Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

10 Problemas de saúde comuns na Síndrome de Down

A pessoa que tem Síndrome de Down tem maior risco de ter também problemas de saúde como problemas cardíacos, de visão e de audição.

No entanto, cada pessoa é única e tem suas próprias características e problemas de saúde específicos. Assim, é importante ir ao médico a cada 6 meses ou sempre que surgir algum sintoma para identificar e tratar precocemente qualquer problema de saúde.

10 Problemas de saúde comuns na Síndrome de Down

Os 10 problemas de saúde mais comuns nos bebês e nas crianças com Síndrome de Down são: 

1. Defeitos cardíacos

Cerca de metade das pessoas que tem Síndrome de Down tem algum defeito no coração e por isso o médico pode observar certos parâmetros ainda durante a gestação para saber quais são as alterações cardíacas que podem estar presentes, mas ainda assim depois do nascimento podem ser realizados exames como a ecocardiografia para identificar com maior precisão quais são as alterações presentes no coração.

  • Como tratar: Certas alterações cardíacas precisam de cirurgia para correção, embora a maioria possa ser controlada com remédios.

2. Problemas sanguíneos

A criança com Síndrome de Down tem mais chances de ter problemas no sangue como anemia, que é a falta de ferro no sangue; policitemia que é o excesso de células vermelhas do sangue, ou leucemia, que é um ipo de câncer que afeta as células brancas do sangue. 

  • Como tratar: Para combater a anemia o médico pode receitar a toma de suplemento de ferro, em caso de policitemia pode ser necessário fazer transfusão de sangue para normalizar a quantidade de células vermelhas no corpo, já no caso da leucemia, a quimioterapia pode ser indicada.

3. Problemas auditivos

É muito comum que a criança com Síndrome de Down tenha alguma alteração na sua audição, o que geralmente se deve a formação dos ossos do ouvido, e por isso podem nascer surdas, com diminuição da audição e tem maior risco de ter infecções de ouvido, que podem piorar e causar perda da audição. O testa da orelhinha pode indicar desde recém nascido se existe algum comprometimento da audição mas é possível desconfiar se o bebê não escuta bem. Veja algumas forma de testar a audição do bebê em casa.

  • Como tratar: Quando a pessoa apresenta diminuição da audição ou, em alguns casos de perda auditiva, podem ser colocados aparelhos nas orelhas para que possam ouvir melhor, mas em alguns casos pode ser recomendada uma cirurgia para melhorar a capacidade de ouvir. Além disso, sempre que surgir uma infecção de ouvido deve-se realizar o tratamento indicado pelo médico para curar a infecção rápido, evitando assim a perda da audição.

4. Maior risco de pneumonia

Devido a fragilidade do sistema imune é comum que a pessoa com Síndrome de Down tenha maior risco de ficar doente, sendo afetado especialmente por doenças respiratórias. Assim, qualquer gripe ou resfriado pode virar uma pneumonia 

  • Como tratar: A sua alimentação deve ser muito saudável, a criança deve tomar todas as vacinas nas idades recomendadas e deve ir regularmente ao pediatra para poder identificar qualquer problema de saúde o quanto antes para iniciar o tratamento adequado, e assim evitar maiores complicações. Em caso de gripe ou resfriado deve ficar atento se surge febre porque este pode ser o primeiro sinal de pneumonia no bebê. Faça o teste online e veja se realmente pode ser pneumonia ou se é apenas gripe ou resfriado.

5. Hipotireoidismo 

Quem tem síndrome de Down tem alto risco de ter hipotireoidismo, que ocorre quando a glândula tireoide não produz a quantidade de hormônios necessárias, ou nenhum hormônio. Essa alteração pode ser detectada durante a gestação, no nascimento mas também pode se desenvolver ao longo da vida.

  • Como tratar: É possível tomar remédios hormonais para suprir as necessidade do corpo mas é necessário fazer exames de sangue para medir o TSH, T3 e T4 a cada 6 meses para adequar a dose do medicamento. Saiba mais detalhes do tratamento do hipotireoidismo
10 Problemas de saúde comuns na Síndrome de Down

6. Problemas de visão

Mais de metade das pessoas com Síndrome de Down possui alguma alteração visual como miopia, estrabismo e catarata, sendo que esta última geralmente se desenvolve com a idade mais avançada. 

