12 benefícios dos probióticos (e como tomar)

Revisão clínica: Tatiana Zanin
Nutricionista
julho 2022
  1. Para que serve
  2. Como tomar
  3. Prebiótico vs probiótico

Os probióticos são bactérias que vivem no intestino e que, em quantidades ideais, trazem benefícios para a saúde como aumentar as defesas do organismo e prevenir o desenvolvimento de doenças infecciosas e inflamatórias, como diarreia, úlceras, bronquite ou alergias, por exemplo.

O consumo de probióticos é recomendado em situações de desequilíbrio da flora intestinal, que costuma acontecer após o uso de antibióticos, após períodos de estresse ou quando se tem uma alimentação pouco saudável.

Os probióticos podem ser encontrados naturalmente em alguns alimentos, como o iogurte ou o kefir, ou na forma de suplementos, que podem ser comprado em farmácias ou lojas de produtos naturais e que devem ser utilizados de acordo com a orientação de um médico ou nutricionista.

Para que servem os probióticos

Os principais benefícios dos probióticos são:

1. Fortalecer o sistema imunológico

Os probióticos ajudam a modular a resposta imune a nível da mucosa intestinal e em todo o corpo, pois promove o aumento dos níveis de imunoglobulinas e linfócitos, prevenindo o desenvolvimento de doenças de origem inflamatória e infecciosa.

Além disso, o consumo de probióticos pode ter efeito positivo em algumas situações que podem alterar o equilíbrio intestinal e levar à diminuição da imunidade, como no uso de fórmulas infantis, no uso de antibióticos, no envelhecimento, em doenças gastrointestinais e no estresse.

2. Prevenir e tratar a diarreia infecciosa

Os probióticos, principalmente o Lactobacillus rhamnosus e o Bifidobacterium lactis, podem ser utilizados com a finalidade de prevenir e tratar alguns tipos de diarreia aguda e infecciosa provocados por vírus ou bactérias, como rotavírus ou Salmonella sp., por exemplo. É importante salientar que a terapia prebiótica da diarreia aguda deve ser combinada com sais de reidratação oral de acordo com a indicação médica.

Em alguns casos, a diarreia pode também ser consequência do tratamento com antibióticos, uma vez que esses medicamentos podem promover alteração da flora intestinal e favorecer o aumento de bactérias patogênicas. Dessa forma, o uso de probióticos pode ser também eficaz no tratamento e prevenção desse tipo de diarreia.

3. Combater doenças digestivas

Os probióticos são capazes de atuar contra a bactéria Helicobacter pylori, um microorganismo que está relacionado com a gastrite, úlcera péptica e câncer de estômago. Por isso, o consumo de probióticos pode ser recomendado no tratamento e prevenção dessas doenças, aliviando os sintomas e evitando o desenvolvimento da doença.

4. Prevenir o câncer de cólon

Os lactobacilos e as bifidobactérias podem modificar a flora intestinal, promovendo a diminuição dos níveis de substâncias carcinogênicas e, dessa forma, prevenindo o desenvolvimento de câncer de cólon.

Para que o efeito anticancerígeno dos probióticos seja mais eficaz, é necessário incluir no dia a dia alimentos prebióticos, que servem como "alimento" para as bactérias benéficas presentes no intestino, como aveia, centeio, cevada, raiz de chicória, mel , alho e banana, por exemplo.

5. Aliviar a prisão de ventre

Diferentes tipos de microrganismos probióticos podem atuar na microbiota intestinal diminuindo a prisão de ventre em crianças e em adultos, como o L. reuteri, L. casei rhamnosus, Bifidobacterium breve, Bifidobacterium lactis, L. casei Shirota, entre outras, que atuam estimulando as evacuações, melhorando a consistência das fezes e reduzindo a dor abdominal, além de prevenir a ocorrência de diverticulite e hemorroidas.

6. Prevenir e tratar alergias

O desenvolvimento de microrganismos probióticos na flora intestinal poderia prevenir e ajudar a tratar alguns tipos de alergia, como a dermatite atópica, asmas ou alergia a ácaros, por exemplo, já que ajudam a diminuir a resposta inflamatória produzida no organismo. No entanto, o efeito dos probióticos contra a alergia pode depender do tipo de microrganismo que é consumido e a combinação com várias prebióticos encontrados nos alimentos.

Além disso, o consumo de prebióticos nas mulheres grávidas e durante o período de amamentação, tem um efeito importante, já que ajuda a evitar a ocorrência de diferentes doenças alérgicas no bebê, como alergia ao leite de vaca, eczema e dermatite atópica, devendo sempre ser consumido sob orientação do ginecologista ou obstetra.

7. Tratar doenças intestinais

O uso de probióticos, como os lactobacilos e as bifidobactérias, pode trazer benefícios para o tratamento das doenças gastrointestinais, como síndrome do intestino irritável, colite ulcerativa e doença de Crohn, já que ajudam a reduzir os sintomas e a controlar a inflamação intestinal, favorecendo o tratamento.

8. Proteger a saúde cardiovascular

O consumo diário de produtos com probióticos pode trazer benefícios para a saúde do coração, pois ajuda a diminuir a absorção de gordura dos alimentos, a reduzir os níveis de colesterol LDL, também conhecido como "colesterol mau", e aumentar os níveis de HDL, também conhecido como "colesterol bom", prevenindo o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como aterosclerose e infarto do miocárdio.

9. Prevenir infecções do trato urogenital

A administração de via vaginal ou oral de probióticos pode promover o restabelecimento da flora vaginal e reduzir o risco de aparecimento de doenças do sistema urinário, como as infecções urinárias causadas pela bactéria Escherichia coli, por exemplo.

Além disso, os probióticos também podem proteger contra o desenvolvimento de vaginite induzida por bactérias ou leveduras, uso de antibióticos ou alterações hormonais da mulher.

10. Proteger contra infecções respiratórias

Os probióticos aumentam a atividade dos macrófagos alveolares que atuam sobre os agente infecciosos presentes nas vias respiratórias, sendo úteis na prevenção de algumas doenças respiratórias, como sinusite, otite, bronquite e pneumonia, principalmente em crianças e em pessoas que possuem o sistema imunológico comprometido.

11. Melhorar a intolerância à lactose

Quando os microrganismos probióticos se encontram no intestino, liberam a enzima beta-galactosidase, que atua sobre a digestão da lactose. Dessa forma, evita que pessoas intolerantes a esse carboidrato desenvolvam sintomas como flatulência, dor abdominal e diarreia quando consomem leite.

12. Melhorar a saúde mental

Alguns estudos indicam que consumir diariamente iogurte e suplementos probióticos que contenham bifidobactérias e lactobacilos pode melhorar o humor, ansiedade, depressão, a capacidade de memória, e algumas alterações como autismo e transtorno obsessivo compulsivo (TOC).

Como tomar probióticos

Existem duas formas principais de ingerir probióticos: a primeira é feita através do aumento do consumo de alimentos com probióticos naturais, como o iogurte ou o kefir, por exemplo, e a outra é através do uso de suplementos com probióticos.

1. Alimentos probióticos

Alguns alimentos são ricos em probióticos naturais. Alguns exemplos desses alimentos incluem:

  • Iogurte natural: são a principal e mais fácil fonte de probióticos no mercado, mas também existem versões de iogurtes com sabor que mantém as bactérias benéficas vivas;
  • Kefir: é um produto fermentado com levedura e bactérias que fica semelhante ao iogurte, mas possui um teor mais elevado de probióticos. Veja mais sobre o kefir;
  • Leite fermentado: são produtos especiais que geralmente contêm Lactobacillus adicionados pela indústria, sendo o Yakult o mais famoso;
  • Kombucha: uma bebida fermentada feita principalmente a partir do chá preto;
  • Produtos orientais à base de soja, legumes e verduras, como Miso, Natto, Kimchi e Tempeh, que podem ser comprados em lojas especializadas;
  • Chucrute: é feito a partir da fermentação das folhas frescas do repolho ou da couve;
  • Picles: para fazer esse alimento, os pepinos são colocados em água e sal, deixando fermentar por um tempo;
  • Levedura natural: é um cultivo composto por leveduras e bactérias que são naturalmente encontradas no ambiente, e que pode ser utilizado na preparação de diversos produtos, como pães, tortas e bolos.

Além desses alimentos, alguns queijos também podem possuir cultivos vivos de microrganismos com propriedades probióticas, sendo importante ler a etiqueta nutricional para confirmar a presença das bactérias.

Para manter a flora saudável, aconselha-se o consumo de pelo menos 1 alimento fonte de probióticos por dia, especialmente durante e após o uso de antibióticos, que acabam destruindo a flora intestinal saudável também.

Conheça mais sobre os alimentos probióticos no vídeo a seguir:

2. Suplementos probióticos

Além dos alimentos, os probióticos também podem ser consumidos na forma de suplementos em cápsulas, líquidos ou sachês, que devem ser diluídos em água ou sucos naturais para serem consumidos. Alguns exemplos são o PB8, Simfort, Simcaps, Kefir Real e Floratil, e podem ser encontrados em farmácias e lojas de produtos nutricionais.

Existem vários tipos de suplementos, que incluem entre 1 até 10 tipos diferentes de probióticos. O mais importantes normalmente são:

  • Bifidobacteria animalis: ajuda a fortalecer o sistema imune, além de ajudar na digestão e no combate a bactérias transmitidas por comida contaminada;
  • Bifidobacteria bifidum: estão presentes no intestino delgado e grosso, ajudando na digestão dos laticínios;
  • Bifidobacteria breve: estão presentes no intestino e no trato vaginal e ajudam a combater infecções por bactérias e fungos;
  • Bifidobacteria longum: é um dos tipos de probióticos mais comuns no intestino e ajuda a eliminar toxinas do organismo;
  • Lactobacillus acidophilus: é talvez o tipo mais importante que ajuda na absorção de vários nutrientes, além de combater infecções e facilitar a digestão. Os L. acidophilus também estão presentes na vagina, ajudando a combater infecções;
  • Lactobacillus reuteri: estão presentes especialmente na boca, estômago e intestino delgado, sendo importantes contra a infecção por H. pylori;
  • Lactobacillus rhamnosus: estão presentes no intestino e podem ajudar a combater rapidamente casos de diarreia, especialmente quando se viaja para outros países. Também pode ajudar a tratar a acne, eczema e a infecção por Candida sp.;
  • Lactobacillus fermentum: ajudam a neutralizar produtos e toxinas liberadas durante a digestão, melhorando o ambiente para o crescimento da flora intestinal;
  • Saccharomyces boulardii: ajuda a tratar a diarreia causada por antibióticos ou a diarreia do viajante.

Quanto maior a diversidade de probióticos, assim como o número de bactérias dentro de cada comprimido, melhor será o suplemento, pois facilitará o desenvolvimento mais rápido de uma flora intestinal saudável.

Como consumir: o recomendado é que o suplemento tenha entre 2 e 10 bilhões de bactérias ativas, sendo importante ler a etiqueta nutricional do produto, que deve indicar a quantidade de microrganismo por dose e qual a bactéria, isso porque é importante escolher a que seja melhor de acordo com a situação que deve ser tratada.

É recomendado fazer uso do suplemento durante 4 semanas e no caso de não haver melhora durante esse período, o ideal é experimentar outro suplemento. Os probióticos devem ser ingeridos antes ou logo após uma refeição, para que os alimentos ajudem as bactérias a sobreviver ao ácido gástrico e a chegar até ao intestino, onde podem se multiplicar mais facilmente.

É importante lembrar que o consumo de probióticos na forma de suplementos ou de alimentos ricos nessas bactérias, também é importante manter uma alimentação saudável ricas em fibras, pois as fibras são os principais alimentos para os probióticos, favorecendo sua sobrevivência no intestino.

Crianças podem tomar probióticos?

De acordo com vários estudos científicos, os probióticos podem trazer vários benefícios para as crianças, principalmente no caso de diarreia, cólicas intestinais intensas ou condições mais específicas, como doença inflamatória intestinal, por exemplo.

No entanto, ainda não existe evidência que suporte o uso diário de probióticos em crianças, especialmente porque não se conhecem os possíveis efeitos colaterais a longo prazo. Dessa forma, o recomendado é que a criança tome o probiótico apenas durante alguma situação em específico e com a orientação de um pediatra, que deverá indicar o tipo de probiótico mais adequado, assim como a dose.

Ainda assim, é possível incluir os probióticos de forma natural na alimentação da criança sem causa efeitos secundários, através da ingestão de iogurte com bífidos ativos, por exemplo.

Diferença entre prebiótico e probiótico

Enquanto os probióticos são bactérias saudáveis que povoam o intestino, os prebióticos são fibras que servem de alimentos para os probióticos e que favorecem a sua sobrevivência e proliferação no intestino.

Alguns exemplos de prebióticos naturais são aveia, cebola, alho, banana verde e biomassa de banana verde, por exemplo.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em julho de 2022. Revisão clínica por Tatiana Zanin - Nutricionista, em julho de 2022.

Bibliografia

  • FAO/OMS ORGANIZACIÓN DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACIÓN. Probióticos en los alimentos Propiedades saludables y nutricionales y directrices para la ev. ISSN 1014-291. Córdoba, Argentina y Londres, Ontario, Canadá: 2002.
  • Ali Akbar Mohammadi, Shima Jazayeri, Kianoush Khosravi-Darani , Zahra Solati , Nakisa Mohammadpour, Zatollah Asemi, Zohre Adab, Mahmoud Djalali, Mehdi Tehrani-Doost, Mostafa Hosseini, Shahryar Eghtesadi. The impact of the gut microbiota on human health: an integrative view. Pubmed. 2015
Mostrar bibliografia completa
  • Claudia Manzano A., Diana Estupiñán G., Elpidia Poveda E. Grupo de Investigación Nutrición y Salud, Instituto Alpina. Alpina Productos Alimenticios S.A. Bogotá, Colombia.. EFECTOS CLÍNICOS DE LOS PROBIÓTICOS: QUÉ DICE LA EVIDENCIA. scielo Rev Chil Nutr. Vol. 39,; 2012
  • AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS. Probiotics and Prebiotics in Pediatrics. Disponível em: <https://pediatrics.aappublications.org/content/126/6/1217.full>. Acesso em 03 nov 2020
  • TSCHIESCHE Jenny. Gut Health and Probiotics. 1º. Yorkshire, United Kingdom: White owl, 2018.
  • CLAPP Megan; AURORA Nadia et al. Gut microbiota’s effect on mental health: The gut-brain axis. Clinics and Practice. 7. 4; 2017
  • HATOUM Rima, LABRIE Steve et al. Antimicrobial and Probiotic Properties of Yeasts: From Fundamental to Novel Applications. Frontier in Microbiology. 3. 421, 2012
Revisão clínica:
Tatiana Zanin
Nutricionista
Formada pela Universidade Católica de Santos em 2001, com registro profissional no CRN-3 nº 15097.

Tuasaude no Youtube

  • Alimentos para combater a DEPRESSÃO

    07:22 | 74294 visualizações
  • PROBIÓTICOS para um INTESTINO SAUDÁVEL

    06:14 | 151909 visualizações