Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Tratamento para o Mal de Parkinson

O tratamento para a doença de Parkinson, ou mal de Parkinson, inclui o uso de medicamentos, prescritos pelo neurologista ou geriatra, como Levodopa, Pramipexol e Seleginina, por exemplo, que ajudam a diminuir os sintomas pois aumentam a dopamina e outros neurotransmissores no cérebro, que ficam reduzidos nas pessoas com esta doença.

Em casos em que não há melhora com o uso destes medicamentos, também é possível realizar um procedimento cirúrgico, chamado estimulação cerebral profunda, que pode regredir alguns sintomas, e diminuir a dose necessária dos medicamentos. Além disso, a prática de fisioterapia, terapia ocupacional e atividade física também é importante para ajudar a melhorar a força e o equilíbrio, reforçando a autonomia.

Tratamento para o Mal de Parkinson

Remédios mais utilizados no tratamento

Após o diagnóstico da doença, o médico irá receitar o uso diário de medicamentos, acessíveis pelo SUS ou farmácias particulares, como:

AçãoExemplos do medicamento
LevodopaProlopa, Sinemet, Madopar
Anticolinérgicos

Akineton (Biperideno)

Gentin (Benzatropina)

Artrane (Triexifenidril)

Kemadrin (Prociclidina)

AmantadinaMantidan
Inibidores da Monoamino Oxidase BNiar, Deprilan (Seleginina)
Inibidores catecol-O-metil transferase 

Tasmar (Tolcapona)

Comtan (Entacapona)

Agonistas dopaminérgicos

Permax (Pergolida)

Parlodel (Bromocriptina)

Mirapex (Pramipexol)

Requip (Ropinirol)

Apokyl (Cloridrato de apomodorfina)

Geralmente, o tipo de medicamento mais utilizado é a Levodopa, no entanto, o médico irá decidir quais combinações indicar, dependendo do estado geral de saúde, do estágio da doença, hora do dia que os sintomas se intensificam e os efeitos colaterais dos medicamentos.

Além disto, para tratar outras condições como depressão, agitação e insônia, comuns nesta doença, o médico poderá prescrever outros tipos de medicamentos, como antidepressivos, antipsicóticos e ansiolíticos.

Já o canabidiol, que é um medicamento feito a partir da planta da maconha, Cannabis Sativa, atua no cérebro podendo tratar alguns casos de alucinações e alterações do sono na doença de Parkinson, além de ser útil para outras doenças psiquiátricas, não estando indicado para todos os casos da doença.

Fisioterapia e outras terapias

O tratamento fisioterapêutico pode ser iniciado logo que o diagnóstico seja confirmado, sendo uma boa forma de ajudar a estimular a movimentação e a qualidade de vida da pessoa, porque melhora a força, a coordenação e a amplitude dos movimentos, diminuindo o desequilíbrio natural da doença e prevenindo contraturas e quedas. As sessões podem ser diárias ou, pelo menos, 2 vezes na semana. Conheça alguns objetivos e tratamentos da fisioterapia contra o Mal de Parkinson.

Outras formas importantes de estimular a pessoa com Parkinson é a realização de fonoaudiologia, para melhorar a capacidade vocal, rouquidão e capacidade de deglutição, além de terapia ocupacional e atividade física, pois ajudam a estimular independência, a capacidade de realizar as atividades diárias e o auto-cuidado.

Um nutricionista poderá indicar como adequar a dieta, a fim de facilitar a alimentação e combater sintomas comuns como azia, prisão de ventre e falta de apetite. Assim, nos casos mais avançados, é recomendado optar por alimentos de fácil deglutição e que diminuem o risco de engasgo, como sopas espessas, batidas no liquidificador, vitaminas de frutas, purê e caldos, por exemplo, e a carne já deve estar cortada ou desfiada no prato para facilitar a mastigação.

Quando é recomendado fazer cirurgia

O procedimento cirúrgico para tratar o Parkinson é a estimulação cerebral profunda, realizada em casos nos quais não há melhora com o uso de medicamentos ou quando estes já não fazem mais efeito.

Esta técnica consiste em colocar um pequeno eletrodo na região do cérebro afetada pela doença, e ajuda a diminuir ou regredir alguns sintomas, melhorando a qualidade de vida da pessoa. Saiba mais sobre as indicações e como é feita a estimulação cerebral profunda

Tratamento para o Mal de Parkinson

Opção de tratamento natural para Parkinson

O tratamento natural não substitui a terapia com medicamentos, podendo ser usado como complemento para ajudar a aliviar alguns sintomas do paciente com Parkinson. 

Assim, é possível investir em alimentos ricos em vitamina E, consumindo óleos vegetais e frutas como abacate, além de vegetais e frutas, pois contêm propriedades antioxidantes neuroprotetoras. Já o chá das folhas de maracujá é uma boa forma de acalmar e relaxar a pessoa com Parkinson, nos momentos de ansiedade e agitação.

Já a acupuntura é uma forma de tratamento alternativo que pode ajudar a aliviar sintomas de dor no corpo, a rigidez e alguns sintomas relacionados a tristeza e depressão.

Receita de chá de maracujá

O chá de maracujá ou infusão é umas das opções que pode ser preparado com folhas secas, frescas ou trituradas da planta, e pode ser usado para o tratamento da insônia, dores musculares e dores de cabeça causadas por tensão.

  • Ingredientes: 1 colher de chá de folha secas ou trituradas de maracujá ou 2 colheres de chá de folhas frescas;
  • Modo de preparo: numa xícara de chá colocar as folhas secas, trituradas ou frescas do maracujá e adicionar 175 ml de água fervente. Tapar, deixar repousar durante 10 minutos e coar antes de beber.

Para o tratamento da insônia este chá deve ser bebido 1 vez vez por dia, à noite, e para aliviar as dores de cabeça ou agitação deve ser bebido até 3 vezes por dia.

Mais sobre este assunto:
Carregando
...