Alopécia areata: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
março 2022
  1. Sintomas
  2. Causas
  3. Tratamento

A alopécia areata é uma doença que causa queda rápida do cabelo e que, embora seja mais comum na cabeça, também pode afetar outras regiões do corpo que tenham pelos, como sobrancelhas, barba, pernas e braços. Em casos raros, pode acontecer de a alopécia areata causar queda de cabelos e pelos em todo o corpo, sendo chamada de alopécia areata universal.

A causa da alopecia areata ainda não é completamente conhecida, mas acredita-se que tenha origem autoimune, em que o sistema imunológico produz anticorpos que atacam as células saudáveis dos folículos pilosos.

A alopécia areata não tem cura e o seu tratamento depende da gravidade da queda capilar, mas normalmente é feito com injeções e pomadas que são aplicadas no couro cabeludo para estimular o crescimento de cabelo, sendo importante que o tratamento seja orientado pelo dermatologista.

Principais sintomas

O sintoma mais característico da alopécia areata é a queda de cabelo em formato circular, que pode acontecer em qualquer lugar do corpo, mas que tende a ser mais intensa na cabeça.

No local em que há perda de cabelo é normalmente verificada a formação de uma placa esbranquiçada única, redonda, lisa e de aspecto brilhante.

Apesar de se verificar ausência de cabelo no local afetado, os folículos pilosos não estão destruídos e, por isso, é possível que a situação seja revertida através do tratamento adequado. Além disso, é comum que quando o cabelo volta a crescer na região tenha cor branca, mas depois passa a ter a coloração normal.

Possíveis causas

As causas da alopécia areata são desconhecidas, porém acredita-se que seja uma situação multifatorial que pode estar relacionada com alguns fatores, como por exemplo:

  • Fatores genéticos;
  • Doenças autoimunes, como vitiligo e lúpus;
  • Estresse;
  • Ansiedade;
  • Alterações na tireoide.

É importante que a causa relacionada com a alopecia seja identificada, pois assim é possível iniciar o tratamento para solucionar a causa, o que pode aliviar os sintomas e favorecer o crescimento do pelo.

Como é feito o tratamento

A escolha do tratamento deve ser feita junto com o dermatologista de acordo com o grau de alopecia e causa relacionada, podendo ser recomendado o uso de:

  • Injeções de cortisona: são aplicadas uma vez por mês na área onde houve a queda de cabelo. Juntamente com as injeções, o paciente também pode usar cremes ou loções para aplicar na região afetada em casa;
  • Minoxidil tópico: loção líquida que deve ser aplicada 2x por dia na região com perda de cabelo, mas não é eficaz nos casos de perda total dos pelos;
  • Antralina: vendida na forma de creme ou pomada, deve ser aplicada na região afetada, podendo causar alterações na cor da pele. A concentração a ser comprada e o tempo de aplicação desse medicamento deve ser feito de acordo com orientação médica.

Casos mais graves e de perda de pelos em várias regiões do corpo podem ser tratados com o uso de medicamentos corticoides e imunossupressores, de acordo com a orientação do médico.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em março de 2022. Revisão médica por Dr. Gonzalo Ramirez - Clínico Geral e Psicólogo, em março de 2022.

Bibliografia

  • BISELLI, Larissa M.; ARRUDA, Lara F.; MAZZA, Maisa F. Alopecia areata difusa e a teoria dos autoantígenos associada a melanogênese. Surg Cosmet Dermatol. Vol 10. 3 ed; 272-275, 2018
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA. Alopécia areata. Disponível em: <https://www.sbd.org.br/dermatologia/cabelo/doencas-e-problemas/alopecia-areata/22/>. Acesso em 07 jul 2020
Mostrar bibliografia completa
  • CAVALCANTI, Carla P. Protocolos de tratamento da alopécia: uma revisão de literatura. Trabalho de Conclusão de Curso, 2015. Universidade Estadual da Paraíba.
Revisão médica:
Dr. Gonzalo Ramirez
Clínico Geral e Psicólogo
Clínico geral pela UPAEP com cédula profissional nº 12420918 e licenciado em Psicologia Clínica pela UDLAP nº 10101998.