Dieta para colite ulcerativa: o que comer e o que evitar

novembro 2022
  1. Quem consultar
  2. O que evitar
  3. O que comer
  4. Suplementos

A dieta durante uma crise de colite ulcerativa é importante para controlar os sintomas como diminuição do apetite, enjoos, vômitos, cólicas, diarreia, prisão de ventre, alterações do paladar e cansaço.

Atualmente não existe uma dieta específica que possa ser recomendada para todas as pessoas com colite ulcerativa. Por isso, é recomendado consultar um nutricionista que vai elaborar um plano alimentar individualizado, de acordo com a gravidade, o grau da doença e os sintomas apresentados.

No entanto, existem algumas recomendações gerais que podem ser seguidas com o objetivo de evitar as deficiências de vitaminas e minerais, além de evitar a perda de peso, garantindo a saúde e bem estar geral.

Como saber o que faz mal

A dieta para controlar as crises de colite varia para cada pessoa, sendo necessário observar quais alimentos pioram a digestão, causam dores, diarreia, prisão de ventre ou aumentam os gases intestinais.

Por isso, é aconselhado fazer um diário alimentar, onde deve-se anotar todos os alimentos consumidos durante o dia e os sintomas, caso surjam. Isso permitirá identificar após algumas semanas quais são os alimentos que podem causar desconforto e quais devem ser evitados.

É importante ressaltar que os alimentos que provocam as crises de colite podem variar com o tempo. Por isso, em casos de novas crises, é importante fazer novamente o diário alimentar para que o nutricionista reajuste a dieta.

Qual profissional consultar

A melhor forma de identificar aquilo que se pode comer ou não, é consultar um nutricionista ou nutrólogo clínico, que irá ajudar a entender o diário alimentar e também fazer orientações sobre o que se deve evitar completamente ou o que se deve consumir com moderação.

Alimentos que devem ser evitados

Durante a colite ulcerativa é deve-se evitar alimentos que aumentam a inflamação e irritam o intestino, como:

  • Alimentos ricos em gordura: frituras, margarina, manteiga, óleo de soja, de canola ou de milho;
  • Cafeína: café, chá verde, chá preto, chá mate, refrigerante de cola e chocolate. Estes alimentos devem ser evitados durante as crises de diarreia;
  • Pimenta e molhos apimentados;
  • Alimentos ricos em fibras: sementes, pipoca, vegetais folhosos e/ou crus e frutas com casca e bagaço;
  • Doces em geral: açúcar, mel, sorvete, geleias, sucos e mousses;
  • Carnes processadas: salsicha, presunto, mortadela, peito de peru, salame e bacon;
  • Leguminosas: lentilha, grão de bico e feijão;
  • Alimentos industrializados, como salgadinhos em pacote, biscoitos doces e salgados, comidas prontas congelada, como lasanha e pizza e fast food;
  • Temperos prontos industrializados, como caldo de carne ou de galinha, molho shoyu, ketchup, maionese ou molhos de salada;
  • Bebidas alcoólicas.

Pessoas com colite ulcerativa também podem apresentar intolerância ao glúten. Nestes casos, é aconselhado evitar alimentos como bolacha, bolo, biscoito, pão, torrada, macarrão e massa de pizza feitos com centeio ou trigo.

Além disso, pessoas com colite ulcerativa também podem ter intolerância à lactose, sendo importante também evitar os alimentos como leite, iogurte, manteiga, creme de leite e sorvete, por exemplo.

O que comer

Para ajudar a desinflamar o intestino, equilibrar a flora intestinal e prevenir novas crises, é recomendado comer várias vezes ao longo do dia, em pequenas porções e mastigando bem os alimentos. Além disso, é sugerido cozinhar os alimentos de forma simples, como ensopados, no vapor, assados ou grelhados, evitando frituras ou molhos.

Não existe uma dieta única ou alimentos específicos para prevenir ou curar a colite, no entanto, algumas recomendações que se pode seguir incluem:

1. Carnes magras e peixe 

Comer proteínas é muito importante, porque pessoas com colite ulcerativa podem perder massa muscular devido à má absorção de nutrientes.

Assim, durante uma crise de colite, é importante aumentar as quantidade de proteína ingeridas, sendo recomendado ingerir de 1,2 a 1,5 g de proteína por quilograma de peso corporal. Uma pessoa com 60 Kg de peso corporal deve consumir entre 72 e 90 g de proteína por dia, por exemplo.

As proteínas devem ter pouca gordura e, por isso, o ideal é priorizar peixes, tofu, ovos, frango ou peru sem pele. No caso das carnes vermelhas, podem ser consumidas no máximo 2 vezes por semana, priorizando os cortes mais magros, como músculo, coxão mole ou filé mignon.

2. Laticínios sem lactose

Como algumas pessoas também podem ter dificuldade de digestão ou intolerância à lactose, é aconselhado optar por alimentos como iogurte, leite e queijos sem lactose.

Já pessoas que não têm intolerância à lactose, podem consumir em pequenas porções de leite e derivados com lactose, dando preferência para produtos com menor teor de gordura. O iogurte ou o kefir de leite são boas opções, pois além de terem boas quantidades de cálcio, são ricos em probióticos que ajudam a equilibrar a flora intestinal.

3. Frutas e vegetais

As frutas e os vegetais  devem ser consumidos sem casca, sem bagaço, sem sementes e de preferência cozidos, para facilitar sua digestão e absorção.

Além disso, alguns vegetais como brócolis, repolho e couve-flor, podem causar gases em algumas pessoas. Veja outros alimentos que podem aumentar a produção de gases.

Alguns vegetais que podem ser consumidos durante a crise são: cenoura, batata, aspargos, abóbora, chuchu e abobrinha. Já as frutas que podem ser ingeridas durante as crises são: banana, maçã, pera e melão.

4. Condimentos naturais

Para dar sabor às preparações, pode-se usar as ervas aromáticas naturais frescas ou desidratadas, como salsa, orégano, alecrim, coentro ou manjericão, por exemplo. Veja outros tipos de ervas naturais.

5. Gorduras saudáveis

O consumo de gorduras boas e em pouca quantidade é fundamental para quem sofre com colite ulcerativa, pois atuam como anti-inflamatórios naturais, ajudando a prevenir as crises de colite ulcerativa. Estas gorduras são principalmente o azeite extra virgem, o óleo de linhaça, o óleo de abacate, e os peixes como o salmão, a truta e as sardinhas. Confira outros alimentos com gorduras saudáveis.

6. Água

A colite ulcerativa pode causar diarreia, levando a desidratação e, em alguns casos, pode causar prisão de ventre. Por isso, é muito importante aumentar a ingestão de água, mantendo o organismo hidratado.

No entanto, também podem ser usadas outras opções como suco de maçã e chá de gengibre, por exemplo. Veja outras bebidas naturais para ajudar no tratamento da colite.

7. Carboidratos

Os carboidratos são uma importante fonte de energia e, por isso, é recomendado consumir alimentos fonte desse nutriente, como arroz branco, tapioca, macarrão de arroz ou batata, por exemplo.

No entanto, deve-se evitar o consumo de carboidratos como arroz integral, pão integral, quinoa, milho e macarrão integral, já que contêm muitas fibras que podem piorar os sintomas de colite.

Como deve ser o consumo de fibras

As fibras podem causar problemas em algumas pessoas com colite ulcerativa ativa, aumentando a produção de gases, causando dor abdominal ou diarreia. As fibras estão presentes em grandes quantidades nos vegetais e frutas crus,  nas oleaginosas, leguminosas e cereais integrais.

A maior parte dos alimentos contém tanto fibras solúveis como insolúveis. Por isso, cozinhar bem, e retirar a casca e as sementes ajuda a diminuir a quantidade de fibras dos alimentos. É importante lembrar que quando existe a crise de colite ulcerativa ativa, todos os tipos de fibra devem ser ingeridos em pequenas quantidades, para evitar a piora dos sintomas.

Suplementos para colite ulcerativa

Durante o tratamento para colite, alguns suplementos, como vitamina D, cálcio, ácido fólico e ferro, podem ser indicados pelo médico ou nutricionista para prevenir as deficiências nutricionais ou a perda de peso.

A ingestão de probióticos também pode ser indicada, pois ajudam a regular a flora intestinal, melhorando a digestão, prevenindo diarreia e prisão de ventre, além de reduzir a formação de gases. Entenda mais sobre os benefícios dos probióticos e onde encontrar.

Outro suplemento que pode ser prescrito é o ômega-3 em cápsulas, que ajuda a reduzir a inflamação no organismo e melhorar o sistema imunológico. No entanto, é importante lembrar que todo suplemento alimentar deve ser prescrito pelo médico ou pelo nutricionista.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Karla S. Leal - Nutricionista, em novembro de 2022. Revisão clínica por Tatiana Zanin - Nutricionista, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • ORGANIZAÇÃO BRASILEIRA DE DOENÇA DE CROHN E COLITE. Nutrição na Doença Inflamatória Intestinal. 2022. Disponível em: <https://gediib.org.br/wp-content/uploads/2022/04/cartilha-nutricao-2.pdf>. Acesso em 21 nov 2022
  • CROHN´S AND COLITIS FOUNDATION. Vitamin and Mineral Supplementation. Disponível em: <https://www.crohnscolitisfoundation.org/diet-and-nutrition/supplementation>. Acesso em 10 ago 2021
Mostrar bibliografia completa
  • NHS. Living with ulcerative colitis. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/ulcerative-colitis/living-with/>. Acesso em 10 ago 2021
  • MAYO CLINIC. Ulcerative colitis flare-ups: 5 tips to manage them Print. Disponível em: <https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/ulcerative-colitis/in-depth/ulcerative-colitis-flare-up/art-20120410>. Acesso em 10 ago 2021
  • WORLD GASTROENTEROLOGY ORGANISATION GLOBAL GUIDELINES. Dieta e intestino. 2018. Disponível em: <https://www.spg.pt/wp-content/uploads/2019/04/diet-and-the-gut-portuguese.pdf>. Acesso em 10 ago 2021
  • OWCZAREK Danuta et al. Diet and nutritional factors in inflammatory bowel diseases. World Jornal of Gastroenterology. 22. 3; 895-905, 2016
  • FORBES Alastair, et al. ESPEN guideline: Clinical nutrition in inflammatory bowel disease. Clinical Nutrition. 36. 321-347, 2017
Revisão clínica:
Tatiana Zanin
Nutricionista
Formada pela Universidade Católica de Santos em 2001, com registro profissional no CRN-3 nº 15097.

Tuasaude no Youtube

  • PROBIÓTICOS para um INTESTINO SAUDÁVEL

    06:14 | 159069 visualizações