Lipedema: o que é, sintomas, causas e tratamento

Atualizado em dezembro 2023

Lipedema é o acúmulo excessivo de gordura nos membros inferiores, principalmente nas pernas, quadril e tornozelos, causando sintomas como dificuldade para caminhar, sensação de peso nas pernas, inchaço no local ou dor ao toque, além de uma desproporção simétrica no corpo.

O lipedema é considerado uma condição crônica e progressiva, que em alguns casos pode afetar também os braços, sendo mais comum em mulheres, e embora ainda a causa exata ainda não seja completamente conhecida, acredita-se que pode estar relacionada com alterações genéticas, metabólicas, hormonais ou inflamatórias.

O tratamento do lipedema é feito pelo clínico geral que pode indicar drenagem manual ou terapia compressiva para reduzir o inchaço e o desconforto, fisioterapia, ou até lipoaspiração nos casos mais graves.

Imagem ilustrativa número 1

Sintomas de lipedema

Os principais sintomas do lipedema são:

  • Acúmulo de gordura nas duas pernas, glúteos, quadril e tornozelos;
  • Inchaço dos membros afetados e dor no local ao tocar ou caminhar;
  • Dificuldade para caminhar devido à gordura acumulada;
  • Presença de nódulos, que são identificados ao apalpar a região;
  • Dor nas articulações;
  • Perda de elasticidade da pele;
  • Sensação de pernas pesadas;
  • Pequenos 'vasinhos' vermelhos ou roxos sob a pele;
  • Bolsas ou caroços de gordura acima ou abaixo do joelho.

Além disso, quando não tratado adequadamente, o acúmulo de células de gordura causado pelo lipedema pode bloquear os vasos linfáticos, que são responsáveis por drenar o líquido dos tecidos para os vasos sanguíneos.

Isto pode levar a um acúmulo de líquido nas pernas, conhecido como linfedema, que pode aumentar o risco de infecções e diminuir o tempo de cicatrização de feridas. Veja mais sobre o linfedema.

Não ignore os seus sintomas!

Priorize sua saúde. Descubra a causa dos seus sintomas e receba o cuidado que precisa.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

Estágios do lipedema

O lipedema também pode ser classificado em alguns estágios de acordo com os sintomas que aparecem, sendo eles:

  • Estágio I: a superfície da pele é normal e o inchaço aumenta durante o dia, mas melhora com o repouso;
  • Estágio II: a superfície da pele é irregular, podendo ser observada a presença de sulcos, como a celulite;
  • Estágio III: o acúmulo de gordura é maior, sendo possível identificar deformidades, além de que a superfície da pele é mais áspera e endurecida;
  • Estágio IV: além do acúmulo de gordura, é verificado o acúmulo de líquidos na região, o que dá origem ao linfedema.

O lipedema é uma condição crônica e progressiva, ou seja, evolui com o tempo, iniciando pelo estágio I, e quando não tratada pode alcançar o estágio IV.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico do lipedema é feito pelo clínico geral através da avaliação dos sintomas, histórico de saúde, início dos sintomas, e exame físico ao apalpar os nódulos de gordura sob a pele, que também permite identificar o estágio do lipedema.

Além disso, alguns exames de imagem podem ser solicitados pelo médico, como ultrassom, ressonância magnética, tomografia computadorizada, linfocintilografia, absorciometria de raio X com dupla energia e espectroscopia de bioimpedância, por exemplo.

Esses exames permitem ao médico confirmar o diagnóstico e descartar outras condições de saúde que possuem sintomas semelhantes, como linfedema, obesidade ou tumores do tecido adiposo, por exemplo.

Outros exames que o médico pode solicitar para identificar a causa do lipedema são testes de função hepática e renal, exames de tireoide, perfil lipídico e resistência à insulina, por exemplo.

Possíveis causas

A causa exata do lipedema não é totalmente esclarecida, mas acredita-se que seja causada por fatores genéticos, uma vez que é comum de surgir em várias pessoas da mesma família.

Além disso, alguns fatores podem contribuir para o desenvolvimento do lipedema, como alterações hormonais na puberdade, gravidez ou menopausa.

Como é feito o tratamento

O tratamento do lipedema deve ser feito com orientação do clínico geral, com o objetivo de aliviar os sintomas, garantir a mobilidade e evitar a evolução da doença.

Os principais tratamentos que podem ser indicados pelo médico são:

  • Atividade física de forma regular, como caminhada ou natação;
  • Drenagem linfática manual, para ajudar a reduzir o inchaço e o desconforto;
  • Terapia compressiva, com uso de meias de compressão, que permitem uma melhor drenagem linfática, reduzindo o inchaço das pernas;
  • Fisioterapia, através da endermoterapia ou uso de aparelhos compressão pneumática.

Além disso, em alguns casos, o médico pode recomendar uma lipoaspiração para ajudar a melhorar da aparência das pernas ou glúteos, além de aliviar sintomas, como dor ou dificuldade de movimentação, por exemplo. Saiba como é feita a lipoaspiração e como é a recuperação.

Lipedema tem cura?

O lipedema não tem cura, mas é possível controlar sua evolução com o tratamento recomendado pelo médico, pois ajuda a reduzir os sintomas e a melhorar a qualidade de vida.