Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é a Esquizofrenia infantil e quais os sintomas

A esquizofrenia é uma doença mental caracterizada pela distorção do pensamento e percepção, que geralmente se traduz em ideias delirantes, alucinações, discursos  e comportamento alterados. Uma vez que as alucinações e os delírios nas crianças, normalmente, são menos elaborados do que nos adultos, como ver pessoas, deve-se tentar entender se realmente são alucinações ou apenas brincadeiras.

Geralmente, esta doença surge entre os 10 e os 45 anos, sendo muito rara na infância. Apesar de existirem alguns relatos da doença com idade inferior a 5 anos, estes casos são muito raros, sendo que os sintomas se tornam mais evidentes durante a fase da adolescência.

A esquizofrenia começa normalmente por um estádio pré-psicótico, em que surgem sintomas negativos da doença, como isolamento social, comportamentos disruptivos, deterioração na higiene pessoal, explosões de raiva ou perda de interesse na escola ou trabalho, por exemplo. Quando a doença surge antes dos 12 anos de idade, está fortemente associada a problemas de comportamento e o prognóstico é pior. Isso porque têm maior probabilidade de perderem funções normais e desenvolverem distúrbios emocionais, alterações intelectuais e de linguagem.

O que é a Esquizofrenia infantil e quais os sintomas

Sintomas característicos na infância

Quando a esquizofrenia surge antes dos 12 anos de idade, a criança começa a apresentar problemas de comportamento. Geralmente, mostra resistência em se adaptar à sociedade, isola-se, assume comportamentos estranhos e, em alguns casos, manifesta-se também um atraso no desenvolvimento neuropsicomotor. Além do déficit cognitivo, observa-se também déficit na atenção e no aprendizado e abstração.

À medida que a criança vai crescendo e entrando na idade adulta, podem surgir outros sintomas característicos da doença, que são subdivididos em positivos e negativos. Os sintomas positivos são aqueles que estão presentes de forma mais visível nas fases de descompensação aguda da doença e os sintomas negativos são aqueles que resultam da própria evolução da esquizofrenia, dos efeitos da medicação antipsicótica e secundários aos próprios sintomas positivos.

Saiba quais os sintomas da esquizofrenia que podem surgir à medida que a criança entra na idade adulta.

Tipos de esquizofrenia

No modelo clássico, a esquizofrenia pode ser dividida em 5 tipos:

  • Esquizofrenia paranoide, onde predominam os sintomas positivos;
  • Desorganizada, em que as alterações do pensamento são predominantes;
  • Catatônica, caracterizada pelo predomínio de sintomas motores e alterações da atividade;
  • Indiferenciada, onde o desempenho intelectual e de trabalho é diminuído e predomina o isolamento social;
  • Residual, onde predominam os sintomas negativos, em que tal como na anterior há um marcado isolamento social, assim como um embotamento afetivo e pobreza intelectual.

No entanto, a esquizofrenia definida na DSM V já não contempla cinco tipos de esquizofrenia, por se considerar que os subtipos se encontram associados. Assim, os subtipos referidos em cima não são estanques, sendo que, a pessoa pode, em determinada altura da evolução da doença, apresentar um quadro clínico que se identifique com um outro tipo de esquizofrenia ou manifestar sintomas de outro subtipo.

Saiba, com mais detalhe, como identificar os vários tipos de esquizofrenia.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da esquizofrenia não é um diagnóstico simples de fazer, e em crianças pode tornar-se ainda mais difícil de diferenciar de outros quadros, principalmente o transtorno afetivo bipolar, sendo necessário avaliar novamente os sintomas ao longo do tempo.

Em que consiste o tratamento

A esquizofrenia não tem cura e, geralmente, o tratamento é realizado com o objetivo de reduzir os sintomas, assim como as recaídas. Geralmente, são prescritos antipsicóticos, no entanto, existem poucos estudos desses remédios na infância.

O haloperidol é um medicamento já utilizado há vários anos, e continua a ser uma boa escolha para o tratamento das psicoses em crianças. Além disso, a risperidona e a olanzapina também tem sido utilizada no tratamento das psicoses infantis, com a obtenção de bons resultados.


Bibliografia

  • CLEMENTE, Patrícia. O Funcionamento de uma família com um filho com esquizofrenia. Mestrado em psicologia, 2009. Instituto superior de Psicologia Aplicada.
  • TENGA, Sérgio k.; MAIA, Anne K.. Psicoses funcionais na infância e adolescência. Jornal de Pediatria. 80. 2; 2004
  • American Psychiatric Association. Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais. 5.ed. Portugal: Climepsi, 2013.
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem