Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Transmissão do Herpes genital: como se pega e como evitar

O herpes genital transmite-se ao entrar em contato direto com as bolhas ou úlceras com líquido presente nos genitais, coxas ou ânus, que causam dor, ardência, desconforto e coceira. 

O herpes genital é uma infecção sexualmente transmissível, e por isso, na maioria dos casos é transmitido através do contato íntimo. Porém, em alguns casos, também pode ser transmitido através da boca ou mãos, por exemplo, que tenham estado em contato direto com as feridas causadas pelo vírus.

Além disso, embora seja raro, a transmissão do vírus do herpes pode também acontecer mesmo quando não existem sintomas da doença como bolhas ou coceira, quando acontece contato íntimo sem camisinha com uma pessoa que tem o vírus. Caso a pessoa saiba que tem herpes ou caso o seu parceiro seja portador de herpes genital, deve falar com o médico, para que possam ser definidas estratégias para evitar passar a doença para o parceiro.

Transmissão do Herpes genital: como se pega e como evitar

Como saber se tenho herpes genital

O diagnóstico do herpes genital, é geralmente feito através da observação das bolhas ou feridas com líquido pelo médico, que pode também realizar uma raspagem da ferida para analisar o líquido em laboratório, ou pode pedir a realização de um exame de sangue especifico que ajuda a detetar o vírus. Saiba mais sobre o diagnóstico

Como evitar pegar

O herpes genital é uma IST que pode ser facilmente adquirida, porém existem alguns cuidados que podem evitar pegar a doença, como:

  • Usar sempre camisinha em todos os contatos íntimos;
  • Evitar o contato com fluidos da vagina ou do pênis de pessoas portadoras do vírus;
  • Evitar o contato sexual caso o parceiro tenha coceira, vermelhidão ou feridas com liquido nos genitais, coxas ou ânus;
  • Evitar praticar sexo oral, principalmente quando o parceiro apresenta sintomas de herpes labial, como vermelhidão ou bolhas em redor da boca ou do nariz, pois embora o herpes labial e genital possam ser de diferentes tipos, podem passar de uma região para a outra;
  • Trocar diariamente as tolhas e roupas de cama e evitar compartilhar roupas íntimas ou toalhas com parceiro infectado com o vírus;
  • Evitar compartilhar produtos de higiene, como sabonete ou esponjas de banho, quando o parceiro estiver com vermelhidão ou feridas com liquido na região dos genitais, coxas ou ânus.

Estas medidas ajudam a reduzir as chances de pegar o vírus da herpes, porém não são uma garantia de que a pessoa não irá contrair o vírus, pois distrações e acidentes podem sempre acontecer. Além disso, estes mesmo cuidados devem ser usados por portadores de herpes genital, para evitar passar o vírus para outras pessoas.

Como é feito o tratamento

O tratamento do herpes genital é feito usando remédios antivirais, como o aciclovir ou o valaciclovir, que ajudam a diminuir a replicação do vírus no corpo, ajudando assim a sarar as bolhas ou feridas, pois fazem com que os episódios da doença passem mais rápido.

Além disso, no tratamento também podem ser usados hidratantes ou anestésicos locais, para ajudar a hidratar a pele e anestesiar a região afetada, aliviando assim a dor, desconforto e coceira causados pelo vírus.

O herpes não tem cura, quer seja genital ou labial, pois não é possível eliminar o vírus do organismo, e o seu tratamento é feito quando estão presentes bolhas ou úlceras na pele.

Herpes genital na gravidez

O herpes genital na gravidez pode ser um problema, pois o vírus pode passar para o bebê, durante a gravidez ou durante o parto, podendo provocar problemas graves como aborto ou atrasos no crescimento do bebê, por exemplo. Além disso, caso durante a gravidez a grávida tenha algum episódio de herpes depois das 34 semanas de gestação, o médico pode recomentar a realização de cesária para diminuir o risco de transmissão para o bebê.

Por isso, pessoas que estejam grávidas e saibam que são portadoras do vírus, devem falar com o obstetra sobre as possibilidades de transmissão para o bebê. Saiba mais sobre as possibilidades de transmissão do vírus durante a gravidez.

Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem