Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

7 principais causas de diarreia infecciosa e o que fazer

A diarreia infecciosa pode ser causada principalmente por vírus, bactérias e parasitas, sendo importante a identificação do agente infeccioso para que seja iniciado o tratamento e as chances de complicações, como a desidratação, principalmente, diminuam. Dessa forma, assim que surgirem os sintomas de diarreia, é importante ir ao clínico geral ou pediatra, no caso das crianças, para que se possa fazer o diagnóstico e o tratamento seja iniciado.

Não é recomendado usar remédios que "prendam" o intestino, porque assim o agente infeccioso não é eliminado e há mais chance de complicações. Assim, é recomendado beber bastante líquidos e ter uma alimentação leve e saudável para favorecer a eliminação do agente responsável.

7 principais causas de diarreia infecciosa e o que fazer

As principais causas de diarreia infecciosa são:

1. Vírus

A infecção por vírus é uma das principais causas de diarreia infecciosa, principalmente em crianças entre 6 meses 2 anos de idade, sendo normalmente relacionada com o Rotavírus. Esse vírus é facilmente transmitido de uma criança para outra e a principal via de transmissão é a fecal-oral.

A diarreia infecciosa causada pelo rotavírus é bastante intensa e possui odor forte, além disso podem surgir outros sintomas na criança, como febre e vômitos, por exemplo. Como esse tipo de diarreia é bastante intensa, é importante que seja identificada e tratada rapidamente para evitar a desidratação na criança. Saiba reconhecer a infecção por rotavírus.

O que fazer: No caso de suspeita de infecção por rotavírus, o ideal a se fazer é levar a criança para o pediatra para que seja examinada e possa ser indicado o tratamento de acordo com os sintomas apresentados. É importante também oferecer água e sucos para a criança, para evitar a desidratação, além de uma alimentação leve para fazer com que a criança se recupere mais rápido.

2. Salmonella sp.

A infecção por Salmonella sp. acontece através da ingestão de alimentos contaminados por essa bactéria, principalmente ovo e carne de frango crua, por exemplo, causando diarreia forte, vômito e febre alta. Os sintomas de salmonelose podem surgir até 10 dias após o contato da pessoa com a bactéria dependendo do nível de contaminação do alimento. Veja mais sobre a salmonelose.

O que fazer: É importante que a pessoa beba bastante líquidos e tenha uma alimentação leve. Além disso, é recomendado ir ao médico para que seja feito o diagnóstico laboratorial da salmonelose e possa ser iniciado o tratamento com antibiótico caso o médico ache que há necessidade.

3. Shigella sp.

A diarreia infecciosa causada por Shigella sp. também acontece devido ao consumo de alimentos e água contaminados pela bactéria, havendo dor na barriga, enjoos, vômitos e dor de cabeça, além de haver diarreia. Os sintomas da shigelose desaparecem depois de 5 a 7 dias, no entanto caso os sintomas persistam ou piorem, é recomendado ir ao médico para que seja feito o diagnóstico e o tratamento.

O que fazer: No caso de shigelose, o médico normalmente recomenda, além do repouso e consumo de bastante líquidos durante o dia, o uso de antibióticos, como a Azitromicina, por exemplo, para fazer com que a bactéria seja eliminada mais rapidamente do corpo. O uso de antibióticos, no entanto, só é recomendado quando não há melhora dos sintomas e a diarreia dura mais que 7 dias.

7 principais causas de diarreia infecciosa e o que fazer

4. Escherichia coli

A Escherichia coli, ou simplesmente E. coli, é uma bactéria presente naturalmente no intestino da pessoa, no entanto também pode ser relacionada com casos de diarreia. Isso porque há tipos de E. coli que podem contaminar alimentos e a toxina produzida por esse tipo de E. coli pode desencadear diarreia.

O que fazer: É importante que a infecção por Escherichia coli seja identificada por meio do exame de fezes, a coprocultura, para que se sabia qual o perfil de sensibilidade dessa bactéria e se possa indicar o melhor antibiótico. Além disso, é importante que a pessoa fique em repouso, beba bastante líquidos e tenha uma alimentação leve e equilibrada. Saiba tudo sobre a Escherichia coli.

