Apendicite aguda: o que é, sintomas, causas e tratamento

agosto 2022

A apendicite aguda é a inflamação do apêndice cecal, que é uma pequena estrutura localizada no lado direito do abdômen e está ligada ao intestino grosso. Essa condição normalmente acontece devido à obstrução do órgão principalmente por fezes, resultando em sintomas como dor abdominal, febre baixa e náuseas, por exemplo.

Devido à obstrução, pode ainda haver a proliferação de bactérias, caracterizando também um quadro infeccioso que caso não seja tratado corretamente pode evoluir para uma sepse. Entenda o que é a sepse.

No caso de suspeita de apendicite, é importante ir ao hospital o mais rápido possível, pois pode haver a perfuração do apêndice, caracterizando a apendicite supurativa, que pode colocar o paciente em risco. Saiba mais sobre a apendicite.

Principais sintomas

Os principais sintomas de apendicite aguda são:

  • Dor abdominal do lado direito e ao redor no umbigo;
  • Distensão abdominal;
  • Náuseas e vômitos;
  • Cólica;
  • Febre baixa, até 38ºC, a não ser que haja perfuração do apêndice, havendo febre alta;
  • Perda do apetite.

Na presença de sinais e sintomas indicativos de apendicite aguda, é importante consultar o gastroenterologista ou clínico geral para que seja feito o diagnóstico e iniciado o tratamento mais adequado. Veja mais sobre os sintomas de apendicite.

Teste de sintomas

Selecione no teste a seguir seus sintomas e veja o risco de estar com apendicite:

  1. 1.Dor ou desconforto abdominal
  2. 2.Dor intensa no lado inferior direito da barriga
  3. 3.Náuseas ou vômitos
  4. 4.Perda de apetite
  5. 5.Febre baixa persistente (entre 37,5º e 38º)
  6. 6.Mal estar geral
  7. 7.Prisão de ventre ou diarreia
  8. 8.Barriga inchada ou excesso de gases

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da apendicite aguda é feito pelo gastroenterologista ou clínico geral, sendo realizado inicialmente a avaliação dos sinais e sintomas apresentados pela pessoa e exame físico. Além disso, o médico pode indicar a realização de exame laboratoriais, como o hemograma e o exame de urina.

Para confirmar a apendicite, o médico pode indicar a tomografia computadorizada e o ultrassom de abdômen para avaliar a estrutura do apêndice e identificar sinais inflamatórios.

Possíveis causas

A apendicite aguda é causada principalmente pela obstrução do apêndice por fezes muito secas. Mas também pode acontecer devido à presença de parasitas intestinais, cálculos biliares, aumento dos gânglios linfáticos da região e lesões traumáticas no abdômen, por exemplo. Além disso, a apendicite aguda pode acontecer devido ao fatores genéticos relacionados à posição do apêndice. Veja mais causas da apendicite.

Como é feito o tratamento

O tratamento para a apendicite aguda normalmente é feito por meio da remoção cirurgia do apêndice com o objetivo de evitar complicações e possíveis infecções. O tempo de internamento é de 1 a 2 dias, sendo o paciente liberado para a práticas de exercícios físicos e outras atividades do dia-a-dia após 3 meses da realização da cirurgia. Saiba como é feita a cirurgia para apendicite.

Muitas vezes também é indicado pelo médico o uso de anti-inflamatórios e de antibióticos antes e após a cirurgia.

Complicações da apendicite aguda

Caso a apendicite aguda não seja identificada rapidamente ou o tratamento não for feito da maneira correta, podem haver algumas complicações, como por exemplo:

  • Abscesso, que é o excesso de pus acumulado em torno do apêndice;​
  • Peritonite, que é a inflamação da cavidade do abdômen;
  • Hemorragia;
  • Obstrução intestinal;
  • Fístula em que ocorre uma ligação anormal entre um órgão abdominal e a superfície da pele;
  • Sepse, que é uma infecção grave de todo o organismo.

Estas complicações normalmente ocorrem quando o apêndice não é retirado a tempo e se rompe.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em agosto de 2022. Revisão médica por Dr. Arthur Frazão - Oftalmologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • BLEARS, E. E.; et al. Review of Operative vs. Non-Operative Management of Appendicitis in Pregnancy. Surgery Curr Res. 7. 2, 2017
  • GLASS, C. C.; RANGEL, S. J. Overview and diagnosis of acute appendicitis in children. Semin Pediatr Surg. 25. 4; 198-203, 2016
Mostrar bibliografia completa
  • MORIS, D.; et al. Diagnosis and Management of Acute Appendicitis in Adults: A Review. JAMA. 326. 22; 2299-2311, 2021
  • APTILON DUQUE, G.; MOHNEY, S. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Appendicitis in Pregnancy. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK551642/>. Acesso em 17 mai 2022
  • BHANGU, A.; et al. Acute appendicitis: modern understanding of pathogenesis, diagnosis, and management. Lancet. 386. 10000; 1278-128, 2015
  • SWENSON, D. W.; et al. Practical Imaging Strategies for Acute Appendicitis in Children. AJR Am J Roentgenol. 211. 4; 901-909, 2018
  • JONES, M. W.; LOPEZ, R. A.; DEPPEN, J. G. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Appendicitis. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK493193/>. Acesso em 17 mai 2022
  • NHS. Appendicitis. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/appendicitis/>. Acesso em 05 mar 2019
Revisão médica:
Dr. Arthur Frazão
Clínico geral
Médico generalista, especialista em Oftalmologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em 2008, com registro profissional no CRM/PE 16878