Blenorragia: o que é, sintomas e tratamento

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
abril 2021

A blenorragia, também conhecida como gonorreia, é uma infecção sexualmente transmissível (IST) causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, que provoca inflamação das mucosas genitais de homens e mulheres, podendo ser observado corrimento e dor e ardor ao urinar, no entanto, quando a doença não é identificada e tratada, a bactéria pode chegar à corrente sanguínea e atingir outros órgãos, causando complicações e dificultando o tratamento.

Na presença de sinais e sintomas de blenorragia, é importante que o urologista ou ginecologista seja consultado para que possa ser feito o diagnóstico e iniciado o tratamento mais adequado, que normalmente é feito com antibióticos em forma de injeção ou comprimido, de acordo com a gravidade da infecção.

Sintomas de blenorragia

A blenorragia é uma infecção sexualmente transmissível, assim a principal forma de infecção é por meio da relação sexual sem camisinha, que pode ser vaginal, oral ou anal. Assim, de acordo com a forma do contágio, a bactéria pode instalar-se no local e provocar inflamação, levando ao desenvolvimento de alguns sintomas, sendo os principais:

  • Dor e ardor ao urinar;
  • Corrimento branco-amarelado;
  • Vontade frequente para urinar;
  • Inflamação das glândulas de Bartholin, no caso das mulheres, que são glândulas responsáveis pela lubrificação;
  • Inflamação da uretra, no caso dos homens;
  • Inflamação do ânus, quando houve relação sexual anal desprotegida;
  • Dor de garganta e comprometimento da voz, quando houve relação sexual oral.

Além disso, quando a bactéria espalha-se pela corrente sanguínea, é comum que surjam sintomas mais gerais de blenorragia, como febre, aparecimento de lesões no corpo e dor nas articulações, por exemplo. Veja mais sobre os sintomas da blenorragia.

Nos homens, os sintomas costuma aparecer entre 3 e 30 dias após a relação sexual desprotegida. Já nas mulheres, a maioria dos casos de na mulher é assintomática, sendo descoberta apenas durante exames de rotina, favorecendo o espalhamento da bactéria e aumentando o risco de complicações, como a Doença Inflamatória Pélvica (DIP), esterilidade e gravidez ectópica.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da blenorragia deve ser feito pelo urologista ou ginecologista por meio da avaliação dos sinais e sintomas apresentados pela pessoa, além de ser recomendada a realização de exames microbiológicos e de sangue para confirmar a infecção. 

Assim, pode ser indicada a realização de hemograma e dosagem da proteína C reativa (PCR) para confirmar a infecção, e análise microbiológica da urina e da secreção da vagina ou do pênis para identificar o agente infeccioso.

Tratamento para blenorragia

O tratamento para blenorragia deve ser feito de acordo com a orientação do médico, sendo normalmente indicado o uso de antibióticos, como o Ceftriaxona, Ciprofloxacino ou Azitromicina em dose única ou durante 10 dias. É importante que o tratamento seja feito pelo casal e continuado mesmo que não existam mais sinais e sintomas aparentes, pois assim é possível garantir a eliminação da bactéria do organismo, evitando reinfecção. Confira mais detalhes do tratamento da blenorragia.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em abril de 2021. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • MORGAN, Mackenzie K.; DECKER, Catherine F. Gonorrhea. Disease-a-Month. Vol.62(8). 260-268, 2016
  • PAPADAKIS, Maxine A.; MCPHEE, Stephen J.; RABOW, Michael W. Current Medical Diagnosis & Treatment 2019. 58th. NEW YORK: McGraw-Hill Education, 2019.
Mostrar bibliografia completa
  • BOSTON PUBLIC HEALTH COMMISSION. Gonorreia. 2018. Disponível em: <https://bphc.org/whatwedo/infectious-diseases/Infectious-Diseases-A-to-Z/Documents/Fact%20Sheet%20Languages/Gonorrhea/Portuguese.pdf>. Acesso em 14 nov 2019
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFECTOLOGIA. Gonorreia. Disponível em: <https://www.infectologia.org.br/pg/986/gonorreia>. Acesso em 28 ago 2019
  • BARER, Michael R et al. Medical Microbiology: A guide to microbial infections - pathogenesis, immunity, laboratory investigation and control. 19 ed. Elsevier, 2018. 264-266.
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.