Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

7 Doenças transmitidas pelo solo contaminado

No solo podem ser encontrados diversos microrganismos que podem causar doenças nas pessoas, principalmente nas crianças, que possuem a pele mais fina e a imunidade mais enfraquecida. Além disso, pessoas que fazem uso de remédios imunossupressores, encontram-se desnutridas ou são portadoras do vírus HIV, por exemplo, tem a proteção do organismo menos eficaz, havendo maior probabilidade de adquirir uma das doenças transmitidas pelo solo.

As doenças transmitidas pelo solo são causadas principalmente por parasitas, como no caso da ancilostomíase, a ascaridíase e a larva migrans, por exemplo, mas também pode estar relacionada com bactérias e fungos que podem permanecer por muito tempo no solo.

Apesar de serem muitas as doenças transmitidas por um solo contaminado e alvo da poluição, citamos aqui alguns dos exemplos mais comuns, que são:

7 Doenças transmitidas pelo solo contaminado

1. Larva migrans

A larva migrans cutânea, também conhecida como bicho geográfico, é causada pelo parasita Ancylostoma braziliensis, que pode ser encontrado nos solos e penetrar pele, através de pequenos ferimentos, provocando uma lesão avermelhada no local de entrada. Como esse parasita não consegue atingir as camadas mais profundas da pele, o seu deslocamento ao longo dos dias pode ser percebido na superfície da pele.

O que fazer: O tratamento para larva migrans cutânea é feito com o uso de remédios antiparasitários, como Tiabendazol, Albendazol ou Mebendazol, que deve ser usado conforme a recomendação do médico. Normalmente os sintomas de larva migrans diminuem cerca de 3 dias após o início do tratamento, no entanto é importante seguir o tratamento para garantir a eliminação por completa do parasita. Confira como identificar e tratar o bicho geográfico.

2. Ancilostomíase

A Ancilostomíase, também chamada de Amarelão, é uma verminose provocada pelos parasitas Ancylostoma duodenale e Necator americanus, cujas larvas podem permanecer e se desenvolver no solo, até que penetram através da pele de pessoas que entram em contato, especialmente ao andar descalços.

Após ultrapassar a pele do hospedeiro, o parasita atinge a circulação linfática ou sanguínea até alcançar os pulmões, podendo subir até a boca e então ser engolida juntamente com as secreções, atingindo, então, o intestino delgado onde se transforma em um verme adulto.

O verme adulto permanece fixado à parede do intestino e se alimenta dos restos alimentares da pessoa bem como do sangue, provocando anemia e deixando a pessoa com aparência pálida e fraca devido à perda de sangue. Saiba mais sobre os sintomas, tratamento e como prevenir o amarelão.

O que fazer: O tratamento inicial para a ancilostomíase tem como objetivo aliviar os sintomas, principalmente a anemia, sendo normalmente recomendada a realização de suplementação de ferro. Em seguida, é feito tratamento para eliminar o parasita, em que é indicado o uso de Albendazol ou Mebendazol de acordo com a recomendação do médico.

3. Ascaridíase

A ascaridíase, popularmente conhecida como lombriga, é uma doença infecciosa causada pelo parasita Ascaris lumbricoides, que é considerado um geohelminta, ou seja, precisa de um tempo no solo para que se torne infectante. A forma mais comum de transmissão da ascaridíase é através do consumo de água ou alimentos contaminados, porém como permanece no solo até que se torne infectante, pode afetar crianças que brincam no solo e levam a mão suja ou brinquedos contaminados com os ovos de Ascaris à boca.

Os ovos dos Ascaris lumbricoides são resistentes e podem sobreviver por muitos anos no solo, por isso, para evitar a doença é importante sempre lavar bem os alimentos, beber somente água filtrada e evitar levar a mão ou objetos sujos diretamente à boca.

O que fazer: Caso haja suspeita de infecção por Ascaris lumbricoides, é recomendado ir ao médico para que se possam fazer exames e possa ser iniciado o tratamento, que é feito com Albendazol ou Mebendazol.

4. Tétano

O tétano é uma doença que pode ser transmitida pelo solo causada pela bactéria Clostridium tetani, que entra no organismo através de ferimentos, cortes ou queimaduras de pele e libera toxinas. A toxina desta bactéria provoca uma tensão muscular generalizada, que pode gerar graves contraturas e rigidez muscular progressiva, que colocam a vida em sério risco.

O Clostridium tetani vive na terra, poeira ou fezes de pessoas ou animais. A ferrugem de metais, como pregos ou cercas metálicas também pode abrigar esta bactéria.

O que fazer: A vacinação é a única forma eficaz de prevenir a doença, no entanto, cuidados com as feridas também podem ajudar, como fazer uma limpeza completa da lesão, impedindo o acúmulo de esporos da bactéria no tecido danificado. Saiba mais sobre como acontece a transmissão e como prevenir o tétano.

7 Doenças transmitidas pelo solo contaminado

5. Tungíase

A tungíase é uma parasitose mais conhecida como bicho-de-pé, também chamado de bicho-de-areia ou bicho-de-porco, provocada pelas fêmeas grávidas de uma espécie de pulga, chamada de Tunga penetrans, que costuma habitar solos que contêm terra ou areia.

Ela surge como uma ou várias lesões, em forma de pequenos caroços de cor marrom escura, que causa bastante coceira e, se inflamar, pode provocar dor e vermelhidão no local. Esta infecção costuma afetar pessoas que andam descalças, por isso, a principal forma de prevenção é preferir andar calçado, principalmente em solos arenosos. Veja mais sobre como identificar, prevenir e tratar o bicho-de-pé.

O que fazer: O tratamento é feito com a retirada do parasita no posto de saúde com material esterilizado e, em alguns casos, podem ser indicados vermífugos, como Tiabendazol e Ivermectina, por exemplo.

6. Esporotricose

A esporotricose é uma doença provocada pelo fungo Sporothrix schenckii, que habita a natureza e está presente em locais como solo, plantas, palha, espinhos ou madeira. Ela é também conhecida como "doença do jardineiro", pois é comum afetar estes profissionais, assim como agricultores e outros trabalhadores que entram em contato com plantas e solo contaminados.

Geralmente, esta infecção atinge apenas a pele e o tecido subcutâneo, em que se formam pequenos caroços na pele, que podem crescer e formarem úlceras. No entanto, em alguns casos, o fungo pode se espalhar para outros locais do corpo, especialmente se a imunidade estiver comprometida, atingindo ossos, articulações, pulmões ou sistema nervoso, por exemplo.

O que fazer: Em caso de esporotricose, é recomendado fazer uso de remédios antifúngicos, como o Itraconazol, por exemplo, por 3 a 6 meses de acordo com a recomendação do médico. É importante que o tratamento não seja interrompido sem recomendação, mesmo que não existam mais sintomas, pois caso contrário pode estimular mecanismos de resistência dos fungos e, assim, tornar o tratamento da doença mais complicado.

7. Paracoccidioidomicose

A paracoccidioidomicose é uma doença infecciosa causada pela inalação dos esporos do fungo Paracoccidioides brasiliensis, que vive no solo e em plantações, sendo, por isso, mais comum de acontecer em agricultores e moderadores de áreas rurais, por exemplo.

A paracoccidioidomicose pode afetar diversas partes do corpo, e costuma provocar sinais e sintomas como febre, perda de peso, fraqueza, lesões na pele e mucosas, falta de ar ou aumento de gânglios linfáticos pelo corpo. 

O que fazer: O tratamento para a paracoccidioidomicose pode ser feito em casa com o uso de comprimidos de antifúngicos que devem ser usados conforme a indicação do médico, podendo ser recomendado Itraconazol, Fluconazol ou Voriconazol, por exemplo. Além disso, é recomendado evitar fumar e consumir bebidas alcoólicas durante o tratamento.

Além da paracoccidioidomicose, outras doenças fúngicas podem ser adquiridas pela inalação de partículas de fungos, como a blastomicose ou coccidioidomicose, por exemplo. Saiba tudo sobre a coccidioidomicose.

Como evitar as doenças transmitidas pelo solo

Para evitar as doenças transmitidas pelo solo é importante não andar descalço, evitar o consumo de alimentos e água possivelmente contaminadas e investir na melhora das condições de saneamento básico, por exemplo.

Além disso, é importante ter atenção à lavagem das mãos, principalmente as crianças, que podem colocar a mão suja na boca ou nos olhos e, assim, favorecer o desenvolvimento de doenças. Por isso, é importante lavar bem as mãos sempre antes e após ir ao banheiro e ter contato com animais, por exemplo.

Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem