Dieta para problemas renais (com cardápio de 3 dias)

Na dieta para problemas renais é importante controlar a ingestão de proteínas, como frango, feijão, peixe e ovo, pois o seu consumo excessivo pode sobrecarregar os rins, favorecendo a ocorrência de sinais e sintomas, como dor nas costas, cansaço, dor ao urinar ou vontade frequente de urinar.

No caso de insuficiência renal, é importante também controlar o consumo de alimentos ricos em potássio, como queijos, castanhas, coco e frutas secas, pois o excesso desse mineral pode se acumular no organismo, sobrecarregando os rins e podendo também causar problemas no coração. Conheça as causas e saiba como tratar a insuficiência renal.

No entanto, antes de iniciar a dieta é fundamental passar por uma consulta com um nutricionista, para que seja feita uma avaliação do problema renal, do estado de saúde atual e das necessidades nutricionais individuais.

Veja com a nutricionista Tatiana Zanin dicas de alimentação para problemas renais:

Dieta para insuficiência renal

A dieta para insuficiência renal varia de acordo com o estágio da doença e tem o objetivo de manter o peso adequado, preservar as funções dos rins e evitar complicações, como retenção de líquido, cansaço, anemia e pressão alta.

A dieta para insuficiência renal pode variar se a pessoa está ou não fazendo hemodiálise, que é um tratamento indicado para filtrar o sangue, eliminando o excesso de toxinas, minerais e líquidos do corpo. Isto acontece, porque no tratamento conservador, quando não se está fazendo hemodiálise, a necessidade de calorias, proteína, potássio e fósforo é menor do que quando se faz a hemodiálise, por exemplo. Veja mais sobre a hemodiálise.

Cardápio para paciente renal

A tabela a seguir contém um exemplo de cardápio de 3 dias com orientações gerais para insuficiência renal:

 

Dia 1

Dia 2

Dia 3

Café da manhã

1 de chá (100ml) de camomila + 2 torradas integrais + 1 maçã

1 xícara (100 ml) de café + 1 tapioca (60g) com 1 colher de chá de manteiga+ 1 ameixa fresca

1 xícara (100ml) pequena de chá de erva cidreira + 2 bolachas de arroz ou milho + 1 fatia de queijo branco (30g) + 1 manga pequena

Lanche da manhã

1 fatia média de abacaxi assado com canela

1 banana maçã 

1 pera cozida

Almoço

1 frango grelhado (100 g) + 3 colheres de sopa de cenoura e repolho ensopados + 2 colheres de arroz com cúrcuma + 1  pêssego fresco

1 posta de peixe (100g)  cozido com  3 col sopa de batata cozida + 4 col sopa de abobrinha e berinjela cozidas em água (e desprezando a água) + 1 fatia pequena de melancia

3 charutos de repolho com 100 g (total) de carne moída + 2 col de sopa de arroz branco + 100 ml de suco de caju natural 

Lanche da tarde

1 tapioca (60g) + 1 colher de chá de geleia de maçã sem açúcar

1 batata-doce média cozida com 1 col de café de manteiga

1 maçã assada com canela

Jantar

1 pires de espaguete integral com 3 col sopa de molho de tomate caseiro + omelete com 1 ovo + 1 prato de sobremesa de salada de alface e agrião temperada com 1 col sobremesa de azeite + 1 laranja lima

Omelete com 1 ovo, cebola e orégano + 3 col sopa de quinoa + 3 col sopa de vagem cozida em água (e desprezando a água) +  8 morangos

1 posta de peixe cozido (100 g) + 3 col de sopa de brócolis e couve flor cozidos em água (e desprezando a água), temperados com com alecrim e azeite + 2 col de arroz integral + 1 pêssego fresco

Além da dieta, também é aconselhado manter a prática regular de exercícios físicos, sob orientação de um profissional de atividade física, para evitar o excesso de peso, controlar a pressão alta e melhorar a função dos rins.

Dieta conservadora

A dieta conservadora é recomendada para as pessoas com insuficiência renal que possuem alteração da função na filtração dos rins e que não estão realizando hemodiálise. Neste caso, é importante manter a ingestão equilibrada dos seguintes nutrientes:

  • Calorias: a dieta deve conter entre 25 a 35 calorias / kg de peso corporal por dia. Uma pessoa com 60 Kg, deve consumir entre 1500 a 2100 calorias por dia, por exemplo, variando de acordo com o estado de saúde, peso, idade e sexo;
  • Proteínas: neste caso, a ingestão de proteína deve ser reduzida, para evitar a sobrecarga dos rins,  ficando entre 0,6 a 0,8 g por Kg de peso corporal por dia. Uma pessoa com 60 Kg deve ingerir de 36 a 48 g de proteína por dia, o que equivale a  1 ovo cozido e 100 g de peito de frango, por exemplo;
  • Sódio: como a pressão alta é uma das causas ou consequências da insuficiência renal, é importante reduzir o consumo de sódio, sendo recomendada a ingestão de até 2 g de sódio, o que corresponde a 5 g de sal por dia;
  • Líquidos: pessoas em tratamento conservador geralmente não precisam diminuir a ingestão de líquidos, como água, café ou chá. No entanto, de acordo com a gravidade da doença, o nefrologista ou nutricionista pode recomendar a redução da ingestão de líquidos, devendo ser avaliada individualmente;
  • Potássio: o consumo de potássio, presente em alimentos, como banana prata, frutas secas e leguminosas, só deve ser reduzido quando houver indicação do médico ou nutricionista. Por isso, em alguns casos pode ser necessário limitar a ingestão desse mineral para 1 a 3g por dia.

Além disso, se os níveis de fósforo no sangue estiverem elevados, o médico ou nutricionista pode restringir a ingestão de fósforo, para o máximo de 1g por dia.

É importante lembrar que a deita deve ser ajustada de acordo com o grau da insuficiência renal, o estado de saúde, a idade e o sexo de cada pessoa, e, por isso, é recomendado passar por uma consulta com um nutricionista antes de iniciar a dieta.

Dieta para hemodiálise

A dieta para hemodiálise é importante para não sobrecarregar os rins, evitar o inchaço, perda de peso e de massa muscular, que podem acontecer durante as sessões de hemodiálise. Por isso, as recomendações nutricionais para pessoas em hemodiálise são:

  • Energia: a recomendação de energia varia de 30 a 40 calorias / Kg de peso corporal por dia. Uma pessoa com 60 Kg precisa consumir entre 1800 e 2400 calorias por dia, por exemplo;
  • Proteínas: a quantidade de proteínas são aumentadas, pois se perde muito desse nutriente nas sessões de hemodiálise, sendo recomendada a ingestão de 1,3 a 2g de proteína  Kg de peso corporal por dia;
  • Sódio: o controle da ingestão de sódio é importante para evitar a sede, o excesso de líquido corporal e a pressão alta, sendo indicado o consumo de 1,8 a 2,3 g de sódio por dia, o que corresponde a no máximo 5,7 g de sal por dia;
  • Líquidos: a ingestão de líquidos deve ser controlada para evitar inchaço, falta de ar e pressão alta, sendo recomendada de 500 ml + o volume de urina em 24 horas por dia. Por exemplo, se o volume de urina em 24 horas for 300 ml, então a ingestão deverá ser de 500 ml + 300 ml, totalizando 800 ml de líquidos por dia, que incluem água pura e a água usada no preparo de café, sopas e chás;
  • Fósforo: durante a hemodiálise é importante controlar a ingestão de alimentos ricos em fósforo, como laticínios, cereais integrais, frutas secas e leguminosas, porque nesta fase o organismo geralmente apresenta altas concentrações desse mineral. Por isso, a recomendação de consumo de fósforo é entre 0,8 a 1,2 g por dia;
  • Potássio: de acordo com os níveis de potássio no sangue, é recomendado reduzir a ingestão do potássio para até 2,5 g por dia.

Para diminuir a ingestão de potássio dos alimentos, pode-se também consumir as frutas e os vegetais descascados e cozidos, pois o cozimento em água diminui o teor desse mineral nos alimentos. Veja outras dicas para diminuir a quantidade de potássio nos alimentos.

Dieta para pedra nos rins

Dieta para problemas renais (com cardápio de 3 dias)

A dieta para pedra nos rins ajuda a controlar o tamanho dos cálculos renais, evitando sintomas como dor ao urinar, dor nas costas e febre. Na dieta para pedras nos rins, é importante priorizar alimentos com boas quantidades de cálcio e água, que vão evitar a formação e ajudar na eliminação dos cálculos, incluindo:

  • Laticínios, como iogurte, leite e queijos;
  • Frutas frescas, como laranja, maçã, pera, morango, laranja e limão;
  • Vegetais frescos, como tomate, alface, pepino, cenoura, abobrinha e chuchu;
  • Água: beber 2,5 litros de água por dia;
  • Leguminosas, como feijão, lentilha, grão de bico ou soja.

As leguminosas contêm alto teor de oxalato, por isso, é recomendado deixar esses alimentos de molho em água antes de preparar.

Além disso, é importante evitar alimentos ricos em oxalato de cálcio, composto encontrado em alimentos, como leguminosas, cereais e algumas frutas, e que, em excesso, pode causar as pedras no rins, assim como alimentos ricos em sódio, pois esse mineral aumenta a eliminação de cálcio pela urina. É recomendado também ter atenção à quantidade de proteínas consumida no dia, já que também pode favorecer a formação de pedra nos rins. Veja mais detalhes da dieta para pedra nos rins.

Dieta para infecção renal

No caso da infecção renal, é recomendado priorizar os alimentos saudáveis e naturais, como frutas e vegetais frescos, cereais integrais, laticínios, leguminosas e proteínas magras, assim como aumentar a ingestão de líquidos, como água ou chás, que vão ajudar a aumentar o volume de urina e promover a eliminação das bactérias causadoras da infecção.

Além disso, o cranberry pode também ser incluído na alimentação, já que é uma fruta rica em polifenóis, dificultando a aderência de bactérias que causam infecção no trato urinário, prevenindo e combatendo a infecção renal.

É importante também evitar o consumo de alguns alimentos que podem alterar a flora intestinal e causar irritação na bexiga, como:

  • Cereais refinados, como arroz branco, farinha de trigo branca e macarrão branco;
  • Doces, como açúcar, sorvete, bolos ou chocolate;
  • Cafeína, como café, chá verde, chá preto e chá mate;
  • Carnes processadas, como linguiça, bacon, salsicha e salame.

Além disso, é recomendado também evitar o consumo de bebidas alcoólicas, como cerveja, vinho ou espumantes, pois podem irritar os rins, piorando a infecção renal.

Esta informação foi útil?
Atualizado por Karla S. Leal, Nutricionista - em Dezembro de 2021. Revisão clínica por Tatiana Zanin, Nutricionista - em Dezembro de 2021.

Bibliografia

  • AGÊNCIA UNIVERSITÁRIA DE NOTÍCIAS DA USP. Atividade física moderada tem segurança constatada para tratamento de doença renal crônica. Disponível em: <http://aun.webhostusp.sti.usp.br/index.php/2017/09/22/atividade-fisica-moderada-tem-seguranca-constatada-para-tratamento-de-doenca-renal-cronica/>. Acesso em 02 Dez 2021
  • CLEVELAND CLINIC. Kidney Stones: Oxalate-Controlled Diet. 2015. Disponível em: <https://my.clevelandclinic.org/health/articles/11066-kidney-stones-oxalate-controlled-diet>. Acesso em 02 Dez 2021
  • FUKUSHIMA, L, M, Raiana et al. Atividade física e a qualidade de vida de pacientes com doença renal crônica em hemodiálise. Fisioterapia e Pesquisa. Vol.25. 3.ed; 338-344, 2018
  • PLATAFORMA PORTUGUESA DE INFORMAÇÃO ALIMENTAR. Composição de Alimentos. Disponível em: <http://portfir.insa.pt/foodcomp/search>. Acesso em 02 Dez 2021
  • ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA E CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Terapia Nutricional para Pacientes na Fase Não-Dialítica da Doença Renal Crônica. 2011. Disponível em: <https://amb.org.br/files/_BibliotecaAntiga/terapia_nutricional_para_pacientes_na_fase_nao_dialitica_da_doenca_renal_cronica.pdf>. Acesso em 02 Dez 2021
  • SIHRA, Néha et al. Nonantibiotic prevention and management of recurrent urinary tract infection. Nature Reviews Urology. Vol.15. 750–776, 2018
  • BAZZAZ, S, F, Bibi et al. Deep insights into urinary tract infections and effective natural remedies. African Journal of Urology. Vol.27. 6.ed; 1-13, 2021
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA. Orientações e tratamentos: orientações nutricionais para insuficiência renal. Disponível em: <https://www.sbn.org.br/orientacoes-e-tratamentos/orientacoes-nutricionais/>. Acesso em 02 Dez 2021
  • ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DOS NUTRICIONISTAS. Manual de Nutrição e Doença Renal. 2017. Disponível em: <https://www.apn.org.pt/documentos/manuais/Manual_doenca_renal.pdf>. Acesso em 02 Dez 2021
  • BRAZILIAN SOCIETY OF PARENTERAL AND ENTERAL NUTRITION. Diretriz BRASPEN de Terapia Nutricional no Paciente com Doença Renal. 2021. Disponível em: <https://www.asbran.org.br/storage/downloads/files/2021/07/diretriz-de-terapia-nutricional-no-paciente-com-doenca-renal.pdf>. Acesso em 02 Dez 2021
Mais sobre este assunto: