Escleroterapia: o que é, tipos e como é feita

A escleroterapia é um tratamento feito pelo médico angiologista ou dermatologista que tem como objetivo promover a eliminação ou diminuição as veias e, por isso, é um procedimento normalmente indicado no tratamento das varizes ou vasinhos da pele, para fins estéticos ou quando representa risco para a saúde da pessoa.

Esse procedimento consiste na aplicação de substâncias, como espuma ou glicose, ou laser diretamente nos vasos, o que favorece o redirecionamento da circulação sanguínea, promovendo a eliminação das varizes ou vasinhos.

Após o tratamento com escleroterapia, a veia tratada tende a desaparecer ao longo de algumas semanas e, por isso, pode ser preciso até um mês para observar o resultado final. Este tratamento pode também ser usado em outros casos de veias dilatadas, como hemorroidas ou hidrocele, por exemplo, embora seja mais raro.

Escleroterapia: o que é, tipos e como é feita

Tipos de escleroterapia

A escleroterapia pode ser classificada em alguns tipos de acordo com o material que é usado para promover a eliminação das varizes. Assim, os principais tipos de escleroterapia são:

  • Escleroterapia com glicose: também conhecida como escleroterapia por injeção, é especialmente usada para tratar vasinhos e pequenas varizes. É feita com a injeção de glicose diretamente na veia, o que causa irritação e inflamação do vaso, resultando em cicatrizes que acabam por fechá-lo;
  • Escleroterapia laser: é uma técnica mais usada para eliminar vasinhos do rosto, tronco e pernas. Neste tipo, o médico utiliza um pequeno laser para aumentar a temperatura do vaso e causar sua destruição. Por utilizar laser, é um procedimento mais caro;
  • Escleroterapia com espuma: este tipo é mais usado em varizes grossas. Para isso, o médico injeta uma pequena quantidade de espuma de dióxido de carbono que irrita a variz, fazendo com que desenvolva cicatrizes e fique mais disfarçada na pele.

O tipo de escleroterapia deve ser discutido com o médico angiologista ou dermatologista, pois é importante avaliar todas as características da pele e da própria variz, para escolher o tipo com melhor resultado para cada caso.

Quando é indicada

A escleroterapia pode ser feita com finalidade estética, mas também quando as varizes representam risco para a pessoa. Nas veias muito dilatadas, o fluxo sanguíneo fica mais lento, o que pode levar a formação de coágulos e, posteriormente, ser estabelecido um quadro de trombose.

A escleroterapia pode ser indicada pelo dermatologista ou angiologista em quase todos os casos de vasinhos e varizes, no entanto, como é um método invasivo, deve ser utilizado apenas quando outros métodos, como o uso de meias elásticas, não conseguem diminuir as varizes. Assim, deve-se sempre discutir com o médico a hipótese de iniciar este tipo de tratamento.

Idealmente, a pessoa que vai fazer escleroterapia não deve ter excesso de peso, pois assim é possível garantir uma melhor cicatrização e o surgimento de outros vasinhos.

Como é feita

No dia anterior à escleroterapia, é recomendado evitar fazer a depilação ou aplicar cremes no local onde vai ser feito o tratamento, pois pode interferir na eficácia do tratamento, além de aumentar o risco de efeitos colaterais. A escleroterapia é um procedimento simples, que dura em média 30 minutos e que não necessita de anestesia geral ou internamento, no entanto algumas pessoas podem solicitar a aplicação de uma pomada anestésica no local da injeção.

No caso da escleroterapia com glicose e com o espuma, o médico aplica uma injeção com essas substâncias diretamente no vaso, o que pode causar uma sensação de queimação no local. Já no caso da escleroterapia com laser, há a emissão de uma luz que promove o aumento da temperatura dentro das varizes, o que estimula a deslocação para outro vaso e destruição e reabsorção do vaso pelo organismo.

O número de sessões de escleroterapia varia bastante de acordo com cada caso. Por isso, enquanto em alguns casos pode ser necessária apenas uma sessão de escleroterapia, existem casos em que pode ser preciso fazer outras sessões até obter o resultado pretendido. Quanto mais grossa e visível for as varizes a serem tratadas, maior será o número de sessões necessárias.

Possíveis efeitos colaterais

A escleroterapia é um procedimento considerado seguro, no entanto é possível que surjam alguns efeitos colaterais após a realização do procedimento, como sensação de queimação no local imediatamente após a injeção, que tende a desaparecer em algumas horas, formação de pequenas bolhas no local, manchas escuras na pele, hematomas, que surgem quando as veias são muito frágeis e tendem a desaparecer espontaneamente, inchaço e reações alérgicas à substância usada no tratamento.

Cuidados após a escleroterapia

Após a escleroterapia é importante que se tenha alguns cuidados para evitar possíveis efeitos colaterais e para garantir os resultados do procedimento. Assim, é recomendado usar uma meia de compressão elástica durante o dia por 2 a 3 semanas ou de acordo com a orientação do médico, evitar fazer depilação nas primeiras 24 horas após o tratamento, evitar praticar atividade física exaustiva durante 2 semanas e evitar a exposição solar por 2 semanas.

Apesar do tratamento ser eficaz, a escleroterapia, não impede a formação de novas varizes, e, por isso se não existirem cuidados gerais como usar sempre a meia elástica e evitar permanecer muito tempo de pé ou sentado, outras varizes poderão aparecer.

Como evitar que as varizes voltem

É importante após a escleroterapia tomar alguns cuidados para evitar que as varizes voltem a aparecer, como:

  • Evitar usar salto alto todos os dias, pois pode comprometer a circulação;
  • Evitar excesso de peso;
  • Realizar atividades físicas com acompanhamento profissional, pois a depender do exercício pode haver maior tensão nos vasos;
  • Usar meias de compressão elástica, principalmente após a escleroterapia com glicose;
  • Sentar ou deitar com as pernas para cima;
  • Evitar ficar sentada o dia todo;
  • Parar de fumar;
  • Buscar orientação médica antes de usar pílula anticoncepcional.

Outros cuidados que devem ser tidos após a escleroterapia são o uso de hidratantes, de filtro solar, evitar depilação e exposição da região tratada ao sol para que não haja o aparecimento de manchas.

Esta informação foi útil?
Mais sobre este assunto: