Corrimento rosado: 8 principais causas e o que fazer

O corrimento rosado é, na maioria dos casos, considerado normal, não sendo motivo de preocupação, uma vez que pode estar relacionado com a fase do ciclo menstrual, uso de anticoncepcional ou alterações hormonais.

Porém, em alguns casos, esta cor do corrimento pode estar relacionada com outras condições, que devem ser avaliadas pelo ginecologista, principalmente se surgirem outros sinais e sintomas, como dor abdominal, náuseas ou odor no corrimento, por exemplo, já que pode ser indicativo de cisto no ovário ou doença inflamatória pélvica.

Algumas causas que podem estar na origem do corrimento rosado, são:

Corrimento rosado: 8 principais causas e o que fazer

1. Início ou final da menstruação

Algumas mulheres que estão nos primeiros ou últimos dias da menstruação, podem ter um corrimento rosado, o que geralmente é resultado da mistura entre o sangue e as secreções vaginais.

O que fazer: nesses caso não é necessário realizar tratamento, já que corresponde a uma situação normal.

2. Desequilíbrio hormonal

Quando a mulher sofre oscilações hormonais, é possível que seja notado um corrimento rosado. Isto acontece quando o estrogênio está presente em quantidades insuficientes para manter o revestimento uterino estável, permitindo a sua descamação, que poderá apresentar uma coloração rosada.

O que fazer: o desequilíbrio hormonal pode ser causado por diversos fatores, como estresse, má alimentação, excesso de peso ou alguma doença. Por isso, é importante procurar um clínico geral ou endocrinologista, para perceber qual a causa que está na origem desse desequilíbrio e, assim, ser iniciado o tratamento adequado.

3. Anticoncepcional

Algumas mulheres têm um corrimento rosado quando iniciam ou mudam de anticoncepcional, sendo mais comum entre os que têm baixos níveis de estrogênios ou que contêm apenas progestágenos na composição. Além disso, isto também pode acontecer quando a mulher não toma corretamente a pílula anticoncepcional.

O que fazer: é comum que o corrimento rosado aconteça durante o primeiro mês ou durante 3 meses após o uso do anticoncepcional, no entanto, caso se prolongue por mais tempo ou sejam notadas outras alterações, é importante que o ginecologista seja consultado.

4. Cistos nos ovários

O cisto no ovário consiste numa bolsa cheia de líquido, que pode se formar no interior ou ao redor do ovário e ser assintomático ou gerar sintomas como corrimento rosado, dor, alterações na menstruação ou dificuldade para engravidar. Saiba quais os tipos de cisto do ovário.

O que fazer: é importante que o ginecologista seja consultado quando o cisto no ovário cause sintomas, sendo então realizados exames que permitam avaliar as características do cisto e, assim, iniciar o tratamento mais adequado. Na maioria dos casos, é indicado o uso da pílula anticoncepcional com estrógeno e progesterona. Nos casos mais graves, em que os sintomas são muito intensos e/ ou há sinais de malignidade, pode ser indicada a realização de cirurgia para remover o cisto ou o ovário.

5. Gravidez

O corrimento rosado também pode ser um sintoma de gravidez e que acontece devido à implantação do óvulo fecundado no útero, sendo esse processo conhecido como nidação. Veja mais sobre o sangramento de nidação.

O que fazer: O corrimento rosado durante a nidação, embora não aconteça em todas as mulheres, é perfeitamente normal. Porém, se a intensidade do sangramento aumentar, deve-se ir ao ginecologista.

6. Doença inflamatória pélvica

A doença inflamatória pélvica, também chamada de DIP, é uma infecção que se inicia na vagina e que ascende, afetando o útero e também as trompas e os ovários, podendo se espalhar por uma grande área pélvica ou mesmo pelo abdome, gerando sintomas como corrimento rosado, amarelado ou esverdeado, sangramento durante relações sexuais e dor pélvica.

O que fazer: é importante que o ginecologista seja consultado para que possam ser realizados exames que permitam identificar o microrganismo responsável pela doença e, assim, ser iniciado o tratamento, que normalmente envolve o uso de antibióticos. Entenda como é feito o tratamento para DIP.

7. Aborto espontâneo

O corrimento rosado também pode ser sinal de aborto espontâneo, que é muito comum nas primeiras 10 semanas de gestação. Pode acontecer devido a uma má formação fetal, consumo exagerado de álcool ou drogas ou traumatismo na região abdominal.

Geralmente, os sinais e sintomas surgem subitamente e podem ser febre, dor abdominal forte, dor de cabeça e corrimento rosado que pode evoluir para um sangramento mais forte ou perda de coágulos pela vagina.

O que fazer: caso a mulher desconfie que está a sofrer um aborto espontâneo, deve ir imediatamente à urgência médica.

8. Menopausa

Quando uma mulher está no período de transição para a menopausa, passa por oscilações hormonais, que resultam em alterações do ciclo menstrual. Como consequência, podem surgir sintomas como corrimento rosado, ondas de calor, dificuldades para dormir, secura vaginal e alterações de humor.

O que fazer: o tratamento para a menopausa deve ser feito se os sintomas causarem desconforto e comprometerem a qualidade de vida da mulher. Em alguns casos, pode-se justificar a terapia hormonal de substituição ou a suplementação alimentar.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • DASHARANTHY, Sonya, et. al.. Menstrual Bleeding Patterns Among Regularly Menstruating Women. American Journal of Epidemiology. Vol.175. 6.ed; 536-545, 2012
  • NAVEED, Safila et. al.. Hormonal imbalance and its causes in young females. Journal of Innovations in Pharmaceuticals and Biological Sciences. Vol.2. 1.ed; 12-16, 2015
  • ZAHIDY, Zina Abdulkareem. Causes and Management of Ovarian Cysts. The Egyptian Journal of Hospital Medicine . Vol.70. 70.ed; 1818-1822, 2018
Mais sobre este assunto: