Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Bypass gástrico: o que é, como é feito, recuperação e complicações

​O bypass gástrico, também conhecido por bypass em Y de Roux ou cirurgia de Fobi-Capella, é um tipo de cirurgia bariátrica que consiste na redução do tamanho do estômago e na alteração do intestino. Essas alterações levam a pessoa a comer menos, além de diminuir a quantidade de calorias que é absorvida pelo intestino, o que pode levar a uma perda de até 70% do peso inicial.

Esse tipo de cirurgia é indicada para pessoas com IMC acima de 35 kg/m², especialmente quando a pessoa tem sérios problemas de saúde devido ao excesso de peso, quando a dieta e os exercícios não funcionaram, ou quando outras técnicas de emagrecimento, como colocação de banda gástrica ou balão gástrico, não tiveram os resultados desejados.

A cirurgia de bypass gástrico é um dos tipos de cirurgia bariátrica mais comumente realizados pelo gastroenterologista e pode ser feita no SUS de forma gratuita. Confira outros tipos de cirurgia bariátrica

Bypass gástrico: o que é, como é feito, recuperação e complicações

Quando é indicada

A cirurgia de bypass gástrico normalmente é recomendada pelo gastroenterologista quando:

A cirurgia de bypass gástrico é feita pelo gastroenterologista para o tratamento da obesidade, sendo que as principais indicações incluem:

  • IMC é igual a 40 kg/m² ou superior;
  • IMC é superior a 35 kg/m² e existem doenças associadas como diabetes, pressão alta ou apnéia do sono grave, por exemplo. Saiba como calcular o IMC.;
  • Outras formas de emagrecimento não tiveram resultado como colocação de banda gástrica ou balão gástrico.

Além disso, o bypass gástrico pode ser indicado para essas pessoas quando a dieta e os exercícios não foram suficientes para reduzir o peso e melhorar as condições de saúde.

Assista o vídeo seguinte e confira em que situações é recomendada a cirurgia bariátrica:

Como é feita

O bypass gástrico em Y de Roux é uma cirurgia complexa que é realizada pelo gastroenterologista, com anestesia geral e que demora, em média, 2 horas.

Essa cirurgia pode ser feita da forma convencional em que o cirurgião faz um corte grande no abdômen ou por videolaparoscopia, em que são feitos 4 a 6 cortes pequenos no abdômen, que permitem a passagem de uma microcâmera, que permite o cirurgião visualizar o interior do abdômen, e dos instrumentos cirúrgicos, que são comandados pelo médico. 

Durante o bypass gástrico, o cirurgião segue alguns passos  que incluem:

  1. Cortar o estômago e o intestino: é feito um corte no estômago junto ao esôfago que o divide em duas partes, uma porção muito pequena, em forma de bolsa e, uma porção grande, que perde grande parte da sua função, deixando de armazenar alimentos. Além disso, também é feito um corte na primeira parte do intestino, chamado jejuno;
  2. Unir uma porção do intestino ao estômago menor: cria-se uma passagem em forma de tubo que leva os alimentos do estômago menor para o intestino; 
  3. Unir o intestino que ficou ligado à parte grande do estômago ao tubo criado anteriormente: esta ligação permite que os alimentos, que vêm do estômago menor, se misturem com as enzimas digestivas, ocorrendo a digestão.

Geralmente, a videolaparoscopia é a técnica mais utilizada para o bypass gástrico pois permite uma recuperação mais rápida e diminui o risco de infecções. Confira todas as vantagens da videolaparoscopia.

Como é a recuperação

Os primeiros 2 ou 3 dias de recuperação do bypass gástrico são feitos em internação no hospital, com acompanhamento do cirurgião, do anestesista e do enfermeiro. Neste período, é administrado soro na veia para hidratar e dar energia ao corpo para se recuperar, remédios analgésicos, caso a pessoa sinta dor, e os curativos na barriga que protegem as cicatrizes contra infecções serão trocados pelo enfermeiro sempre que houver necessidade. 

Nos dois primeiros dias após a cirurgia, não é permitida alimentação, e após esse período já é possível começar uma dieta líquida, incluindo água e chás, conforme orientação do médico. Essa alimentação vai evoluindo gradualmente para alimentos mais pastosos ou sólidos à medida que a pessoa vai se recuperando e o corpo se ajustando aos novos padrões alimentares, o que pode levar cerca de três meses após a cirurgia. Saiba mais sobre a alimentação após o bypass gástrico.   

Cuidados em casa

Após a alta hospitalar, alguns cuidados devem ser seguidos diariamente em casa para ajudar na recuperação:

  • Tomar os remédios nos horários certos conforme indicado pelo médico;
  • Trocar o curativo no posto de saúde uma semana após a cirurgia;
  • Seguir a dieta indicada pelo nutricionista, que vai-se alterando ao longo das semanas;
  • Beber líquidos para hidratar o corpo, nas quantidades recomendadas pelo médico, esperando cerca de 30 minutos após uma refeição para beber líquidos e evitar beber 30 minutos antes de uma refeição;
  • Comer e beber em pequenas porções e devagar para evitar náuseas, vômitos, diarréia ou tontura;
  • Evitar bebidas alcoólicas ou que contenham cafeína, como café, chá preto ou chá verde;
  • Tomar os suplementos vitamínicos indicados pelo médico, como ferro, cálcio ou vitamina B12;
  • Tomar medicamentos inibidores da produção de ácido, como omeprazol, antes das refeições para proteger o estômago, segundo indicação médica;
  • Levantar e fazer pequenas caminhadas de hora em hora para evitar a formação de coágulos nas pernas. No entanto, deve-se evitar caminhadas longas, esforços e carregar peso;
  • Evitar dirigir nas 6 primeiras semanas após a cirurgia e ter cuidado para não colocar o cinto de segurança sobre a cicatriz;
  • Evitar esforços nas primeiras 6 semanas após a cirurgia.

A recuperação do bypass gástrico é lenta e pode demorar entre 6 meses a 1 ano, sendo a perda de peso mais intensa nos primeiros 3 meses. 

Os resultados desta cirurgia vão surgindo com o passar das semanas, no entanto, pode ser necessário fazer uma cirurgia estética, como abdominoplastia, 1 a 2 anos após para remover o excesso de pele. 

Possíveis complicações

As principais complicações do bypass gástrico são infecção no local da cicatriz, obstrução temporária do intestino, sangramento ou infecção na cavidade abdominal. 

Além disso, outras complicações podem podem ocorrer principalmente se a pessoa não seguir a dieta corretamente, se comer muito ou pouco, ou alimentos que não devem ser ingeridos, e incluem:  

  • Síndrome de dumping com sintomas como náuseas, cólicas intestinais, desmaios e diarreia. Saiba mais sobre a síndrome de Dumping e como aliviar os sintomas;  
  • Desidratação por não ingerir a quantidade de líquidos recomendadas pelo médico;
  • Prisão de ventre devido a falta de atividade física e baixa ingestão de fibras ou líquidos; 
  • Anemia crônica, principalmente pela má absorção de vitamina B12 pelo estômago.

É importante fazer o acompanhamento médico após a cirurgia de bypass, realizando os exames solicitados pelo médico para avaliar a saúde e evitar o risco de complicações.

Bypass ou sleeve: qual a diferença?

Tanto o bypass gástrico como o sleeve são cirurgias bariátricas para perda de peso. No entanto, no bypass gástrico o tamanho do estômago é reduzido e é feita uma ligação direta do estômago com o intestino delgado, para reduzir a quantidade de alimento ingerida e sua absorção.

Já o sleeve gástrico, é uma técnica cirúrgica em que o médico remove uma grande parte do estômago permitindo que a pessoa coma menos e emagreça, mas não faz nenhuma alteração no intestino, não diminuindo a absorção dos alimentos. Saiba mais sobre o sleeve gástrico e suas vantagens.

Esta informação foi útil?

Sua opinião é importante! Escreva aqui como podemos melhorar o nosso texto:

Ficou alguma dúvida? Clique aqui para ser respondido.
Verifique o email de confirmação que lhe enviamos.

Bibliografia

  • MECHANICK Jeffrey y et al.. Clinical Practice Guidelines for the Perioperative Nutritional, Metabolic, and Nonsurgical Support of the Bariatric Surgery Patient—2013 Update: Cosponsored by American Association of Clinical Endocrinologists, The Obesity Society, and American Society for. Surgery for obesity and related diseases. 9. 159-191, 2013
  • PAPAPIETRO, Karin. Reganancia de peso después de la cirugía bariátrica. Revista Chilena de Cirugía. 64. 1; 83-87, 2012
  • ANDREASSON, Kalle; VIDEHULT, Per. Gastric bypass versus sleeve, pros and cons. Lakartidningen. 114. ER3H, 2017
  • HAUK, Lisa. Laparoscopic Roux-en-Y gastric bypass. AORN J. 107. 3; P12-P14, 2018
  • CROMMEN, Silke; MATTES, Alma; SIMON, Marie-Christine. Microbial Adaptation Due to Gastric Bypass Surgery: The Nutritional Impact. Nutrients. 12. 4; 1199, 2020
  • WANG, Fu-Gang. Comparison of safety and effectiveness between laparoscopic mini-gastric bypass and laparoscopic sleeve gastrectomy: A meta-analysis and systematic review. Medicine (Baltimore). 96. 50; e8924, 2017
Mais sobre este assunto:

Carregando
...
Enviar Mensagem