Dieta para pedra nos rins: alimentos permitidos e o que evitar

Revisão clínica: Tatiana Zanin
Nutricionista
março 2022
  1. Alimentos permitidos
  2. O que evitar
  3. Cardápio

A dieta para pedra nos rins, também chamada de litíase ou cálculo renal, deve ser baixa em sal e proteínas e rica em alimentos frescos e naturais, como frutas, verduras e cereais integrais, além de ser indicado o aumento do consumo de líquidos.

Existem diferentes tipos de cálculo renal que variam de acordo com a sua composição, podendo ser de estruvita, ácido úrico, oxalato de cálcio ou de cistina.

É importante que o tipo de pedra seja identificado, pois assim é possível ter cuidados específicos com a alimentação. No entanto, de forma geral, a maioria das recomendações nutricionais são as mesmas.

Alimentos permitidos

Os alimentos permitidos na dieta para pedra nos rins são aqueles que possuem maior quantidade de água, já que ajudam a aumentar a quantidade de líquidos e a diluir a urina, evitando, assim, a formação das pedras. Alguns alimentos ricos em água que podem ser consumidos são rabanete, melancia e tomate, por exemplo. Conheça outros alimentos ricos em água.

É recomendado também consumir 2 a 3 litros de líquidos por dia, pois assim é possível ajudar a eliminar as pedras. A recomendação da quantidade diária de água a ser consumida pode variar de acordo com o peso da pessoa, sendo calculada uma quantidade de aproximadamente 35 mL por cada kg.

Uma excelente opção para acrescentar à dieta para pedra nos rins é a água de coco, suco de frutas naturais e sopas no almoço e no jantar, além de água e chás com propriedades diuréticas e analgésicas, como o chá que quebra-pedra e o de amoreira negra. Confira algumas opções de chás para pedra nos rins.

Alguns estudos indicam que a dieta DASH, que é principalmente indicada para diminuir a pressão arterial, pode ajudar a diminuir o risco de ter pedras nos rins. Essa dieta é baseada no alto consumo de frutas, verduras, legumes, produtos lácteos baixos em gordura e cereais integrais, além de haver baixo consumo de sódio, bebidas açucaradas, carnes vermelhas e processadas. Veja como é feita a dieta DASH.

É importante ressaltar que não é necessário diminuir o consumo de alimentos ricos em cálcio, já que, diferentemente do que é acreditado, está comprovado que o consumo desse mineral ajuda a prevenir as pedras nos rins, pois diminui a absorção de oxalatos quando consumido com outros alimentos.

O que evitar

Os alimentos que devem ser evitados na dieta para pedra nos rins são:

1. Alimentos ricos em oxalatos

Evitar o excesso de oxalato na alimentação ajuda a prevenir principalmente a formação de pedras de oxalato de cálcio. Assim, é indicado evitar o consumo de:

  • Espinafre;
  • Beterraba;
  • Aspargos;
  • Acelga;
  • Ruibarbo;
  • Figos frescos;
  • Chá preto, mate ou verde;
  • Amendoim;
  • Nozes e outros frutos secos;
  • Farelo de trigo;
  • Café;
  • Bebidas achocolatadas;
  • Cacau;
  • Frutos do mar.

O consumo desses alimentos não é necessariamente proibido, podendo ser consumido em menores quantidades ou com pouca frequente. Além disso, caso seja consumido, é indicado cozinhar primeiro o alimento, descartando a água da primeira cocção, pois assim é possível diminuir a quantidade de oxalato presente no alimento.

Outra opção é consumir os alimentos juntamente com outros ricos em cálcio, como leite e derivados, já que o cálcio diminui a absorção de oxalato no intestino.

Além disso, é importante controlar o consumo de xilitol, já que pode ser convertido em oxalato no organismo. O xilitol costuma ser utilizado para adoçar os alimentos e possui poucas calorias, podendo ser encontrado em alguns produtos baixos em açúcar.

2. Proteínas em excesso

O consumo excessivo de proteínas de qualquer produto de origem animal, como a carne de vaca, principalmente vísceras e carnes processadas, como salsichas, presunto e mortadela, peixes e frutos do mar, favorecem a produção de ácido úrico e, por sua vez, a formação de pedras.

Como alternativa, pode-se consumir outras proteínas de boa qualidade de origem vegetal, como legumes cozidos e produtos à base de soja, como o tofu.

É importante que o nutricionista seja consultado para que seja determinada a quantidade de proteínas que deve ser consumida de acordo com a necessidade nutricional de cada pessoa.

3. Regular o consumo de sal

O sódio, um dos principais componentes do sal, facilita a deposição de sais no organismo e, por isso, deve ser evitado. Além do sal comum usado para temperar os alimentos, produtos industrializados como temperos em cubos, molhos para salada, macarrão instantâneo e carnes processadas como bacon, presunto, apresuntado, linguiça e mortadela, também são ricos em sal e devem ser evitados. O recomendado é não consumir mais do que 2,5 gramas de sal por dia.

4. Excesso de alimentos ricos em vitamina C

É indicado evitar o consumo de alimentos ricos em vitamina C (ácido ascórbico) e o consumo de suplementos, principalmente quando as pedras são de oxalato de cálcio, uma vez que essa vitamina favorece a sua formação.

5. Suplementos de cálcio e vitamina D

A ingestão contínua de suplementos de cálcio e de vitamina D aumenta a possibilidade de formação de pedra nos rins, e, por isso, só devem ser utilizados sob indicação médica.

6. Bebidas alcoólicas

É fundamental evitar o consumo de bebidas alcoólicas, já que pode fazer com que o organismo desidrate, favorecendo a formação das pedras.

7. Alimentos açucarados

Alguns estudos indicam que os produtos derivados da frutose, como o açúcar de mesa e maple syrup, contém alto nível de frutose, estando associado a um maior risco de cálculo renal. A frutose aumenta a concentração de ácido úrico e oxalato urinário, podendo provocar pedra nos rins e, por isso, é recomendado evitar o consumo de bolos, bolachas e sucos industrializados, por exemplo.

Cardápio para pedras nos rins

A tabela a seguir traz uma opção de cardápio de 3 dias para pedra nos rins:

RefeiçãoDia 1Dia 2Dia 3
Café da manhã1 xícara de chá de quebra-pedra + 2 fatias de pão integral com queijo branco1 copo de leite desnatado + 1 tortilha de trigo com ovo e sementes de chia1 copo de iogurte natural + 1 panqueca de aveia com queijo e tomate
Lanche da manhã1 copo de água de coco + 1 fatia de melancia1 fatia de melão1 copo de suco de repolho, gengibre, limão e água de coco
Almoço/ jantar1/2 xícara de arroz + 1/2 de feijão + 100 gramas de peito de frango + 1 xícara de vegetais cozidos + 1 colher de chá de azeite de oliva + 1/2 xícara de morango

1 xícara de pasta de atum fresco preparado com molho de tomate + 1 xícara de salada de cenoura, alface, pepino e cebola + 1 colher de chá de azeite de oliva + 1 pera

1 prato de sopa de frango com cenoura, batata, abóbora, cebola e couve-flor + 1 colher de sopa de azeite de oliva + 2 goiabas
Lanche da tarde1 iogurte natural + 1 ameixa1 copo de suco de pepino e abacaxi + 3 bolachas de arroz com tomate, queijo branco e abacate1 copo de vitamina de leite, morango e banana + 3 torradas integrais

As quantidades do cardápio podem variar de pessoa para pessoa de acordo com a sua idade, peso corporal, altura, grau de tolerância aos alimentos e gosto pessoal.

As pessoas que possuem antecedentes familiares de pedra nos rins ou que tenham tido cálculo renal, devem manter uma alimentação equilibrada e orientada por um nutricionista para evitar a formação de novas pedras.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em março de 2022. Revisão clínica por Tatiana Zanin - Nutricionista, em março de 2022.

Bibliografia

  • U.S. DEPARTMENT OF HEALTH AND HUMAN SERVICES NATIONAL INSTITUTES OF HEALTH . Alimentación, dieta y nutrición para las piedras en los riñones. Disponível em: <https://www.niddk.nih.gov/health-information/informacion-de-la-salud/enfermedades-urologicas/piedras-rinones/alimentos-dietas-nutricion#acido>. Acesso em 09 mar 2022
  • Eric N. Taylor Teresa T. Fung, and Gary C. Curhan. DASH-Style Diet Associates with Reduced Risk for Kidney Stones. US National Library of Medicine National Institutes of Health. 2009
Mostrar bibliografia completa
  • B. Rodrigo Orozco, M. Carolina Camaggi. Evaluación metabólica y nutricional en litiasis renal. ELSEVIER. 2010
  • Herney Andrés García-Perdomo, Paola Benavidez Solarte, Paola Posada España. Fisiopatología asociada a la formación de cálculos en la vía urinaria. ELSEVIER. 2016
  • Richard J. Johnson,corresponding author#1,2,8 Santos E. Perez-Pozo,#3 Julian Lopez Lillo,4 Felix Grases,5 Jesse D. Schold,6 Masanari Kuwabara,Yuka Sato, Ana Andres Hernando,Gabriela Garcia,Thomas Jensen,Christopher Rivard,Laura G. Sanchez-Lozada,Carlos Roncal, and Miguel A. Lanaspa. Fructose increases risk for kidney stones: potential role in metabolic syndrome and heat stress. US National Library of Medicine National Institutes of Health. 2018
  • Armando L. Negri, Francisco R. Spivacow, Elisa E. Del Valle Instituto de Investigaciones Metabólicas, Universidad del Salvador, Buenos Aires, Argentina. La dieta en el tratamiento de la litiasis renal. Bases fisiopatológicas. Scielo. 2013
  • MAHAN, L. Kathleen et al. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 13.ed. São Paulo: Elsevier Editora, 2013. 33-39.
  • UROLOGY CARE FOUNDATION. Kidney Stone. Disponível em: <https://www.urologyhealth.org/educational-materials/kidney-stones-x1410>. Acesso em 31 dez 2019
Revisão clínica:
Tatiana Zanin
Nutricionista
Formada pela Universidade Católica de Santos em 2001, com registro profissional no CRN-3 nº 15097.

Tuasaude no Youtube

  • Alimentação para Pedra nos rins

    07:36 | 1110331 visualizações