Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que significa Proteína C Reativa Alta

A proteína C reativa, também conhecida como PCR, é uma proteína produzida pelo fígado que está presente no sangue quando existe alguma inflamação ou infecção no organismo, sendo, por isso, um exame muito pedido quando existe suspeita de apendicite, infarto ou outra situação, especialmente em casos de febre sem causa aparente por mais de 3 dias.

Este exame não aponta exatamente qual a inflamação ou infecção que a pessoa possui, mas um aumento nos seus valores indica que o corpo está combatendo algum agente agressor, o que também se reflete no aumento dos leucócitos, que são as células de defesa, no hemograma.

Valor normal de PCR

O valor de referência da proteína C é de até 3 mg/L mas pessoas obesas, idosas ou que praticam muito exercício físico podem apresentar uma elevação normal do valor da proteína C reativa, sem que exista nenhum problema de saúde.

O que significa Proteína C Reativa Alta

O que pode ser PCR alta

A proteína C reativa alta surge na maior parte dos processos inflamatórios do corpo humano, podendo estar relacionada com diversas situações como presença de vírus, fungos, bactérias, problemas no fígado, doenças cardiovasculares, HPV,  reumatismo e até câncer, por exemplo.

Em alguns casos, os valores da PCR pode indicar a gravidade da inflamação ou infecção:

  •  3 a 10 mg/L: geralmente indicam infecções ligeiras como gengivite, gripe ou resfriado;
  • 10 a 40 mg/L: pode ser sinal de infecções mais graves como catapora ou infecção respiratória;
  • Mais de 40 mg/L: geralmente indica infecção bacteriana;
  • Mais de 200 mg/L: pode indicar septicemia, uma situação grave que coloca em risco a vida da pessoa.

O aumento desta proteína também pode indicar doenças crônicas e por isso o médico deve solicitar outros exames para tentar descobrir o que levou o seu aumento na corrente sanguínea.

Confira os principais sintomas de uma inflamação.

O que fazer quando a PCR está alta

Após confirmar os valores de PCR o médico pode continuar a avaliar os sintomas do paciente para tentar entender melhor qual o problema que está causando o aumento dessa proteína no sangue. Assim, se existir coceira na pele, pode ser uma infecção na pele, porém se existir falta de apetite e mal estar geral pode ser uma apendicite, por exemplo. Nesses casos, é feito o tratamento com antibióticos em casa, ou cirurgia.

Se só existir mal estar geral sem outro sintoma específico, o médico pode pedir outros exames, como a presença de marcadores tumorais ou tomografia computadorizada para identificar se existe risco de a alteração estar sendo causada por câncer.

Quando os valores da PCR estão acima de 200 mg/L é normal que a pessoa fique internada para receber antibióticos pela veia. Os valores da PCR começam a subir 2 dias após o início da infecção e tendem a baixar quando se inicia o uso de antibióticos. Se 2 dias após a toma de antibióticos nã seo conseguir baixar os valores de PCR, o médico deve mudar o tratamento, indicando outros antibióticos ou uma combinação diferentes de antibióticos, porque o tratamento inicial não está tendo o efeito esperado.

O que é o exame de PCR ultra sensível

O exame da PCR ultra sensível é pedido pelo médico quando quer avaliar o risco da pessoa ter problemas cardiovasculares, como infarto ou AVC. Nesse caso o exame é solicitado quando a pessoa encontra-se saudável, sem nenhum sintoma ou infecção aparente. Este exame é mais específico e consegue detectar quantidades mínimas de PCR no sangue. O risco da pessoa desenvolver estas complicações podem ser observados a seguir: 

  • Baixo risco: menor que 1,0 mg/dL;
  • Médio risco: entre 1,0 e 3,0 mg/dL;
  • Alto risco: maior que 3,0 mg/dL.

Se o indivíduo for aparentemente saudável e apresentar valores de PCR ultra sensível altos, ele tem risco de desenvolver doença arterial periférica, ou sofrer um infarto ou AVC e por isso deve se alimentar corretamente e praticar exercícios regularmente. Veja outras 7 dicas para diminuir o risco de doenças cardiovasculares.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...