Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

Dor no ombro: 6 principais causas e como tratar

Revisão clínica: Marcelle Pinheiro
Fisioterapeuta
dezembro 2022

A dor no ombro pode ser causada pelo desgaste natural da articulação devido ao envelhecimento, sendo considerado normal. No entanto, a dor no ombro pode acontecer também devido à bursite, tendinite, artrite ou capsulite adesiva, por exemplo, podendo acontecer em qualquer pessoas e sendo mais frequente em pessoas que utilizam a articulação em excesso, como jogadores de tênis ou ginastas, por exemplo.

Normalmente, a dor no ombro é uma situação temporária, de forma que pode ser aliviada apenas com a aplicação de gelo no local, desaparecendo 3 a 5 dias depois do seu início.

No entanto, em alguns casos, essa dor pode ser muito intensa, piorar ao longo do tempo ou não aliviar, sendo recomendado consultar um ortopedista para identificar se existe algum problema grave e iniciar o tratamento adequado, que pode envolver o uso de medicamentos específicos e realização de fisioterapia.

Imagem ilustrativa número 1

Principais causas

As principais causas de dor no ombro são:

1. Desgaste da articulação

A articulação do ombro sofre desgaste naturalmente à medida que a pessoa envelhece, causando dor no ombro e dificuldade para realizar movimentos.

Como tratar: é importante manter a movimentação da articulação para garantir que todos os movimentos consigam ser realizados. Assim, é recomendado que a pessoa continue praticando atividade física regularmente, além de também poder ser interessante realizar sessões de fisioterapia para que exercícios mais específicos possam ser realizados.

2. Bursite

A bursite é a inflamação da bursa, uma estrutura semelhante a uma almofada que protege os tendões e os músculos dos ossos do ombro durante o movimento. Esta inflamação é mais comum em pessoas que fazem atividades repetitivas com o braço, como pintar, nadar ou treino de braços na na academia. Saiba mais sobre o que é e como tratar a bursite.

A dor no ombro em caso de bursite é aguda e costuma piorar com o movimento da articulação para pentear o cabelo ou se vestir, por exemplo.

Como tratar: deve-se aplicar gelo no local durante 20 minutos, 2 a 3 vezes por dia. Além disso, deve-se evitar utilizar a articulação nas atividades diárias para aliviar a inflamação. Caso a dor não melhore após 2 ou 3 dias é recomendado consultar um médico, pois pode ser necessário tomar anti-inflamatórios, como Diclofenaco, ou até iniciar fisioterapia.

3. Tendinite

A tendinite é um problema semelhante à bursite, no entanto, provoca a inflamação dos tendões do ombro, em vez da bursa. Em muitos casos, ela pode até surgir acompanhada da bursite pois as suas causas também são muito semelhantes, podendo afetar os dois tipos de estrutura ao mesmo tempo.

Nesse caso, a dor acontece na parte da frente do ombro principalmente quando se realiza movimentos acima da linha da cabeça ou se estica o braço para a frente.

Como tratar: em caso de tendinite, é muito importante fazer sessões de fisioterapia para tratar a inflamação dos tendões. Além disso, aplicar compressas geladas e passar pomadas anti-inflamatórias também ajuda a aliviar a dor. Veja mais sobre o tratamento da tendinite no ombro.

4. Artrite

Embora seja mais comum em idosos, a artrite também acontecer em pessoas mais jovens, especialmente atletas que utilizam em excesso a articulação do ombro, devido ao desgaste. Além da dor no ombro, é comum o inchaço da articulação e dificuldade para movimentar o braço. Como a artrite não é um problema temporário, os sintomas podem ir piorando ao longo do tempo. Saiba reconhecer os sintomas de artrite.

Como tratar: o tratamento deve ser orientado por um ortopedista porque, normalmente, é necessário utilizar remédios anti-inflamatórios, como Ibuprofeno ou Nimesulida, para aliviar as dores. A fisioterapia também deve ser utilizada pois ajuda a fortalecer a articulação e reduzir a inflamação, melhorando os movimentos do ombro.

5. Capsulite adesiva

A capsulite adesiva, popularmente conhecida como ombro congelado, é uma inflamação crônica do ombro que dificulta muito o movimento da articulação. A capsulite adesiva é mais comum em mulheres com mais de 40 anos que já tiveram o braço imobilizado por mais de 2 meses.

Além da dor no ombro, é comum que na capsulite adesiva a pessoa sinta uma intensa dificuldade para movimentar o braço, que vai surgindo gradualmente.

Como tratar: é recomendado fazer sessões de fisioterapia para mobilizar o ombro e relaxar os músculos da articulação. Nos casos mais graves, pode ser necessário fazer cirurgia para identificar e reparar possíveis lesões no ombro. Saiba mais detalhes do tratamento da capsulite adesiva.

6. Fraturas

Embora quase sempre sejam fáceis de identificar, as fraturas também podem provocar poucos sintomas além da dor no ombro, especialmente quando não ocorreram completamente ou são muito pequenas. O mais comum é o surgimento de fraturas na clavícula ou no úmero devido a quedas ou acidentes.

De forma geral, as fraturas provocam dor muito intensa, inchaço e manchas roxas na pele. No entanto, quando são muito pequenas podem apenas provocar uma dor ligeira que vai aumentando ao longo do tempo e que impedem o movimento do braço.

Como tratar: deve-se ir imediatamente ao hospital para identificar o local da fratura, corrigir o osso e imobilizar o braço da forma correta para facilitar a cicatrização. Saiba quais os primeiros socorros em caso de fratura.

Como é feito o diagnóstico da dor no ombro

O diagnóstico da dor no ombro deve ser feito pelo ortopedista, que durante a consulta avalia todas as estruturas associadas ao ombro e as características da dor, como a intensidade, localização, se é estimulada por algum movimento específico e a sua frequência, por exemplo. É também visto pelo ortopedista se há alguma limitação de movimento, como por exemplo dificuldade em esticar o braço ou levantá-lo acima da cabeça.

Além disso, o médico deve ser informado pelo paciente sobre os hábitos de vida e o momento em que a dor começou, já que a dor pode estar relacionada com movimentos repetitivos, postura incorreta ou inchaço ou inflamação da articulação devido a um movimento brusco, por exemplo.

Para auxiliar o diagnóstico, o médico pode recomendar a realização de exames de imagem, como raio-x, ultrassonografia, tomografia computadorizada ou ressonância magnética, que ajudam a identificar a causa e a extensão da lesão. O ortopedista também pode indicar a realização da artroscopia, que é uma técnica diagnóstica e de tratamento em que a articulação é visualizada e corrigida por meio de pequenos orifícios na pele. Saiba o que é e como é feita a artroscopia no ombro.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em dezembro de 2022. Revisão clínica por Marcelle Pinheiro - Fisioterapeuta, em dezembro de 2022.

Bibliografia

  • NAKANDALA, P.; et al. The efficacy of physiotherapy interventions in the treatment of adhesive capsulitis: A systematic review. J Back Musculoskelet Rehabil. 34. 2; 195-205, 2021
  • RAMIREZ, J. Adhesive Capsulitis: Diagnosis and Management. Am Fam Physician. 99. 5; 297-300, 2019
Mostrar bibliografia completa
  • ST ANGELO, J. M.; FABIANO, S. E. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Adhesive Capsulitis. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK532955/>. Acesso em 08 ago 2022
  • LE, H. V.; et al. Adhesive capsulitis of the shoulder: review of pathophysiology and current clinical treatments. Shoulder Elbow. 9. 2; 75-84, 2017
  • Aaron, Daniel L.; et al. Four common types of bursitis: diagnosis and management. J Am Acad Orthop Surg. 19. 6; 359-367, 2011
  • KHODAEE, Morteza. Common Superficial Bursitis. Am Fam Physician. 95. 4; 224-231, 2017
  • ANDARAWIS-PURI, Nelly; FLATOW, Evan L.; SOSLOWSKY, Louis J. Tendon basic science: Development, repair, regeneration, and healing. J Orthop Res. 33. 6; 780-784, 2015
  • GAUT, Ludovic; DUPREZ, Delphine . Tendon development and diseases. Wiley Interdiscip Rev Dev Biol. 5. 1; 5-23, 2016
Revisão clínica:
Marcelle Pinheiro
Fisioterapeuta
Formada em Fisioterapia pela UNESA em 2006 com registro profissional no CREFITO- 2 nº. 170751 - F e especialista em dermatofuncional.