Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Dor na escápula: 9 principais causas e o que fazer

A escápula, também conhecida como omoplata, é um osso achatado e triangular, localizado na parte superior das costas, que tem a função de estabilizar e auxiliar a movimentação dos ombros. A articulação da escápula com o ombro permite a mobilização dos braços e é composta por um conjunto de músculos e tendões, chamado de manguito rotador. 

Existem alterações e determinadas doenças que podem surgir na região da escápula e provocar dor, como lesão muscular, fibromialgia, escápula alada e bursite. As causas destas alterações e doenças, nem sempre são conhecidas, mas podem estar relacionadas a postura incorreta, o excesso de força e peso nos braços, assim como, traumas e fratura.

Dor na escápula: 9 principais causas e o que fazer

Algumas alterações e doenças que podem provocar dor na escápula, são: 

1. Lesão muscular

A escápula auxilia a movimentação do ombro através de músculos localizados nas costas, como por exemplo, o músculo romboide. Este músculo fica entre as últimas vértebras da coluna e as bordas das escápulas, por isso, o esforço físico em excesso ou movimentos bruscos com os braços podem levar a uma distensão ou estiramento do músculo, provocando dor na região escapular.

Em alguns casos, a lesão no músculo romboide também pode causar redução da força nos braços e dor ao mexer o ombro, sendo que, normalmente esses sintomas desaparecem com o tempo, conforme o corpo vai se recuperando.

O que fazer: em lesões leves, fazer repouso e aplicar compressa fria no local é suficiente para aliviar a dor, mas se depois de 48 horas a dor continuar, pode-se aplicar compressa morna e pomada anti-inflamatória. No entanto, se os sintomas piorarem ou durarem mais de 7 dias é recomendado consultar um ortopedista que poderá recomendar o uso de medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos para reduzir a inflamação e aliviar a dor.

2. Bursite

Na região da escápula existem bolsas de líquido que servem para amortecer o impacto dos movimentos do braço, chamadas de bursas. Quando as bursas estão inflamadas provocam uma doença chamada bursite e causam dor intensa, principalmente, nos dias mais frios e ao mexer o braço. Esta inflamação também pode afetar a região do ombro e causar dor na escápula. Veja mais sobre o que é bursite no ombro e os principais sintomas.

O que fazer: para aliviar a dor na escápula causada pela bursite pode-se aplicar gelo no local, durante 20 minutos, de 2 a 3 vezes por dia. O médico ortopedista também pode recomendar medicamentos analgésicos, anti-inflamatórios e corticoides para melhorar a dor e diminuir a inflamação.

Além disso, é importante não fazer esforço com o braço, do lado onde a dor é intensa, e é necessário realizar exercícios de fisioterapia para fortalecer os músculos da região e ajudar na diminuição da inflamação do local.

3. Escápula alada

A escápula alada, também conhecida por discinesia de escápula, ocorre quando o posicionamento e o movimento da escápula acontece de forma incorreta, dando a sensação de estar fora do lugar, provocando dor e incômodo na região do ombro. A escápula alada pode acontecer em qualquer um dos lados do corpo, no entanto, é mais comum do lado direito e pode ser provocada por artrose, fratura de clavícula não consolidada, paralisias e alterações dos nervos do tórax e cifose.

O diagnóstico é feito por um médico ortopedista através de exame físico, sendo que pode ser solicitado a realização de eletromiografia para analisar o funcionamento dos músculos na região da escápula. Confira mais como é feito o exame de eletromiografia e para que serve.

O que fazer: após confirmar o diagnóstico, o ortopedista poderá indicar medicamentos para aliviar a dor, entretanto, na maioria dos casos, é recomendada a realização de cirurgia para reparação dos nervos da parte de trás do tórax.

4. Fibromialgia

A fibromialgia é uma das doenças reumatológicas mais comuns, cujo principal sintoma é a dor generalizada, em vários pontos do corpo, inclusive na escápula. Muitas vezes, as pessoas que sofrem com fibromialgia podem sentir fadiga, rigidez muscular, formigamento nas mãos e também podem desenvolver depressão e distúrbios do sono, levando a uma piora da qualidade de vida.

Ao surgirem os sintomas é importante consultar um médico reumatologista que irá fazer o diagnóstico através do histórico de dor, ou seja, serão avaliados os locais e a duração da dor. Porém, o reumatologista poderá pedir outros exames, como ressonância magnética ou eletroneuromiografia, para descartar outras doenças.

O que fazer: a fibromialgia é uma doença crônica e não tem cura, sendo que o tratamento é baseado no alívio da dor. O reumatologista poderá receitar medicamentos como relaxantes musculares, como a ciclobenzaprina e antidepressivos tricíclicos, como a amitriptilina. As técnicas tipo TENS e ultrassom, usadas na fisioterapia, também podem auxiliar no controle da dor provocada pela fibromialgia. Saiba mais como é feito o tratamento da fibromialgia.

5. Compressão do nervo supraescapular

O nervo supraescapular está localizado no plexo braquial, que é o conjunto de nervos responsáveis pelos movimentos do ombro e do braço, e pode sofrer alterações e provocar dores intensas na escápula.

A compressão deste nervo é uma alteração causada, principalmente, por uma inflamação ou por um trauma, que pode acontecer em acidentes ou em atividades esportivas que forçam muito o ombro. Entretanto, a compressão do nervo supraescapular também pode estar associada a ruptura da coifa, mais conhecida como síndrome do manguito rotador. Veja mais o que é a síndrome do manguito rotador e como tratar.

A dor da escápula causada pela compressão do nervo supraescapular, pode piorar no período noturno e em dias mais frios e quando está associada a outros sintomas como fadiga e fraqueza muscular é necessário consultar um ortopedista, que indicará exames como raio X e ressonância magnética para confirmar o diagnóstico.

O que fazer: em casos mais leves, o tratamento é baseado no uso de anti-inflamatórios e analgésicos, para diminuir a inflamação e aliviar a dor, e na realização de fisioterapia. Já nos casos avançados, o ortopedista poderá indicar cirurgia para descomprimir o nervo supraescapular.

Dor na escápula: 9 principais causas e o que fazer

6. Fratura de escápula

As fraturas de escápula são raras, porque são ossos resistentes e com bastante mobilidade, entretanto, quando acontece, pode provocar dor. Este tipo de fratura ocorre, principalmente, quando uma pessoa cai e bate o ombro e, muitas vezes, a dor surge algum tempo depois do ocorrido.

Após um acidente ou queda que tenha gerado um trauma na região da escápula é necessário procurar atendimento de ortopedista que irá solicitar exames como raio X para verificar se tem fratura e, se houver, o médico vai analisar a extensão desta fratura.

O que fazer: a maioria das fraturas de escápula são tratadas através do uso de medicamentos para aliviar a dor, fisioterapia e imobilização com tipoia e talas, entretanto, em casos mais graves, pode ser recomendada cirurgia.

7. Doença de Gorham

A doença de Gorham é uma alteração rara sem causa definida, que provoca perda óssea, causando dor na região escapular. A dor na escápula gerada por esta doença tem inicio súbito, aparece de repente, sendo que a pessoa pode ter dificuldade de movimentar o ombro. O diagnóstico é feito por um médico ortopedista, através da realização de tomografia computadorizada e ressonância magnética.

O que fazer: o tratamento é definido pelo médico ortopedista, dependendo da localização da doença e dos sintomas apresentados pela pessoa, sendo que podem ser indicados medicamentos para ajudar na reposição de osso, como os bifosfonatos, e cirurgia. 

8. Síndrome de escápula crepitante

A síndrome da escápula crepitante ocorre quando, ao mexer o braço e o ombro, se ouve um estalo na escápula, causando dor intensa. Esta síndrome é provocada por excesso de atividade física e traumas no ombro, sendo muito comum em adultos jovens.

O diagnóstico desta síndrome é feita pelo ortopedista a partir dos sintomas apresentados pela pessoa e pode ser recomendado fazer exames como raio X ou tomografia computadorizada, caso o médico suspeite de outras doenças.

O que fazer: o tratamento consiste no uso de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios, para aliviar a dor e reduzir a inflamação, fisioterapia para fortalecimento dos músculos escapulares e cinesiterapia. Entenda melhor o que é cinesiterapia e quais principais exercícios

9. Problemas no fígado e vesícula biliar

O surgimento de pedras na vesícula e problemas no fígado, como abscessos, que é a formação de pus, hepatite e até mesmo o câncer são problemas de saúde que podem levar ao aparecimento de dor na escápula, principalmente do lado direito. Este sintoma também pode estar acompanhado de outros sinais como coloração amarelada da pele e olhos, dor nas costas, também do lado direito, enjoos, febre e diarreia.

Alguns exames poderão ser indicados por um clínico geral se suspeitar que a dor na região da escápula seja causada por alguma doença no fígado ou vesícula biliar, que podem ser ultrassonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética ou exames de sangue, por exemplo.

O que fazer: assim que os sintomas surgirem é recomendado procurar um clínico geral para que exames sejam feitos para confirmar se existe algum problema no fígado ou na vesícula biliar e depois disso, o médico poderá recomendar o tratamento mais adequado de acordo com a doença diagnosticada.

Quando ir ao médico

A dor escapular também pode ser um sintoma de outras doenças que não estão relacionadas ao sistema ósseo, muscular ou nervoso e, em alguns casos, pode indicar doenças do coração e no pulmão, como infarto agudo do miocárdio e aneurisma da aorta pulmonar. Por isso, é importante procurar atendimento médico de urgência ao surgirem outros sintomas, como:

  • Dor tipo pontada no peito;
  • Falta de ar;
  • Paralisia de um lado do corpo;
  • Suor excessivo;
  • Tosse com sangue;
  • Palidez;
  • Aumento dos batimentos cardíacos.

Além disso, outro sintoma que se deve ficar atento é o desenvolvimento de febre que, quando surge, pode indicar alguma infecção e, nestes casos, poderá ser recomendado outros exames para descobrir a causa deste sintoma.

Bibliografia >

  • BARBIERI, Cláudio H. et al. Fraturas da escápula. Rev Bras Ortop. Vol, 36, n. 7. 245-254, 2001
  • CARVALHO, Stefane C. et al. Síndrome da escápula em ressalto: ensaio iconográfico. Radiol Bras. Vol.52, n.4. 262-267, 2019
  • MORGADO, Sandra; ANTUNES, Filipe. Síndrome de Escápula Crepitante. Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação. Vol.19, n.1. 23-26, 2010
  • FERREIRA, Nuno V. et al. Neuropatia compressiva do nervo supraescapular. Rev Port Ortop Traum. Vol.22, n.3. 249-264, 2014
  • OLIVEIRA, Paulo C. R. et al. Doença de Gorham da escápula e clavícula: relato de caso e evolução de dois anos de uma afecção rara. Radiol Bras. Vol.44, n.5. 336-338, 2011
  • SILVA, Jefferson B. et al. Síndrome do aprisionamento fascial do nervo torácico longo: escápula alada. Rev Bras Ortop. Vol.50, n.5. 573-577, 2015
  • ZAKKA, Telma M.; TEIXEIRA, Manoel J.; YENG, Lin T. Dor visceral abdominal: aspectos clínicos. Rev. dor [online]. Vol.14, n.4. 311-314, 2013
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem