Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

10 cuidados essenciais para o Doente com Alzheimer

O paciente com Alzheimer precisa tomar os remédios para demência todos os dias e estimular o cérebro de diversas formas. Por isso, é recomendado que ele seja acompanhado por um cuidador ou familiar, porque estando acompanhado é mais fácil manter os cuidados necessários e diminuir a progressão da perda da memória.

Além disso, o cuidador deve ajudar o idoso nas tarefas do dia-a-dia, como comer, tomar banho ou vestir-se, por exemplo, porque estas atividades podem ser esquecidas, devido às características da doença.

1. Remédios para o Alzheimer

10 cuidados essenciais para o Doente com Alzheimer

O paciente com Alzheimer precisa tomar remédios para a demência diariamente, como Denepezilo ou Memantina, que ajudam a retardar o avanço da doença e controlam os comportamentos, como a agitação e a agressividade. No entanto, pode ser difícil para o paciente tomar os remédios sozinho, pois pode se esquecer e por isso o cuidador deve estar sempre atento para garantir que o medicamento é ingerido nos horários indicados pelo médico. 

Porém, também é frequente que a pessoa com Alzheimer não queira tomar os comprimidos. Uma boa dica consiste em amassar e misturar os remédios com iogurte ou sopa, por exemplo.

Leia mais sobre os principais remédios usados no tratamento do Alzheimer.

2. Treino para o cérebro

Fazer jogosFazer jogos

O treinamento das funções cerebrais deve ser feito diariamente para estimular a memória, a linguagem, a orientação e atenção do paciente, podendo ser feitas atividades individuais ou em grupo com um enfermeiro ou terapeuta ocupacional.

O objetivo das atividades, como completar quebra-cabeça, ver fotografias antigas ou ler o jornal por exemplo, é estimular o cérebro para que funcione adequadamente, durante o máximo de tempo, ajudando a recordar momentos, a manter a fala, a fazer pequenas tarefas e a reconhecer outras pessoas e a si mesmo.

Além disso, é fundamental promover a orientação do paciente, tendo um calendário na parede de casa atualizado, por exemplo, ou informando-o várias vezes ao dia sobre qual o seu nome, a data ou a estação do ano.

Veja ainda uma lista de alguns exercícios que ajudam a estimular o cérebro.

3. Atividade física

Fazer atividade físicaFazer atividade física

O mal de Alzheimer leva à diminuição do mobilidade da pessoa, aumentando a dificuldade para andar e manter o equilíbrio, que impossibilita a realização de forma autônoma das atividades do dia a dia, como andar ou deitar-se, por exemplo.

Desta forma, a atividade física tem várias vantagens para o paciente com Alzheimer, como:

  • Evitar dor nos músculos e articulações;
  • Prevenir quedas e fraturas;
  • Aumentar os movimentos peristálticos do intestino, facilitando a eliminação das fezes;
  • Retardar que o paciente fique acamado.?

Deve-se fazer atividade física todos os dias, como caminhar ou fazer hidroginástica pelo menos 30 minutos todos os dias. Além disso, de acordo com a gravidade da doença, pode ser preciso fazer sessões de fisioterapia para manter qualidade de vida. Entenda o que é feito nas sessões de fisioterapia para Alzheimer.

4. Contato social

O paciente com Alzheimer deve manter contato com amigos e familiares para evitar o isolamento e a solidão, que leva ao aumento da perda de capacidades cognitivas. Assim, é importante ir na padaria, passear no jardim ou estar presente no aniversários dos familiares, para conversar e interagir. 

No entanto, é importante estar em locais calmos, já que o barulho, pode aumentar o nível de confusão, deixando a pessoa mais agitada ou agressiva.

5. Adaptação da casa

Banheiro adaptadoBanheiro adaptado

O paciente com Alzheimer tem maior risco de cair, devido ao uso de remédios e à perda de equilibro e, por isso, sua casa deve ser ampla e não deve ter objetos nos locais de passagem.

Além disso, o paciente deve usar sapatos fechados e roupa confortável para não cair. Veja todas as dicas importantes sobre como deve adequar a casa para prevenir quedas.

6. Como falar com o doente

O paciente com Alzheimer pode não encontrar as palavras para se expressar ou mesmo não compreender o que lhe é dito, não cumprindo ordens, e, por isso, é importante ter calma enquanto comunica com ele. Para isso, é preciso:

  • Estar próximo e olhar nos olhos o paciente, para o paciente perceber que estão falando consigo;
  • Segurar a mão do paciente, para demonstrar carinho e compreensão;
  • Falar calmamente e dizer frases curtas;
  • Fazer gestos para explicar o que está dizendo, exemplificando caso seja necessário;
  • Usar sinônimos para dizer a mesma coisa para o paciente compreender;
  • Ouvir o que o paciente quer dizer, mesmo que seja algo que já disse várias vezes, pois é normal ele repetir as ideias.

Além da doença de Alzheimer o paciente pode ouvir e ver mal e, por isso, pode ser necessário falar mais alto e de frente para o paciente para que este ouça corretamente.

No entanto, a capacidade cognitiva do paciente com Alzheimer está muito alterada e mesmo se siga as indicações ao falar é possível que mesmo assim este não compreenda.

7. Como manter o doente seguro

Geralmente, o doente com Alzheimer não identifica os perigos e, pode por em risco sua vida e dos outros e para minimizar os perigos, deve-se:

  • Colocar uma pulseira de identificação com o nome, morada e telefone de um familiar no braço do paciente;
  • Informar os vizinhos do estado do paciente, para caso necessário, ajudá-lo;
  • Manter as portas e janelas fechadas para evitar que fuja;
  • Esconder chaves, principalmente de casa e do carro porque o paciente poderá ter vontade de conduzir ou sair de casa;
  • Não ter objetos perigosos visíveis, como copos ou facas, por exemplo.

Além disso, é fundamental o paciente não andar sozinho, devendo sair de casa sempre acompanhado, porque o risco de se perder é muito elevado.

8. Como cuidar da higiene 

Com o avançar da doença, é comum o doente precisar de ajuda para fazer sua higiene, como tomar banho, vestir-se, ou pentear-se por exemplo, pois, além de se esquecer de o fazer, deixa de reconhecer a função dos objetos e como se faz cada tarefa.

Assim, para o paciente se manter limpo e confortável, é importante ajudá-lo na sua realização, mostrando como se faz para que este consiga repetir. Além disso, é importante envolvê-lo nas tarefas, para que este momento não lhe cause confusão e gere agressividade. Veja mais em: Como cuidar de uma pessoa acamada.

9. Como deve ser a alimentação 

O doente com o mal de Alzheimer perde a capacidade de cozinhar e, aos poucos, vai perdendo a capacidade de comer pela própria mão, além de poder ter dificuldade em engolir. Desta forma, o cuidador deve:

  • Preparar refeições que agradem o paciente e não dar alimentos novos a experimentar;
  • Usar um guardanapo grande, como um babador,
  • Evitar falar durante a refeição para não distrair o doente;
  • Explicar o que está a comer e para que servem os objetos, garfo, copo, faca, caso o paciente rejeite alimentar-se;
  • Não contrariar o paciente se ele não quiser comer ou se quiser comer com a mão, para evitar momentos de agressividade.

Além disso, pode ser necessário, fazer uma alimentação indicada por um nutricionista, de modo a evitar desnutrição e, no caso de problemas de deglutição pode ser necessário fazer uma dieta mole. Leia mais em: O que comer quando não posso mastigar.

10. O que fazer quando o paciente está agressivo

A agressividade é uma característica da doença de Alzheimer, manifestando-se através de ameaças verbais, violência física e destruição de objetos.

Normalmente, a agressividade surge porque o paciente não compreende as ordens, não reconhece pessoas e, por vezes, por sentir frustração ao aperceber-se da perda de suas capacidades e, nesses momentos, o cuidador deve manter a calma, procurando:

  • Não discutir nem criticar o paciente, desvalorizando a situação e falando com calma;
  • Não tocar na pessoa quando está agressiva;
  • Não mostrar medo nem ansiedade quando o paciente está agressivo;
  • Evitar dar ordens, mesmo que simples durante esse momento;
  • Retirar objetos que possam ser atirados da proximidade do paciente;
  • Mudar de assunto e incentivar o paciente a fazer algo que gosta, como ler o jornal, por exemplo, de modo a esquecer-se do que provocou a agressividade.

Geralmente, os momentos de agressividade são rápidos e passageiros e, normalmente o doente com o Mal de Alzheimer não se recorda do acontecimento.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...