Colírios para conjuntivite: principais opções (e como colocar)

setembro 2022

Os colírios indicados para o tratamento da conjuntivite podem conter antibióticos ou corticoides, sendo recomendados de acordo com a causa dessa inflamação.

A conjuntivite é uma inflamação nos olhos que pode ser causada por vírus ou bactérias ou acontecer como consequência de uma alergia, provocando sintomas como vermelhidão, ardência ou coceira. Veja como identificar os sintomas de conjuntivite.

Em caso de sintomas que possam indicar uma conjuntivite, é recomendado consultar um oftalmologista, que vai avaliar os sinais e sintomas, identificando o tipo de conjuntivite e orientando sobre o tratamento mais adequado.

Opções de colírio para conjuntivite

Os colírios indicados para tratar a conjuntivite variam de acordo com a causa da inflamação, que pode ser viral, bacteriana ou alérgica. Assim, os principais tipos de colírios são:

1. Conjuntivite viral

A conjuntivite viral normalmente desaparece sozinha e não precisa de tratamentos. No entanto, o oftalmologista também pode recomendar uso de colírios hidratantes ou lágrimas artificiais, como Moura Brasil, Lacril, Systane ou Lacrima Plus, de 3 a 4 vezes por dia.

Esses colírios ajudam a aliviar os sintomas de conjuntivite viral, como coceira, vermelhidão e sensação de areia nos olhos. Conheça todos os sintomas da conjuntivite viral.

2. Conjuntivite bacteriana

A conjuntivite bacteriana é tratada com colírios contendo antibióticos, por um período de 7 a 10 dias, ajudando a aliviar sintomas como secreção e dor nos olhos. Saiba identificar os sintomas de conjuntivite bacteriana.

Alguns tipos de colírios que podem ser recomendados pelo oftalmologista para o tratamento da conjuntivite bacteriana incluem o Garasone, o Maxitrol, o Tobradex, o Vigamox, o Biamotil e o Zypred.

3. Conjuntivite alérgica

Na conjuntivite alérgica o oftalmologista pode recomendar o uso de colírios hidratantes, como Lacril, Systane ou Lacrima Plus, para aliviar os sintomas como ardência, coceira e lacrimejamento.

Além disso, o oftalmologista também pode indicar colírios antialérgicos e com propriedades anti-histamínicas, como Patanol, Octifen, Dexavison e Flutinol.

Saiba mais sobre os tratamentos indicados para cada tipo de conjuntivite, no vídeo a seguir:

Como colocar o colírio corretamente

Para colocar corretamente o colírio e garantir uma recuperação mais rápida da conjuntivite é importante seguir o seguinte passo a passo:

  1. Lavar as mãos com sabão e água;
  2. Abrir o frasco do colírio, sem tocar na ponta do frasco;
  3. Deitar ou inclinar a cabeça para trás;
  4. Puxar a pálpebra inferior de um dos olhos, formando uma bolsa entre a pálpebra e o olho;
  5. Sem encostar a ponta do frasco nos olhos, pingar a quantidade recomendada de colírio na parte inferior da pálpebra;
  6. Manter o olho fechado por 1 a 2 minutos;
  7. Repetir os passos 3 a 5 no outro olho.

Caso o oftalmologista recomende o uso de pomada junto com o colírio, é indicado colocar o colírio nos olhos e, depois de 5 minutos, aplicar a pomada. A pomada pode ser usada da mesma forma que o colírio, mas deve ser sempre aplicada no interior da pálpebra de baixo.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Karla S. Leal - Nutricionista, em setembro de 2022. Revisão médica por Dr. Arthur Frazão - Oftalmologista, em abril de 2019.

Bibliografia

  • AMERICAN OPTOMETRIC ASSOCIATION. Conjunctivitis (pink eye). Disponível em: <https://www.aoa.org/healthy-eyes/eye-and-vision-conditions/conjunctivitis?sso=y>. Acesso em 13 set 2022
  • BAAB, S.; LE, P. H.; KINZER, E. E. N: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Allergic Conjunctivitis. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK448118/>. Acesso em 13 set 2022
Mostrar bibliografia completa
  • CLEVELAND CLINIC. Diseases and conditions: pink eye. Disponível em: <https://my.clevelandclinic.org/health/diseases/8614-pink-eye#management-and-treatment>. Acesso em 13 set 2022
Revisão médica:
Dr. Arthur Frazão
Oftalmologista
Médico generalista, especialista em Oftalmologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em 2008, com registro profissional no CRM/PE 16878

Tuasaude no Youtube

  • Conjuntivite viral, alérgica ou bacteriana? Como tratar | com Dr. Arthur Frazão

    10:33 | 189880 visualizações