Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Escarlatina: o que é, sintomas, transmissão e tratamento

Pediatra e Pneumologista infantil
dezembro 2022
  1. Sintomas
  2. Transmissão
  3. Tratamento
  4. Complicações

A escarlatina é uma doença contagiosa causada pela bactéria Streptococcus do grupo A, que causa sintomas como dor de garganta, febre alta, vermelhidão intensa da língua e pele com aspecto de lixa com coceira.

Embora a infecção com escarlatina seja muito mais comum em crianças em idade escolar, entre os 5 e os 15 anos, também pode afetar adultos, sendo transmitida principalmente através da tosse e do espirro.

A escarlatina pode causar muito desconforto e é extremamente contagiosa, no entanto, não é considerada uma infecção grave, podendo ser facilmente tratada com o uso de um antibiótico, geralmente penicilina.

Foto das manchas vermelhas de escarlatina no rosto
Foto das manchas vermelhas de escarlatina no rosto

Principais sintomas

Os sintomas mais comuns de escarlatina são:

  • Dor de garganta muito intensa;
  • Febre alta;
  • Língua avermelhada, com coloração de framboesa;
  • Placas esbranquiçadas na língua;
  • Placas brancas na garganta;
  • Vermelhidão nas bochechas;
  • Falta de apetite;
  • Cansaço excessivo;
  • Dor na barriga.

Na pele podem ainda surgir várias manchas avermelhadas, com uma textura semelhante a várias cabeças de alfinete e seu aspecto pode, inclusive, parecer uma lixa. Após 2 ou 3 dias é comum que a pele comece a descascar. Confira outros sintomas da escarlatina.

O diagnóstico da escarlatina é feito a partir da avaliação do pediatra dos sinais e sintomas da doença, mas também podem ser pedidos exames laboratoriais para confirmar a infecção, que podem incluir um teste rápido para identificar a bactéria ou uma cultura microbiana a partir da saliva.

Transmissão da escarlatina

A transmissão da escarlatina acontece pelo ar através da inalação de gotículas originadas da tosse ou espirro de outra pessoa infectada.

A escarlatina, embora seja mais comum em crianças, também pode afetar adultos, podendo acontecer até 3 vezes na vida, pois existem 3 formas diferentes da bactéria que causam esta doença. As épocas onde as crianças são mais afetadas são na primavera e no verão.

Ambientes fechados favorecem a propagação da doença, como, por exemplo, creches, escolas, escritórios, cinemas e shoppings. No entanto, apesar de uma pessoa poder entrar em contato com a bactéria causadora da doença, isso não quer dizer que ela a desenvolva, pois isso vai depender do seu sistema imune. Assim, se um dos irmãos desenvolve a escarlatina o outro pode apenas sofrer de amigdalite.

Como é feito o tratamento

A principal forma de tratamento da escarlatina consiste numa injeção única de Penicilina. Porém, se existir alergia à penicilina, ou se os pais preferirem, o tratamento pode ser feito com outro antibiótico, como a eritromicina, geralmente na forma de xarope que deve ser administrado durante 10 dias.

O tratamento da escarlatina dura entre 7 a 10 dias, porém após 2 a 3 dias é esperado que os sintomas aliviem ou desapareçam completamente. Ainda assim, o uso do antibiótico, se for de 10 dias, deve ser mantido até ao fim.

O que comer durante o tratamento

A escarlatina pode causar intensa dor de garganta, assim como desconforto em toda a boca, dessa forma é indicado preferir comer alimentos líquidos ou pastosos, idealmente frescos ou à temperatura ambiente, como sopa de legumes com ovo ou frango cozido, por exemplo. Outros bons exemplos incluem purê, gelatina, suco de frutas e vitaminas de iogurte.

Alimentos muito quentes devem ser evitados para não agravar o desconforto na garganta. Pão, biscoitos e torradas também podem ser consumidos, desde que sejam molhados no leite ou chá.

Como aliviar os sintomas de forma natural

Além do uso de antibióticos para curar a doença, existem também outros cuidados que ajudam a aliviar os sintomas e deixar a criança mais confortável, como:

  • Tomar banho em água tépida (nem muito quente, nem fria) para ajudar a aliviar a febre;
  • Colocar compressas frias ou uma toalha molhada com água fria na testa e nas axilas para ajudar a baixar a febre.
  • Passar regularmente chá morno de camomila ou de eucalipto na pele para refrescar e aliviar a coceira;
  • Passar óleos minerais ou cremes hidratantes para hidratar, reduzir a vermelhidão e evitar a descamação da pele.

Durante o tratamento, e até que os sintomas tenham desaparecido, também é aconselhado ficar de repouso em casa, para que o corpo consiga se recuperar mais facilmente e para evitar a transmissão da infecção.

Possíveis complicações

A escarlatina normalmente é facilmente tratada com o antibiótico indicado pelo médico, sendo raro surgirem complicações. Entretanto, embora raro, pode haver febre reumática, que é a lesão das válvulas do coração e lesões do rim que podem evoluir para insuficiência renal.

O tratamento com antibióticos no tempo recomendado pelo médico evita o surgimento das principais complicações desta doença.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em dezembro de 2022. Revisão médica por Dr.ª Sani Santos Ribeiro - Pediatra e Pneumologista infantil, em junho de 2020.

Bibliografia

  • CDC. Group A Streptococcal (GAS) Disease: Scarlet Fever. Disponível em: <https://www.cdc.gov/groupastrep/diseases-hcp/scarlet-fever.html>. Acesso em 04 jun 2020
  • UPTODATE. Complications of streptococcal tonsillopharyngitis. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/complications-of-streptococcal-tonsillopharyngitis?source=search_result&search=scarlet%20fever&selectedTitle=1~22>. Acesso em 04 jun 2020
Mostrar bibliografia completa
  • DEPARTAMENTO CIENTÍFICO DE ALERGIA E IMUNOLOGIA - SBP. Diagnóstico diferencial entre dermatoses e alergia: abordagem prática. 2012. Disponível em: <https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/pdfs/Texto_Diag_dif_dermatoses-Suzana2012.pdf>. Acesso em 04 jun 2020
  • CDC. Scarlet Fever: All You Need to Know. Disponível em: <https://www.cdc.gov/groupastrep/diseases-public/scarlet-fever.html>. Acesso em 02 jun 2020
  • NHS. Scarlet fever. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/scarlet-fever/>. Acesso em 02 jun 2020
  • Rinaldo de Lamare. A vida do bebê. 42.ed. Rio de Janeiro: Agir, 2009. 571.
  • BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO PAULISTA. Escarlatina: orientações para surtos. 2007. Disponível em: <http://periodicos.ses.sp.bvs.br/pdf/bepa/v4n46/v4n46a03.pdf>. Acesso em 03 mai 2019
  • CORDEIRO, MARIO. O livro da criança: Do 1 aos 5 anos. 7.ed. Lisboa: Esfera, 2007. 668.
Revisão médica:
Dr.ª Sani Santos Ribeiro
Pediatra e Pneumologista infantil
Médica formada pela Universidade Federal do Rio Grande com CRM nº 28364 e especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria.