Calo (nódulo) nas cordas vocais: sintomas, causas e tratamento

Revisão clínica: Rosa Maria Rodriguez Antonio
Fonoaudióloga
julho 2022

O calo nas nas cordas vocais, também conhecido como nódulo nas cordas vocais é uma lesão que pode acontecer devido ao uso excessivo da voz, sendo mais frequente em professores, palestrantes e cantores, especialmente nas mulheres devido a própria anatomia da laringe feminina. 

Esta alteração costuma surgir após meses ou anos de mal uso da voz e pode ser diagnosticado pelo otorrinolaringologista ou fonoaudiólogo através da observação dos sintomas apresentados e confirmado através de exames de imagem como a endoscopia digestiva alta, onde é possível observar a aparência da laringe e das cordas vocais.

Para evitar o desenvolvimento do calo ou nódulo nas cordas vocais, é importante beber bastante água ao longo do dia, evitar o consumo de café, bebidas alcoólicas e o uso do cigarro, e evitar falar por muito tempo ou gritar.

Sintomas de calo nas cordas vocais

Os principais sintomas de calo nas cordas vocais são:

  • Voz rouca ou com falhas;
  • Dificuldade para falar;
  • Tosse seca e frequente;
  • Irritação da garganta;
  • Perda do volume da voz;
  • Cansaço para falar.

Casos os sintomas sejam frequentes ou durem mais do que 15 dias, é importante que o otorrinolaringologista seja consultado, pois assim é possível fazer o diagnóstico e iniciar o tratamento mais adequado.

Principais causas

O calo ou nódulo nas cordas vocais surge devido ao uso excesso ou mal uso da voz, podendo ser consequência de:

  • Falar constantemente;
  • Falar ou cantar muito alto de forma frequente;
  • Falar com a voz mais grave que o habitual;
  • Falar muito rápido;
  • Falar muito baixo, forçando mais a garganta, projetando menos a voz.

As pessoas com maiores chances de desenvolver calo nas cordas vocais são as que tem profissões que necessitam usar muito a voz, como professores, cantores, atores, oradores, vendedores ou telefonistas, por exemplo;

Como é feito o tratamento

O tratamento para o calo nas cordas vocais deve ser orientado pelo otorrinolaringologista, que pode indicar a realização de cirurgia para retirar o nódulo. Além disso, pode ser indicada a realização de sessões de fonoterapia para adequar a voz, evitando o seu uso excessivo ou inadequado, bem como para realizar exercícios para as pregas vocais.

Como evitar

Para evitar que se forme um outro calo é importante saber usar a voz de forma correta, usando técnicas que podem ser indicadas pelo otorrinolaringologista e fonoaudiólogo, como por exemplo:

  • Beber 6 a 8 copos de água por dia, pois assim é possível manter as cordas vocais hidratadas, evitando lesões e a formação de calos;
  • Ter boa postura para falar ou cantar, pois isso garante que os músculos que ficam em torno da garganta fiquem em uma posição adequada, ajudando no processo da produção da voz e reduzindo o estresse sobre as cordas vocais;
  • Fazer exercícios de aquecimento da voz antes de uma atividade em que a voz será muito utilizada, como palestra, apresentação ou aula, por exemplo;
  • Evitar café e bebidas alcoólicas, pois podem causar irritação e ressecamento das cordas vocais, aumentando o risco do aparecimento dos calor;
  • Evitar cigarro, pois a exposição à fumaça do cigarro pode causar inflamação da garganta e aumentar a chance de aparecimento de um nódulo nas cordas vocais;
  • Evitar falar por muito tempo, pois assim é possível causar menos esforço nas cordas vocais.

Além disso, comer a cada 3 horas também pode ajudar a proteger as cordas vocais e evitar o aparecimento de calor. Isso acontece porque, dessa forma, evitam-se fazer refeições com muita comida, o que faz com que o estômago fique mais vazio e o ácido não consiga chegar facilmente na garganta, afetando as cordas vocais.

Também é indicado comer 1 maçã com casca por dia. Por ser um alimento adstringente ela ajuda a manter a mucosa limpa e hidratada, além de auxiliar nos músculos da mastigação.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em julho de 2022. Revisão clínica por Rosa Maria Rodriguez Antonio - Fonoaudióloga, em junho de 2018.
Fonoaudióloga
Formada pela Universidade Lusíadas de Santos, em 1991, com registro profissional no CRFa. nº 6020.