Eritema nodoso: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Drª. Aleksana Viana
Dermatologista
janeiro 2022

O eritema nodoso corresponde a um nódulo roxo ou vermelho que pode aparecer na pele, principalmente na canela, acontecendo devido à inflamação da camada de gordura que está por baixo da pele.

O aparecimento desses nódulos pode se consequência de infecção por bactérias ou vírus, ou estar relacionado com doenças auto-imunes ou uso de medicamentos, sendo importante que a causa seja investigada pelo dermatologista ou clínico geral para que seja avaliada a necessidade de realização de tratamento.

Na maioria dos casos, o eritema nodoso desaparece após algumas semanas, sem ser necessário tratamento, no entanto o método pode indicar que a pessoa fique em repouso e faça uso de medicamentos anti-inflamatórios para diminuir a dor.

Sintomas de eritema nodoso

Os sintomas de eritema nodoso costumam aparecer com mais facilidade em mulheres entre 20 e 30 anos, mas podem acontecer em todas as pessoas de qualquer idade, sendo principalmente observada na região da canela e, em alguns casos, nos braços.

O eritema nodoso é caracterizado pelo aparecimento de nódulos vermelhos ou roxos na pele, que podem causar dor, principalmente nas articulações. Além disso, é possível haver febre baixa, cansaço, perda de apetite e aumento dos gânglios linfáticos.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico do eritema nodoso deve ser feito pelo dermatologista ou clínico geral a partir da observação dos sinais e sintomas apresentados pela pessoa. Além disso, em alguns casos pode ser indicada a realização biópsia do eritema para avaliar as suas características e, assim, ser verificada a gravidade da inflamação e a possível causa associada.

Além disso, para identificar melhor a causa responsável pelo eritema nodoso, o médico pode indicar a realização de radiografia de tórax, exames de sangue e teste na pele para detecção de tuberculose.

Principais causas

O aparecimento do eritema nodoso pode ser desencadeado por diversos fatores que levam a uma resposta do sistema imunológico, sendo os principais:

  • Infecções por bactérias, principalmente por bactérias do gênero Streptococcus sp., além de também poder ser desencadeada pela tuberculose e hanseníase, que são doenças causadas pela bactéria do gênero Mycobacterium sp.;
  • Infecção por fungos;
  • Infecção por vírus, como o vírus responsável pela hepatite e o SARS-CoV-2, que é o vírus responsável pela COVID-19;
  • Uso de alguns medicamentos, como penicilina, sulfametoxazol e contraceptivos orais;
  • Doenças auto-imunes, como lúpus, sarcoidose e doença inflamatória intestinal;
  • Gravidez, devido a alterações hormonais do período;
  • Alguns tipos de câncer, como linfoma.

Entretanto, existem pessoas nas quais a causa pode não ser encontrada, sendo, nestes casos, chamado de eritema nodoso idiopático.

Como é feito o tratamento

Na maioria dos casos o eritema nodoso desaparece sozinho em até 6 semanas, sem ser necessário realizar tratamento específico. No entanto, o médico pode indicar o uso de alguns medicamentos para acelerar a recuperação e aliviar a dor e o desconforto que pode estar associado com o eritema nodoso.

Assim, pode ser recomendado que a pessoa fique em repouso e com as pernas elevadas e faça compressa com água fria, podendo ser indicado em alguns casos que a pessoa também faça uso de medicamentos anti-inflamatórios ou corticoides para diminuir a dor.

Além disso, é importante que a causa do eritema nodos seja identificada, pois assim o médico pode indicar a realização de tratamento específico, caso haja necessidade. Dessa forma, de acordo com a causa, pode ser recomendada a suspensão do medicamento responsável pelo eritema, uso de antibióticos ou de antivirais.

Tratamento natural

Outra forma de promover o alívio dos sintomas do eritema nodoso é por meio de medidas naturais. Uma boa opção é aumentar o consumo de alimentos que controlam a inflamação, como alho, açafrão, cravo-da-índia, peixes ricos em ômega-3, como atum e salmão, frutas cítricas, como laranja e limão, frutas vermelhas, como morango e amora, e vegetais, como brócolis, couve-flor e gengibre. Confira a lista completa dos alimentos anti-inflamatórios.

Além disso, é importante evitar alimentos que podem piorar a inflamação e os sintomas do eritema nodoso, como frituras, açúcar, carne vermelha, enlatados e embutidos, leite, bebidas alcoólicas e alimentos industrializados. 

No entanto, o tratamento natural não deve substituir o tratamento e as recomendações indicadas pelo médico, devendo ser apenas complementar.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em janeiro de 2022. Revisão médica por Drª. Aleksana Viana - Dermatologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • SKARE, Thelma; BONAN, Rafael. Eritema nodoso e infecção pelo vírus da hepatite C. An Bras Dermatol. Vol 79. 1 ed; 107-109, 2004
  • MANSUR, Geórgia; OLIVEIRA, Bernardo O. C. A.; MOURA, Amanda Lívia S. et al. Covid-19 e eritema nodoso: um relato de caso. Revista Interdisciplinar em Saúde. Vol 8. 476-486, 2021
Revisão médica:
Drª. Aleksana Viana
Dermatologista
Especialista em Dermatologia pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, em 2007 com registro profissional no CRM/PE – 16907.