Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Dor nas costas ao respirar: o que pode ser e o que fazer

A dor nas costas ao respirar geralmente está relacionada com algum problema que afeta os pulmões ou o revestimento desse órgão, conhecido como pleura. Os casos mais comuns são os de gripe e resfriado, mas a dor também pode surgir em alterações pulmonares mais graves, como pneumonia ou embolia pulmonar, por exemplo.

Embora seja menos frequente, a dor também pode ser sinal de problemas em outros locais, desde os músculos até ao coração, mas nessas situações, costuma estar associada a outros sintomas que não envolvem apenas a respiração.

De qualquer forma, a melhor opção sempre que surge este tipo de dor, especialmente se durar mais de 3 dias ou se for muito intensa, é consultar um pneumologista ou um clínico geral, para fazer exames de diagnóstico, como o raio X, identificando a possível causa e iniciando o tratamento mais adequado.

Dor nas costas ao respirar: o que pode ser e o que fazer

Assim, as causas mais comuns de dor nas costas ao respirar incluem:

1. Gripe e resfriado

A gripe e o resfriado são condições de saúde bastante comuns que são causadas pela entrada de vírus no organismo, que causam sintomas como coriza, tosse, cansaço excessivo e até febre. No entanto, e embora seja menos frequente, tanto a gripe como o resfriado também podem levar ao aparecimento de dor nas costas ao respirar, o que normalmente está relacionado com o acúmulo de secreções nas vias respiratórias ou com o cansaço do músculos respiratórios pelo ato de tossir.

O que fazer: os vírus da gripe e do resfriado são eliminados naturalmente pelo próprio sistema imune após alguns dias. Por isso, o melhor é adotar medidas que ajudem a fortalecer as defesas do corpo e a recuperar mais rápido, como manter o repouso e beber muito líquidos durante o dia. Confira 7 dicas simples para fazer em casa e se livrar mais rápido da gripe.

2. Distensão muscular

A distensão muscular é outra causa relativamente comum e pouco grave do aparecimento de dor ao respirar. Esta condição acontece quando as fibras musculares sofrem pequenas roturas e, por isso, ficam doloridas por 2 a 3 dias. Isso pode acontecer quando se fez algum esforço maior com os músculos das costas, o que pode acontecer ao ter má postura durante o dia, fazer exercícios na academia ou simplesmente por tossir muito forte durante uma situação de gripe ou resfriado.

O que fazer: a melhor forma de tratamento para a distensão muscular é o repouso, pois evita o uso das fibras musculares lesionadas. Além disso, aplicar uma compressa gelada no local durante as primeiras 48 horas, 3 a 4 vezes por dia, também pode ajudar a aliviar a dor. Veja mais sobre distensão muscular e o que fazer.

3. Costocondrite

A costocondrite consiste na inflamação das cartilagens que ligam o osso do esterno às costelas. Esta condição geralmente causa uma dor forte no peito, que pode acabar irradiando até às costas, especialmente ao respirar fundo. Além da dor, a costocondrite pode ainda causar falta de ar e dor ao se pressionar o esterno.

O que fazer: ormalmente a dor causada pela costocondrite melhora com aplicação de compressas quentes na região do esterno, além de repouso e evitar grandes esforços. Porém, quando a dor é muito forte, ou dificulta a realização das atividades diárias, é aconselhado consultar um ortopedista ou clínico geral, para avaliar a necessidade de iniciar o tratamento com remédios, como analgésicos e anti-inflamatórios. Saiba mais sobre esta condição e seu tratamento.

Dor nas costas ao respirar: o que pode ser e o que fazer

4. Pneumonia

Embora na maioria das vezes, a dor nas costas ao respirar seja apenas um sintoma de gripe ou resfriado, também existem situações em que a dor agrava e que pode indicar uma infecção um pouco mais séria, como é o caso da pneumonia.

Nesses casos, além da dor, da tosse e da coriza, que são comuns da gripe e do resfriado, podem ainda aparecer outros sinais e sintomas como intensa dificuldade para respirar, febre acima de 38ºC e catarro esverdeado ou com sangue, por exemplo. Veja como identificar uma situação de pneumonia.

O que fazer: em caso de suspeita de pneumonia é sempre muito importante consultar um médico, para diagnosticar o problema e iniciar o tratamento mais adequado, que pode incluir o uso de antibióticos. No entanto, e visto que a pneumonia pode ser bastante contagiosa, especialmente se causada por um vírus, é recomendado que, se possível, se coloque uma máscara quando sair de casa.

5. Embolia pulmonar

Embora seja mais rara, a embolia pulmonar é outro problema que pode causar um intensa dor nas costas ao respirar. Esta condição acontece quando um dos vasos do pulmão é bloqueado por um coágulo, o que impede a passagem de sangue para algumas partes do pulmão. Quando isso acontece, além da dor, é comum o surgimento de sintomas como intensa falta de ar, tosse com sangue e pele azulada, por exemplo.

A embolia pode surgir em qualquer pessoa, mas é mais frequente em pessoas com histórico de trombose, que tenham problemas de coagulação, que estejam acima do peso ou que tenham um estilo de vida muito sedentário.

O que fazer: uma vez que é uma situação bastante grave, sempre que existe suspeita de se estar com uma embolia pulmonar, é recomendado ir o mais rápido possível ao pronto-socorro, para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento, que normalmente é iniciado com o uso de medicamentos que ajudam a destruir o coágulo, como a heparina. Entenda melhor o que é a embolia, quais os sintomas e como tratar.

6. Pleurisia

A pleurisia, ou pleurite, é outra condição que pode causar intensa dor nas costas ao respirar e que acontece quando algum tipo de líquido se acumula entre as duas camadas da pleura, que é a membrana que reveste os pulmões. Quando isso acontece, a pleura inflama e a dor tem tendência a piorar quando se respira fundo ou tosse. Além disso, outros sintomas incluem tosse muito frequente, sensação de falta de ar e febre baixa persistente.

Embora não seja considerada uma situação grave, a pleurisia pode ser um importante sinal, já que geralmente surge em pessoas que têm outro problema respiratório e pode significar que o tratamento para esse problema não está fazendo efeito.

O que fazer: a suspeita de pleurisia deve ser sempre avaliada por um médico, sendo por isso indicado ir no hospital. O tratamento é quase sempre iniciado com um anti-inflamatório para aliviar a inflamação na pleura e melhorar os sintomas, mas o médico também precisa identificar a causa da pleurisia. Veja mais sobre pleurisia, como identificar e tratar.

Dor nas costas ao respirar: o que pode ser e o que fazer

7. Pericardite

A dor nas costas ao respirar está quase sempre relacionada com um problema pulmonar, no entanto, ela também pode surgir em alguns problemas cardíacos, como é o caso da pericardite. A pericardite é a inflamação da membrana que cobre o músculo do coração, o pericárdio, que além de dor forte no peito, também pode causar uma intensa dor que irradia para as costas, especialmente ao tentar respirar fundo.

A pericardite é mais comum em pessoas que têm algum tipo de infecção ou inflamação em outra parte do corpo, como pneumonia, tuberculose, artrite reumatoide ou até uma cárie. Veja com mais detalhe como idnetificar uma situação de pericardite.

O que fazer: o tratamento da pericardite pode ser relativamente fácil, principalmente quando o problema é identificado numa fase inicial. Assim, se existir suspeita de um problema no coração é aconselhado consultar um cardiologista para que ele avalie os sintomas, assim como o histórico de saúde, chegando no diagnóstico e indicando o tratamento mais adequado.

8. Infarto

Apesar de o sintoma mais comum do infarto ser o surgimento de uma dor muito intensa, em forma de aperto, no peito, também existem casos em que a dor se inicia com um ligeiro desconforto nas costas que agrava quando se respira. Outros sintomas que podem estar associados são o formigamento em um dos braços, normalmente o esquerdo, enjoos e mal estar geral, assim como dificuldade para respirar.

Embora seja relativamente raro, o infarto é uma situação cada vez mais frequente, especialmente em quem tem alguns fatores de risco, como fazer uma alimentação pouco equilibrada, ser fumante, viver constantemente em estresse ou ter histórico de pressão alta, diabetes ou colesterol.

O que fazer: sempre que existe suspeita de infarto é muito importante ir rapidamente ao hospital, já que, quanto mais cedo for diagnosticado, maiores são as chances de tratar o problema e evitar o surgimento de complicações. Saiba mais sobre como reconhecer um possível infarto.

Bibliografia >

  • Longo, DL et al.. Harrison’s Principles of Internal Medicine. 19.ed. New York: McGraw-Hill, 2015.
  • NIH. Pleural Disorders. Disponível em: <https://www.nhlbi.nih.gov/health-topics/pleural-disorders>. Acesso em 23 Jan 2020
  • NIH. Pneumonia. Disponível em: <https://www.nhlbi.nih.gov/health-topics/pneumonia>. Acesso em 23 Jan 2020
  • NIH. Heart Attack. Disponível em: <https://www.nhlbi.nih.gov/health-topics/heart-attack>. Acesso em 23 Jan 2020
  • BARBOSA, Ana Carolina. et al.. Diagnóstico diferencial da dor torácica: ênfase em causas não coronarianas. Rev Med Minas Gerais 2010; 20(2 Supl 1): S24-S29.
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem