Lipedema: o que é, sintomas, causas e tratamento

novembro 2022
  1. Sintomas
  2. Causas
  3. Tratamento

O lipedema é o acúmulo excessivo de gordura nos membros inferiores, principalmente glúteos, coxas ou panturrilha, resultando em sintomas como dificuldade para caminhar, sensação de peso nas pernas, inchaço no local ou dor ao toque, além de uma desproporção simétrica no corpo.

O lipedema é considerada uma condição crônica e progressiva, que em alguns casos pode afetar também os braços, sendo mais comum em mulheres, e embora ainda a causa exata ainda não seja completamente conhecida, acredita-se que pode estar relacionada com alterações genéticas, metabólicas, hormonais ou inflamatórias.

O tratamento do lipedema é feito pelo clínico geral que pode indicar drenagem manual ou terapia compressiva para reduzir o inchaço e o desconforto, fisioterapia, ou até lipoaspiração nos casos mais graves.

Sintomas de lipedema

Os principais sintomas do lipedema são:

  • Acúmulo de gordura nas duas pernas, glúteos e tornozelos;
  • Inchaço dos membros afetados;
  • Dificuldade para caminhar devido à gordura acumulada;
  • Presença de nódulos, que são identificados ao apalpar a região;
  • Dor na região ao tocar ou a caminhar;
  • Dor nas articulações;
  • Perda de elasticidade da pele;
  • Sensação de pernas pesadas;
  • Hematomas ou manchas roxas na pele da região afetada;
  • Veias varicosas nas pernas;
  • Pequenos 'vasinhos' vermelhos ou roxos sob a pele;
  • Bolsas ou caroços de gordura acima ou abaixo do joelho;
  • Cansaço geral.

Além disso, quando não tratado adequadamente, o acúmulo de células de gordura causado pelo lipedema pode bloquear os vasos linfáticos, que são responsáveis por drenar o líquido dos tecidos para os vasos sanguíneos, levando a um acúmulo de líquido nas pernas, conhecido como linfedema, que pode aumentar o risco de infecções e diminuir o tempo de cicatrização de feridas.

É importante consultar o clínico geral sempre que surgirem sintomas de lipedema, para que seja feito o diagnóstico, identificado o estágio, e iniciado o tratamento mais adequado.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do lipedema é feito pelo clínico geral através da avaliação dos sintomas, histórico de saúde, início dos sintomas, e exame físico ao apalpar os nódulos de gordura sob a pele, que também permite identificar o estágio do lipedema.

Além disso, alguns exames de imagem podem ser solicitados pelo médico, como ultrassom, ressonância magnética, tomografia computadorizada, linfocintilografia, absorciometria de raio X com dupla energia e espectroscopia de bioimpedância, por exemplo.

Esses exames permitem ao médico confirmar o diagnóstico e descartar outras condições de saúde que possuem sintomas semelhantes, como linfedema, obesidade ou tumores do tecido adiposo, por exemplo.

Outros exames que o médico pode solicitar para identificar a causa do lipedema são testes de função hepática e renal, exames de tireoide, perfil lipídico e resistência à insulina, por exemplo.

Estágios do lipedema

O lipedema também pode ser classificado em alguns estágios de acordo com os sintomas que aparecem, sendo eles:

  • Estágio I: a superfície da pele é normal e o inchaço aumenta durante o dia mas melhora com o repouso;
  • Estágio II: a superfície da pele é irregular, podendo ser observada a presença de sulcos, como a celulite;
  • Estágio III: o acúmulo de gordura é maior, sendo possível identificar deformidades, além de que a superfície da pele é mais áspera e endurecida;
  • Estágio IV: além do acúmulo de gordura, é verificado o acúmulo de líquidos na região, o que dá origem ao linfedema.

O lipedema é uma condição crônica e progressiva, ou seja, evolui com o tempo, iniciando pelo estágio I, e quando não tratada pode alcançar o estágio IV.

Possíveis causas

A causa exata do lipedema não é totalmente esclarecida, mas acredita-se que seja causada por fatores genéticos, uma vez que é comum de surgir em várias pessoas da mesma família.

Alguns fatores podem contribuir para o desenvolvimento do lipedema, como alterações hormonais na puberdade, gravidez ou menopausa.

Como é feito o tratamento

O tratamento do lipedema deve ser feito com orientação do clínico geral, com o objetivo de aliviar os sintomas, garantir a mobilidade e evitar a evolução da doença.

Os principais tratamentos que podem ser indicados pelo médico são:

  • Atividade física de forma regular, como caminhada ou natação;
  • Drenagem linfática manual, para ajudar a reduzir o inchaço e o desconforto;
  • Terapia compressiva, com uso de meias de compressão, que permitem uma melhor drenagem linfática, reduzindo o inchaço das pernas;
  • Fisioterapia, através da endermoterapia ou uso de aparelhos compressão pneumática.

Além disso, em alguns casos, o médico pode recomendar uma lipoaspiração para ajudar a melhorar da aparência das pernas ou glúteos, além de aliviar sintomas, como dor ou dificuldade de movimentação, por exemplo. Saiba como é feita a lipoaspiração e como é a recuperação.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • VYAS, A.; ADNAN, G. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Lipedema. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK573066/>. Acesso em 07 nov 2022
  • AMATO, Alexandre C. M.; AMATO, Fernando C. M.; BENITTI, Daniel A.; SANTOS, Ricardo V. Tradução, adaptação cultural e validação do questionário de avaliação sintomática do lipedema (QuASiL). J Vasc Bras. 2020.
Mostrar bibliografia completa
  • AMATO, Alexandre C. M.; MARKUS, David V.; SANTOS, Ricardo V. Lipedema associado a obesidade, linfedema e insu!ciência venosa: relato de um caso. Diagn Tratamento. 1 ed; 4-8, 2020
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.