  • Como tratar: Pode ser necessário fazer exercícios para corrigir o estrabismo, usar óculos ou fazer cirurgia para tratar a catarata quando esta se manifestar

7. Apneia do sono 

A apneia obstrutiva do sono acontece quando o ar encontra dificuldade para passar pelas vias aéreas quando a pessoa está dormindo, isso faz com que a pessoa tenha episódios de ronco e pequenos momentos de parada da respiração ao dormir.

  • Como tratar: O médico pode indicar uma cirurgia para remover as amídalas e tonsilas para facilitar a passagem do ar ou indicar o uso de um pequeno aparelho para colocar na boca para dormir. Um outro equipamento é uma máscara chamada CPAP que joga ar novo no rosto da pessoa durante o sono e também pode ser uma alternativa, embora seja um pouco desconfortável inicialmente. Saiba os cuidados necessários e como tratar a apneia do sono no bebê

8. Alterações nos dentes

Os dentes geralmente demoram para aparecer e surgem desalinhados, mas além disso também pode haver uma doença periodontal devido a má higiene dos dentinhos.

  • Como tratar: Depois do nascimento, logo depois de cada mamada os pais devem limpar muito bem a boca do bebê usando uma gaze limpara para garantir que a boca esteja sempre limpa, o que ajuda na formação dos dentes de leite. O bebê deve ir ao dentista logo que surgir o primeiro dentinho e as consultadas regulares devem acontecer a cada 6 meses. Em alguns casos pode ser preciso colocar aparelho nos dentes para que fiquem alinhados e funcionais. 

9. Doença celíaca 

Como a criança com Síndrome de Down tem maiores chances de ter doença celíaca o pediatra pode solicitar que as papinhas sejam sem glúten, e em caso de suspeita, por volta de 1 ano de idade já pode ser feito um exame de sangue que pode ajudar no diagnóstico da doença celíaca.

  • Como tratar: A alimentação deve ser isenta de glúten e um nutricionista poderá indicar o que a criança pode comer, de acordo com sua idade e suas necessidades energéticas. 

10. Lesão na coluna 

As primeiras vértebras da coluna geralmente encontram-se deformadas e são instáveis, o que aumenta o risco de haver uma lesão na medula espinhal, que pode paralisar braços e pernas. Esse tipo de lesão pode acontecer ao segurar o bebê sem apoiar sua cabeça, ou durante a prática de esportes. O médico deverá pedir radiografia ou ressonância magnética para avaliar qual o risco da criança ter problemas na coluna cervical e informar os pais dos possíveis riscos.

  • Como tratar: Nos primeiros 5 meses de vida é preciso tomar cuidado para manter o pescoço do bebê em segurança, e sempre que pegar o bebê no colo apoiar sua cabeça com a mão, até que o bebê tenha força suficiente para segurar a cabeça firme. Mas mesmo depois disso acontecer, deve-se evitar as cambalhotas que podem provocar danos na coluna cervical dessa criança. À medida que a criança vai se desenvolvendo o risco de uma lesão na medula vai diminuindo, mas ainda assim é mais seguro evitar esportes de contato como artes marciais, futebol ou handebol, por exemplo. 

Já o adulto com Síndrome de Down pode desenvolver outras doenças como obesidade, colesterol alto e as relacionadas ao envelhecimento como as demências, sendo mais comum o Alzheimer.

Mas além disso, a pessoa pode ainda desenvolver qualquer outro problema de saúde que afete a população geral, como depressão, insônia ou diabetes, por isso a melhor forma de melhorar a qualidade de vida do portador dessa síndrome é tendo uma alimentação adequada, hábitos saudáveis e seguir todas as orientações médicas ao longo da vida, porque assim os problemas de saúde podem ser controlados ou solucionados, sempre que surgirem.

Mais sobre este assunto:
Carregando
...