recuperação é mais provável quando a pessoa tem um tratamento adequado no hospital, podendo durar de 15 a 60 dias, sendo possível, ainda, que permaneçam sequelas como insuficiência renal crônica ou hipertensão arterial.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da hantavirose é feito por meio de exames laboratoriais com o objetivo de identificar anticorpos contra o vírus ou o genoma do vírus, confirmando a infecção. Além disso, é importante informar ao médico os hábitos de vida, se houve ou não contato com roedores ou se esteve em um ambiente possivelmente contaminado.

Como acontece a transmissão

A principal forma de transmissão da hantavirose é pela inalação de partículas do vírus que são eliminadas no ambiente através da urina e fezes dos roedores infectados e que podem estar suspensos no ar junto com a poeira. Além disso, é possível também haver contaminação por meio do contato do vírus com ferimentos na pele ou mucosas, consumo de água ou alimentos contaminados, manipulação de roedores em laboratório ou através da mordida do rato, no entanto isso é mais raro de acontecer.

Assim, as pessoas que apresentam maior risco de infecção são aquelas que trabalham com limpezas de galpões e celeiros que podem abrigar roedores e em áreas de reflorestamento, pessoas que frequentam depósitos de alimentos ou pessoas que acampam ou fazem trilhas em ambientes silvestres.

Tratamento para hantavirose

O tratamento para a hantavirose consiste em controlar os sintomas da doença, não existindo nenhum medicamento específico para controlar o vírus. O tratamento costuma ser feito no hospital e, nos casos mais graves, até em unidades de terapia intensiva (UTI).

Durante o tratamento, é necessário fazer o suporte da capacidade respiratória, devido ao desenvolvimento da síndrome cardiopulmonar, além do controle da função renal e outros dados vitais, podendo ser necessário, em alguns casos, a realização de hemodiálise ou respiração por aparelhos.

Como fazer a prevenção da hantavirose

Para prevenir a infecção pelo hantavírus é recomendado:

  • Manter os arredores da casa limpos e livres de vegetações e entulhos que possam abrigar roedores;
  • Evitar varrer ou espanar locais que possam ser passagem de roedores, preferindo passar um pano úmido;
  • Ao entrar em locais que permaneceram fechados por muito tempo, procurar abrir janelas e portas para deixar o ar e a luz entrarem;
  • Sempre deixar os alimentos bem estocados e fora do acesso a roedores;
  • Lavar utensílios de cozinha que estejam guardados por muito tempo, antes de usá-los.

Além disso, é orientado sempre higienizar bem as mãos e os alimentos antes de comer, pois podem conter partículas de vírus. Veja como lavar as mãos corretamente assistindo ao vídeo a seguir:

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em outubro de 2022. Revisão médica por Drª Sylvia Hinrichsen - Infectologista, em setembro de 2019.

Bibliografia

  • JUNIOR, VITOR L. P.; OLIVEIRA, STEFAN V.; SANTOS, VITORINO M. Hantavirose no Brasil: aspectos clínicos e epidemiológicos de uma doença emergente grave. Disponível em: <https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/handle/icict/46497/Hantavirose%20no%20Brasil.pdf;jsessionid=4DF6C73A8E3DBF3E5FA67EAD37D12031?sequence=2>. Acesso em 04 out 2022
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Vigilância, Prevenção e Controle das Hantaviroses. 2013. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_vigilancia_prevencao_controle_hantaviroses.pdf>. Acesso em 04 out 2022
Revisão médica:
Drª Sylvia Hinrichsen
Infectologista
Médica infectologista, doutorada em Medicina Tropical pela Universidade Federal de Pernambuco, em 1995. Cremepe: 6522

Tuasaude no Youtube

  • Como lavar as mãos do jeito certo | com Drauzio Varella

    05:00 | 50170 visualizações