Escarlatina: o que é, sintomas, transmissão e tratamento

Revisão médica: Dr.ª Sani Santos Ribeiro
Pediatra e Pneumologista infantil
março 2022
  1. Sintomas
  2. Como se pega
  3. Tratamento
  4. Complicações

A escarlatina é uma doença contagiosa causada pela bactéria Streptococcus beta-hemolítico do grupo A, que causa sintomas como dor de garganta, febre alta, vermelhidão intensa da língua e pele com aspecto de lixa com coceira.

Embora a infecção com escarlatina seja muito mais comum em crianças em idade escolar, entre os 5 e os 15 anos, também pode afetar adultos, sendo transmitida principalmente através da tosse e do espirro.

A escarlatina pode causar muito desconforto e é extremamente contagiosa, no entanto, não é considerada uma infecção grave, podendo ser facilmente tratada com o uso de um antibiótico, geralmente penicilina.

Principais sintomas

O sintoma mais característico da escarlatina é o aparecimento de uma dor de garganta muito intensa com febre alta, mas outros sinais e sintomas comuns incluem:

  • Língua avermelhada, com coloração de framboesa;
  • Placas esbranquiçadas na língua;
  • Placas brancas na garganta;
  • Vermelhidão nas bochechas;
  • Falta de apetite;
  • Cansaço excessivo;
  • Dor na barriga.

Na pele podem ainda surgir várias manchas avermelhadas, com uma textura semelhante a várias cabeças de alfinete e seu aspecto pode, inclusive, parecer uma lixa. Após 2 ou 3 dias é comum que a pele comece a descascar.

O diagnóstico da escarlatina é feito a partir da avaliação do pediatra dos sinais e sintomas da doença, mas também podem ser pedidos exames laboratoriais para confirmar a infecção, que podem incluir um teste rápido para identificar a bactéria ou uma cultura microbiana a partir da saliva.

Como se pega escarlatina

A transmissão da escarlatina acontece pelo ar através da inalação de gotículas originadas da tosse ou espirro de outra pessoa infectada.

A escarlatina, embora seja mais comum em crianças, também pode afetar adultos, podendo acontecer até 3 vezes na vida, pois existem 3 formas diferentes da bactéria que causam esta doença. As épocas onde as crianças são mais afetadas são na primavera e no verão.

Ambientes fechados favorecem a propagação da doença, como, por exemplo, creches, escolas, escritórios, cinemas e shoppings. No entanto, apesar de uma pessoa poder entrar em contato com a bactéria causadora da doença, isso não quer dizer que ela a desenvolva, pois isso vai depender do seu sistema imune. Assim, se um dos irmãos desenvolve a escarlatina o outro pode apenas sofrer de amigdalite.

Como é feito o tratamento

A principal forma de tratamento da escarlatina consiste numa injeção única de Penicilina. Porém, se existir alergia à penicilina, ou se os pais preferirem, o tratamento pode ser feito com outro antibiótico, como a eritromicina, geralmente na forma de xarope que deve ser administrado durante 10 dias.

O tratamento da escarlatina dura entre 7 a 10 dias, porém após 2 a 3 dias é esperado que os sintomas aliviem ou desapareçam completamente. Ainda assim, o uso do antibiótico, se for de 10 dias, deve ser mantido até ao fim.

O que comer durante o tratamento

A escarlatina pode causar intensa dor de garganta, assim como desconforto em toda a boca, dessa forma é indicado preferir comer alimentos líquidos ou pastosos, idealmente frescos ou à temperatura ambiente, como sopa de legumes com ovo ou frango cozido, por exemplo. Outros bons exemplos incluem purê, gelatina, suco de frutas e vitaminas de iogurte.

Alimentos muito quentes devem ser evitados para não agravar o desconforto na garganta. Pão, biscoitos e torradas também podem ser consumidos, desde que sejam molhados no leite ou chá.

Como aliviar os sintomas de forma natural

Além do uso de antibióticos para curar a doença, existem também outros cuidados que ajudam a aliviar os sintomas e deixar a criança mais confortável, como:

  • Tomar banho em água tépida (nem muito quente, nem fria) para ajudar a aliviar a febre;
  • Colocar compressas frias ou uma toalha molhada com água fria na testa e nas axilas para ajudar a baixar a febre.
  • Passar regularmente chá morno de camomila ou de eucalipto na pele para refrescar e aliviar a coceira;
  • Passar óleos minerais ou cremes hidratantes para hidratar, reduzir a vermelhidão e evitar a descamação da pele.

Durante o tratamento, e até que os sintomas tenham desaparecido, também é aconselhado ficar de repouso em casa, para que o corpo consiga se recuperar mais facilmente e para evitar a transmissão da infecção.

Possíveis complicações

A escarlatina normalmente é facilmente tratada com o antibiótico indicado pelo médico, sendo raro surgirem complicações. Entretanto, embora raro, pode haver febre reumática, que é a lesão das válvulas do coração e lesões do rim que podem evoluir para insuficiência renal.

O tratamento com antibióticos no tempo recomendado pelo médico evita o surgimento das principais complicações desta doença.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em março de 2022. Revisão médica por Dr.ª Sani Santos Ribeiro - Pediatra e Pneumologista infantil, em junho de 2020.

Bibliografia

  • CDC. Group A Streptococcal (GAS) Disease: Scarlet Fever. Disponível em: <https://www.cdc.gov/groupastrep/diseases-hcp/scarlet-fever.html>. Acesso em 04 jun 2020
  • UPTODATE. Complications of streptococcal tonsillopharyngitis. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/complications-of-streptococcal-tonsillopharyngitis?source=search_result&search=scarlet%20fever&selectedTitle=1~22>. Acesso em 04 jun 2020
Mostrar bibliografia completa
  • DEPARTAMENTO CIENTÍFICO DE ALERGIA E IMUNOLOGIA - SBP. Diagnóstico diferencial entre dermatoses e alergia: abordagem prática. 2012. Disponível em: <https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/pdfs/Texto_Diag_dif_dermatoses-Suzana2012.pdf>. Acesso em 04 jun 2020
  • CDC. Scarlet Fever: All You Need to Know. Disponível em: <https://www.cdc.gov/groupastrep/diseases-public/scarlet-fever.html>. Acesso em 02 jun 2020
  • NHS. Scarlet fever. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/scarlet-fever/>. Acesso em 02 jun 2020
  • Rinaldo de Lamare. A vida do bebê. 42.ed. Rio de Janeiro: Agir, 2009. 571.
  • BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO PAULISTA. Escarlatina: orientações para surtos. 2007. Disponível em: <http://periodicos.ses.sp.bvs.br/pdf/bepa/v4n46/v4n46a03.pdf>. Acesso em 03 mai 2019
  • CORDEIRO, MARIO. O livro da criança: Do 1 aos 5 anos. 7.ed. Lisboa: Esfera, 2007. 668.
Revisão médica:
Dr.ª Sani Santos Ribeiro
Pediatra e Pneumologista infantil
Médica formada pela Universidade Federal do Rio Grande com CRM nº 28364 e especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria.