Dor no topo da cabeça: 5 principais causas e o que fazer

Revisão médica: Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
julho 2022

A dor no topo da cabeça é uma situação pouco frequente, mas que normalmente não está relacionada a situações graves, sendo normalmente relacionada com o cansaço excessivo e a tensão dos músculos do pescoço que pode acontecer devido à postura inadequada, por exemplo.

No entanto, quando a dor no topo da cabeça é acompanhada por outros sintomas como enjoo, náuseas ou alteração da visão, por exemplo, pode ser indicativo de situações mais graves como hipertensão ou neuralgia occipital, por exemplo.

Assim, caso a dor no topo da cabeça seja frequente e/ ou seja acompanhada por outros sintomas, é importante que o médico seja consultado para que seja identificada a causa da dor e, assim, seja iniciado o tratamento mais adequado.

1. Cefaleia tensional

A cefaleia tensional é uma alteração que pode acontecer devido à contração e enrijecimento dos músculos do pescoço devido ao estresse em excesso, ansiedade, depressão ou como consequência da má postura. Assim, como consequência desses fatores, há o aparecimento de dor de cabeça latejante ou pulsante principalmente na testa, mas que também pode surgir no topo da cabeça.

O que fazer: Para aliviar a dor de cabeça característica da cefaleia tensional é recomendado relaxar e fazer uma massagem na cabeça, por exemplo, pois isso ajuda a aliviar a dor. Além disso, pode ser indicado o uso de medicamentos anti-inflamatórios ou analgésicos para alívio da dor na cefaleia tensional. Confira como é feito o tratamento para cefaleia tensional.

2. Enxaqueca

A enxaqueca corresponde à dor forte de cabeça que dura entre 3 a 72 horas podendo ser recorrente. Essa situação é bastante desconfortável e pode ser desencadeada por diversos fatores, incluindo uso excessivo de medicamentos analgésicos, consumo excessivo de cafeína ou alterações neurológicas.

Apesar da dor de cabeça relacionada com a enxaqueca acontecer principalmente na região lateral, também pode irradiar para o topo da cabeça, além de poder ser acompanhada por outros sintomas como náuseas, vômitos, alteração no apetite e diminuição da qualidade do sono. Veja mais sobre a enxaqueca.

O que fazer: É importante que o neurologista seja consultado para que possa ser indicados medicamentos para alívio da dor da enxaqueca, podendo ser indicado o uso de anti-inflamatórios, analgésicos, triptanos ou anticonvulsivantes, por exemplo, de acordo com os sintomas apresentados pela pessoa e características da dor.

3. Cansaço

O cansaço excessivo também pode levar ao surgimento de dor no topo da cabeça, principalmente quando a pessoa dorme poucas horas por dia. Isso faz com que o corpo e a mente fiquem cansadas, resultado não só em dor na cabeça, mas também diminuição da disposição, vista cansada, diminuição da produtividade e dificuldade de concentração.

O que fazer: Nesses casos é importante procurar formas de descansar e relaxar, assim é possível recuperar as energias e aliviar a dor de cabeça, podendo ser opções a realização de massagem, atividade física, ioga e uma boa noite de sono.

Veja no vídeo a seguir algumas dicas para garantir uma boa noite de sono:

4. Neuralgia occipital

A neuralgia occipital, também conhecida como nevralgia occipital, corresponde à inflamação dos nervos presentes da região occipital, o que pode acontecer devido à doença sistêmica, traumatismo ou presença de tumor, por exemplo.

Essa situação é caracterizada principalmente por dor na cabeça intensa e constante e que piora ao mexer o pescoço. Apesar da dor de cabeça ser mais frequente de surgir na parte posterior da cabeça, também pode irradiar para o topo e para a região próxima às orelhas.

O que fazer: O tratamento para a neuralgia occipital é indicado pelo neurologista de acordo com os sintomas apresentados pela pessoa, podendo ser indicada a realização de massagens na cabeça, repouso, uso de medicamentos ou realização de cirurgia nos casos mais graves.

5. Hipertensão

A hipertensão, que corresponde ao aumento da pressão arterial, normalmente não leva ao surgimento de sinais ou sintomas, no entanto quando há o aumento rápido da pressão, geralmente acima de 180/110 mmHg, é caracterizada a crise hipertensiva, em que um dos sintomas é a dor de cabeça que começa em região occipital e migra para a parte de cima da cabeça.

Além da dor de cabeça, outros sintomas que podem aparecer na crise hipertensiva são visão embaçada, alteração do ritmo da respiração, tontura e confusão mental. Saiba como identificar a crise hipertensiva.

O que fazer: A crise hipertensiva é uma emergência médica e, por isso, assim que surgirem sinais e sintomas de crise é importante aferir a pressão arterial da pessoa e levá-la ao hospital para que sejam feitos outros exames e seja iniciado o tratamento adequado, sendo possível, assim, evitar complicações como sangramentos e derrame, por exemplo.

No hospital, o tratamento é feito através da administração de medicamentos para diminuir a pressão, além de serem feitas recomendações sobre mudança no estilo de vida, como diminuição do consumo de sal e prática regular de atividade física.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em julho de 2022. Revisão médica por Dr.ª Clarisse Bezerra - Médica de Saúde Familiar, em maio de 2020.

Bibliografia

  • LÓPEZ-SOTO, Pablo J. et al. Neuralgia Occipital: uma abordagem terapêutica não invasiva. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2018
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE CEFALEIA. Cefaleia tipo tensional. Disponível em: <https://sbcefaleia.com.br/noticias.php?id=346>. Acesso em 07 jan 2020
Mostrar bibliografia completa
  • PIERIN, Angela Maria G.; FLORIDO, Carime F.; SANTOS, Juliano. Crise hipertensiva: características clínicas de pacientes com urgência, emergência e pseudocrise hipertensivas em um serviço público de emergência. Einstein (São Paulo). Vol 17. 4 ed; 1-8, 2019
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA. Revista Brasileira de Hipertensão. 2014. Disponível em: <http://departamentos.cardiol.br/sbc-dha/profissional/revista/21-3.pdf>. Acesso em 24 dez 2019
  • BORTOLOTTO, Luiz Aparecido et al. Crises hipertensivas: defininindo a gravidade e o tratamento. Rev Soc Cardiol Estado de São Paulo. Vol 28. 3 ed; 254-259, 2018
  • SOCIEDADE PORTUGUESA DE NEUROLOGIA E SOCIEDADE PORTUGUESA DE CEFALEIAS. Recomendações terapeuticas para cefaleias. 2009. Disponível em: <https://ehf-org.org/wp-content/uploads/2013/12/Portugal.pdf>. Acesso em 04 dez 2019
  • ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Tratamento de Enxaqueca Escolhas Racionais. 2010. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&alias=1318-tratamento-enxaqueca-escolhas-racionais-uso-racional-medicamentos-temas-selecionados-n-6-8&category_slug=assistencia-farmaceutica-958&Itemid=965>. Acesso em 04 dez 2019
  • MARTINS, Isabel P.; SOUSA, Lívia; MONTEIRO, J.M. Enxaqueca crónica, refratária e cefaleias por uso excessivo de medicamentos: Revisão clínica e terapêutica. SINAPSE. Vol.18, n.2. 66-76, 2018
  • UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE. A enxaqueca crônica no adulto sob olhar da psicologia do desenvolvimento humano e saúde. 2009. Disponível em: <https://cchla.ufrn.br/humanidades2009/Anais/GT12/12.1.pdf>. Acesso em 04 dez 2019
Revisão médica:
Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
Formada em Medicina pelo Centro Universitário Christus e especialista em Saúde da Família pela Universidade Estácio de Sá. Registro CRM-CE nº 16976.

Tuasaude no Youtube

  • INSÔNIA: 10 truques para dormir rápido e melhor

    06:54 | 105230 visualizações