Cirurgia de apendicite: como é feita, riscos e recuperação

Revisão médica: Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
abril 2022

A cirurgia para apendicite, conhecida como apendicectomia, é indicada quando o apêndice está inflamado. Essa cirurgia é indicada assim que é confirmada a apendicite, o que é feito pelo médico através de avaliação física e ecografia ou tomografia abdominal.

Os sintomas que indicam a apendicite aguda são dor abdominal intensa, piora da dor quando se alimenta, enjoos, vômitos e febre, entretanto, é possível ocorrer uma apendicite com sintomas mais brandos, dando origem a uma doença mais arrastada, que é a apendicite crônica. Saiba como reconhecer os sintomas de apendicite.

A cirurgia para retirar o apêndice deve ser realizada nas primeiras 24 horas após o diagnóstico da doença, de forma a evitar complicações desta inflamação, como apendicite supurada ou infecção generalizada do abdômen, conhecida como peritonite.

Tipos de cirurgia

A cirurgia para apendicite costuma ser feita com anestesia geral e dura entre 30 a 60 minutos, podendo ser feita de 2 formas:

  • Cirurgia para apendicite por laparoscopia: o apêndice é removido através de 3 pequenos cortes de 1 cm, por meio dos quais são introduzidos uma pequena câmera e os instrumentos cirúrgicos. Neste tipo de cirurgia a recuperação é mais rápida e a cicatriz menor, podendo ser quase imperceptível;
  • Cirurgia para apendicite tradicional:é feito um corte com cerca de 5 cm no abdômen do lado direito, necessitando de uma maior manipulação da região, o que torna a recuperação mais lenta e deixando uma cicatriz mais visível. Normalmente é utilizada sempre que o apêndice se encontra muito dilatado ou rompeu.

O tempo de hospitalização depende do tipo de cirurgia e pode variar entre 1 a 3 dias, aproximadamente, podendo depois a pessoa ir para casa, onde deve seguir as orientações do médico para garantir uma boa recuperação.

Como é a recuperação

A recuperação após cirurgia para apendicite pode demorar de 1 semana até 1 mês no caso da apendicectomia tradicional, sendo mais rápida no caso da apendicectomia por laparoscopia. Durante os primeiros dias, é provável que a pessoa sinta alguma dor e note a presença de hematomas, no entanto costumam melhorar ao longo do tempo, podendo ser indicado pelo médico, em alguns casos, o uso de medicamentos analgésicos para aliviar a dor.

Durante este período, alguns cuidados importantes com a apendicectomia incluem:

  • Ficar em repouso relativo nos primeiros 7 dias, sendo recomendada pequenas caminhadas, mas evitando-se esforços e carregar peso;
  • Fazer o tratamento da ferida no posto de saúde a cada 2 dias, removendo os pontos 8 a 10 dias após a cirurgia;
  • Beber pelo menos 8 copos de água por dia, especialmente bebidas quentes como chá;
  • Comer alimentos grelhados ou cozidos, dando preferência para carne branca, peixe, legumes e fruta. Saiba como deve ser a alimentação no pós operatório da apendicite;
  • Pressionar a ferida quando for necessário tossir, durante os primeiros 7 dias;
  • Evitar exercícios nos primeiros 15 dias, tendo cuidado ao pegar em objetos pesados ou ao subir e descer escadas, por exemplo;
  • Dormir de barriga para cima nas primeiras 2 semanas;
  • Evitar dirigir durante as 3 primeiras semanas após a cirurgia e ter cuidado ao colocar o cinto de segurança sobre a cicatriz.

O pós-operatório pode variar de acordo com a técnica cirúrgica ou com possíveis complicações que possam existir, por isso, o cirurgião é o indicado para referir quando é possível retornar ao trabalho, a dirigir e à atividade física.

Possíveis riscos

As principais complicações da cirurgia para apendicite são a prisão de ventre e a infecção da ferida e, por isso, quando o paciente fica mais de 3 dias sem defecar ou apresenta sinais de infecção, como vermelhidão na ferida, saída de pus, dor constante ou febre acima de 38ºC deve informar o cirurgião para iniciar o tratamento adequado.

Os riscos da cirurgia para apendicite são raros, surgindo principalmente em caso de rompimento do apêndice.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em abril de 2022. Revisão médica por Dr.ª Clarisse Bezerra - Médica de Saúde Familiar, em outubro de 2019.
Revisão médica:
Dr.ª Clarisse Bezerra
Médica de Saúde Familiar
Formada em Medicina pelo Centro Universitário Christus e especialista em Saúde da Família pela Universidade Estácio de Sá. Registro CRM-CE nº 16976.