5. Giardia lamblia

A Giardia lamblia é um parasita intestinal responsável por causar diarreia em crianças e acontece devido ao consumo de cistos desse parasita presente em água e alimentos contaminados. A giardíase pode ser percebida por meio de sintomas que surgem entre 1 a 3 semanas após o contato com a Giardia lamblia, havendo diarreia, náuseas, fezes amareladas e dor abdominal, por exemplo. Conheça outros sintomas de giardíase.

O que fazer: Caso haja suspeita de infecção por Giardia lamblia, é importante que a criança vá ao pediatra para que sejam feitos exames, principalmente o parasitológico de fezes, para que seja identificada a presença de cistos nas fezes da criança. No caso de ser confirmado o diagnóstico, o médico pode indicar o uso de antiparasitários, como o Metronidazol e o Secnidazol, por exemplo, além de ser recomendado repouso e consumo de bastante líquidos.

6. Ascaris lumbricoides

O Ascaris lumbricoides, popularmente chamado de lombriga, também é um parasita que se desenvolve no intestino e que pode causar diarreia, desconforto abdominal e vômitos, por exemplo. A transmissão desse parasita acontece por meio do consumo de alimentos e água contaminados com ovos desse parasita, sendo, por isso, importante que os alimentos sejam muito bem higienizados antes de serem preparados e cozinhados.

O que fazer: O tratamento para infecção por Ascaris lumbricoides envolve o uso de antiparasitários, como Albendazol, Ivermectina ou Mebendazol, que deve ser feito conforme a orientação do médico e tem como objetivo promover a eliminação desse parasita. Saiba mais sobre o tratamento para Ascaris lumbricoides.

7. Entamoeba histolytica

A Entamoeba histolytica é o parasita responsável pela amebíase, que é uma doença infecciosa caracterizada por diarreia forte, febre, fezes com sangue, enjoo e cansaço, por exemplo, sendo mais frequente de acontecer em crianças que moram em regiões de clima tropical e com condições de saneamento básico precárias. Veja mais sobre a amebíase.

O que fazer: É importante que a infecção por Entamoeba histolytica seja identificada e tratada rapidamente para evitar a ocorrência de complicações. Por isso, assim que surgirem os primeiros sintomas de diarreia infecciosa, é recomendado que a criança realize exame de fezes para que seja feito o diagnóstico e possa ser iniciado o tratamento, que normalmente é feito com Metronidazol por cerca de 10 dias ou de acordo com a orientação do médico.

Sintomas de diarreia infecciosa

Os sintomas da diarreia infecciosa normalmente surgem depois do contato com o agente responsável pela infecção, sendo normalmente através do consumo de alimentos ou água contaminados. Os principais sintomas de diarreia infecciosa são:

  • Aumento do número de evacuações durante o dia;
  • Alteração da consistência das fezes e da cor, dependendo da causa da diarreia infecciosa;
  • Febre;
  • Dor abdominal;
  • Perda de apetite;
  • Vômitos;
  • Mal estar geral;
  • Fraqueza.

Caso sejam identificados esses sintomas, é importante ir ao médico para que seja inciado o tratamento para prevenir desidratação, além de ser importante que seja realizado exame de fezes para identificar o responsável pela infecção e, assim, se possa iniciar o tratamento adequado, que pode ser com antibióticos ou antiparasitários, por exemplo. Entenda como é feito o exame de fezes.


Bibliografia

  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA . Diarreia aguda: diagnóstico e tratamento. 2017. Link: <www.sbp.com.br>. Acesso em 21 Mai 2019
  • MORAES, Antônio Carlos; CASTRO, Fernando M. M. Diarreia aguda. JBM. Vol 102. 2 ed; 21-28, 2014
  • FILHO, Helio M. T. Gastroenterites infecciosas. JBM. Vol 101. 2 ed; 25-29, 2013
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manejo do paciente com diarreia. Link: <bvsms.saude.gov.br>. Acesso em 21 Mai 2019
  • BARER, Michael R.. Medical Microbiology: A guide to microbial infections - pathogenesis, immunity, laboratory investigation and control. 19 ed. Elsevier, 2018. 178-184.
Gostou do que leu?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Enviar Carregando elementos na página
Mais sobre este assunto:
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem