Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Remédios para COVID-19: aprovados e em estudo

Existem três medicamentos aprovados para o tratamento da COVID-19 no Brasil, o Remdesivir e dois coquetéis de anticorpos monoclonais: banlanivimabe com etesevimabe e casirivimabe com imdevimabe (Regn-CoV2). Estes medicamentos estão indicados apenas para uso hospitalar e para alguns pacientes.

No entanto, existem outros medicamentos, como os analgésicos e os antipiréticos, que também estão aprovados para aliviar os sintomas da COVID-19 e que são liberados para todos os casos.

De acordo com as orientações das autoridades de saúde, os casos mais leves de COVID-19, com sintomas semelhantes aos da gripe comum, podem ser tratados em casa com repouso, hidratação e uso de remédios para febre e analgésicos, sem precisar fazer uso de algum dos dois medicamentos aprovados para a COVID-19. Já os casos mais graves, com sintomas mais intensos e complicações como pneumonia, precisam ser tratados no hospital, e podem precisar de usar os novos medicamentos aprovados.

Veja mais detalhes sobre o tratamento para a COVID-19.

Remédios para COVID-19: aprovados e em estudo

Além dos medicamentos, algumas vacinas contra a COVID-19 também estão sendo estudadas, produzidas e distribuídas. Estas vacinas prometem evitar a infecção por COVID-19, mas também parecem diminuir a intensidade dos sintomas, quando a infecção acontece. Até ao momento, nenhum dos medicamentos aprovados para a COVID-19, seja o Remdesivir ou o Regn-CoV2, substituem a necessidade de fazer a vacinação.

Entenda melhor que vacinas contra a COVID-19 existem, como funcionam e possíveis efeitos colaterais.

Remédios aprovados para o coronavírus

Os remédios que se encontram aprovados para o tratamento do coronavírus, pela Anvisa e pelo Ministério da Saúde do Brasil, podem ser divididos em dois grupos. Os medicamentos que ajudam a eliminar o vírus do corpo e que estão aprovados para uso emergencial:

  • Remdesivir: é o primeiro antiviral aprovado contra o coronavírus e que é capaz de impedir a replicação do vírus. Este medicamento está aprovado apenas para ser usado em adultos internados com pneumonia que não estejam precisando de ventilador;
  • Regn-CoV2: popularmente conhecido como "coquetel de anticorpos", é constituído pelas substâncias Casirivimabe e Imdevimabe, que são anticorpos monoclonais que atuam impedindo a entrada do vírus nas células. Este coquetel só pode ser usado em hospitais e não é recomendado para pacientes graves;
  • Banlanivimabe e Etesevimabe: é outro coquetel de anticorpos clonais que ajuda o corpo a combater o coronavírus. Está indicado para os casos leves a moderados e só deve ser usado no hospital, não estando indicado para os casos graves que precisam de ventilação.

E os remédios que são usados para aliviar os sintomas, como:

  • Antipiréticos: para diminuir a temperatura e combater a febre;
  • Analgésicos: para aliviar as dores musculares por todo o corpo;
  • Antibióticos: para tratar possíveis infecções bacterianas que possam surgir junto com a COVID-19.

Embora estejam aprovados, qualquer um destes remédios só devem ser usado sob orientação de um médico.

É seguro usar o "Kit COVID"?

O "kit COVID" consiste de um conjunto de remédios que está sendo indicado por vários profissionais de saúde para o tratamento de pacientes infectados pelo novo coronavírus. Esse kit inclui medicamentos como cloroquina, ivermectina, nitazoxanida, azitromicina e, até, algumas vitaminas e minerais, como vitamina D, vitamina C e zinco, por exemplo.

Em boletim oficial, a Associação Médica Brasileira [43], recomenda que o uso deste tipo de kit's seja interrompido e que os profissionais não recomendem seu uso, pois não existem ainda resultados que comprovem a eficácia e segurança desses medicamentos. Além disso, a existência de um "kit COVID" pode também estimular a auto-medicação, o que caba trazendo graves problemas de saúde.

Até ao momento, existem apenas dois remédios específicos contra a COVID-19, o remdesivir e o Regn-CoV2, que estão aprovados pela ANVISA para o tratamento de algumas pessoas com infecção positiva pelo novo coronavírus. Saiba mais sobre o remdesivir e quando deve ser usado.

Remédios que estão sendo estudados

Além dos remédios aprovados, vários países estão desenvolvendo estudos em animais de laboratório e pacientes infectados, para tentar identificar outros medicamentos capazes de eliminar o vírus do organismo.

Os remédios que estão sendo estudados não devem ser usados sem orientação de um médico, nem como forma de prevenção da infecção, já que podem causar vários efeitos colaterais e colocar a vida em risco.

A seguir apresentamos uma lista dos principais medicamentos que têm sido para combater o novo coronavírus:

1. Ivermectina

A ivermectina é um vermífugo indicado para o tratamento da infestação por parasitas, que provocam problemas como oncocercose, elefantíase, pediculose (piolhos), ascaridíase (lombrigas), escabiose ou estrongiloidíase intestinal e que, recentemente mostrou resultados muito positivos na eliminação do novo coronavírus, in vitro.

Um estudo realizado na Austrália, testou a ivermectina no laboratório, em culturas de células in vitro, tendo-se verificado que esta substância foi capaz de eliminar o vírus SARS-CoV-2 em 48 horas [7]. Porém, são necessários ensaios clínicos em humanos, para verificar a sua eficácia in vivo, assim como a dose terapêutica e segurança do medicamento, o que se prevê que aconteça num período entre 6 a 9 meses.

Além disso, um outro estudo indicou que o uso de ivermectina por pacientes diagnosticados com COVID-19 representou diminuição do risco de complicações e progressão da doença, indicando que a ivermectina poderia melhorar o prognóstico da doença [33]. Ao mesmo tempo, um estudo realizado em Bangladesh indicou que o uso de ivermectina (12 mg) por 5 dias foi eficaz e seguro no tratamento da COVID-19 [34].

Em novembro de 2020 [35] foi divulgada em uma revista científica a hipótese de pesquisadores indianos de que a ivermectina seria capaz de interferir no transporte do vírus par ao núcleo das células, impedindo o desenvolvimento da infecção, no entanto esse efeito só seria possível com altas doses de ivermectina, o que poderia ser tóxico para o organismo humano.

Um outro estudo divulgado em dezembro de 2020 [36] também demonstrou que o uso de nanopartículas contendo ivermectina poderia diminuir a expressão dos receptores ACE2 das células, diminuindo a probabilidade do vírus se ligar a esses receptores e causar infecção. No entanto, esse estudo foi realizado apenas in vitro, não sendo possível afirmar que o resultado seria o mesmo in vivo. Além disso, como se trata de uma nova forma terapêutica são necessários estudos de toxicidade.

Em março de 2021 foi divulgado um estudo realizado na Colômbia [37] em que 200 pessoas positivas para COVID-19 usaram 300 μg/kg de Ivermectina e 200 pessoas, também positivas para a doença, fizeram uso de placebo por 5 dias. Após o período, ao comparar a evolução da doença nos dois grupos, foi verificado que o uso de Ivermectina não interferiu na melhora dos sintomas e nem no desenvolvimento da doença.

Apesar desses resultados, ainda são necessários mais estudos que demonstrem a atuação da ivermectina no tratamento da COVID-19, assim como o seu efeito na prevenção da infecção. Veja mais sobre o uso da ivermectina contra a COVID-19.

Atualização 2 de Julho 2020:

O Conselho Regional de Farmácia de São Paulo (CRF-SP) lançou uma nota técnica [20] em que afirma que o medicamento ivermectina mostra ação antiviral em alguns estudos in-vitro, mas que mais investigações são necessárias para considerar que a ivermectina pode ser usada de forma segura em humanos contra a COVID-19.

Dessa forma, orienta que a venda de ivermectina só deve ser feita com apresentação de prescrição médica e dentro das doses e tempos orientados pelo médico.

Atualização 10 de Julho 2020:

Segundo uma nota de esclarecimento liberada pela ANVISA [22], não existem estudos conclusivos que comprovem o uso da ivermectina para o tratamento da COVID-19, sendo que o uso do medicamento para tratar a infecção pelo novo coronavírus deve ser da responsabilidade do médico que está orientando o tratamento.

Além disso, os primeiros resultados liberados por um estudo feito pelo Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP [23], mostram que a ivermectina, embora seja capaz de eliminar o vírus de células infectadas em laboratório, também provoca a morte dessas células, o que pode indicar que esse remédio pode não ser a melhor solução de tratamento.

Atualização 09 de Dezembro 2020:

Em um documento divulgado pela Sociedade Brasileira de infectologia (SBI) [37] foi indicado que não há recomendação de tratamento farmacológico precoce e/ou profilático para COVID-19 com qualquer medicamento, incluindo a ivermectina, uma vez que os estudos clínicos randomizados realizados até o momento não indicam benefícios e, dependendo da dose, utilizada, pode estar associado com efeitos colaterais que podem ter consequências para o estado geral de saúde da pessoa.

Atualização 04 de Fevereiro 2021:

A Merck, que é a farmacêutica responsável pela produção do medicamento Ivermectina, indicou que nos estudos desenvolvidos não identificou qualquer evidência científica que indique potencial terapêutico contra a COVID-19, assim como também não identificou efeito em pacientes já diagnosticados com a doença.

Atualização 31 de Março 2021:

Devido aos resultados inconclusivos de vários estudos, a OMS aconselha que o uso de ivermectina no tratamento da COVID-19 seja apenas realizado em ensaios clínicos [47]. Quanto ao uso de ivermectina para prevenção da infecção, a OMS não fez qualquer referência.

2. Hidroxicloroquina e cloroquina

A hidroxicloroquina, assim como a cloroquina, são duas substâncias que são utilizadas no tratamento de pacientes com malária, lúpus e alguns outros problemas de saúde específicos, mas que ainda não são considerados seguros em todos os casos de COVID-19.

Estudo realizados na França [4] e na China [5], mostraram efeitos promissores da cloroquina e hidroxicloroquina na redução da carga viral e na diminuição do transporte do vírus para o interior das células, reduzindo a capacidade do vírus para se multiplicar, proporcionando, por isso, uma recuperação mais rápida. Porém, estes estudos foram realizados em amostras pequenas e nem todos os testes foram positivos.

Para já, segundo o Ministério da Saúde do Brasil, a cloroquina apenas pode ser utilizada em pessoas internadas no hospital, durante 5 dias, sob observação permanente, para avaliar o surgimento de possíveis efeitos colaterais graves, como problemas cardíacos ou alterações na visão.

Atualização 4 de Abril de 2020:

Um dos estudos que estão a decorrer, com o uso combinado de hidroxicloroquina com o antibiótico azitromicina [9], em França, apresentou resultados promissores, num grupo de 80 pacientes, com sintomas moderados da COVID-19. Neste grupo, foi identificada uma diminuição acentuada da carga viral do novo coronavírus no organismo, após cerca de 8 dias de tratamento, que é inferior à média de 3 semanas apresentada por pessoas que não fizeram qualquer tipo de tratamento específico.

Nesta investigação, dos 80 pacientes estudados, apenas 1 pessoa acabou por falecer, pois teria sido admitida no hospital numa fase bastante avançada da infecção, o que poderá ter dificultado o tratamento.

Estes resultados continuam a apoiar a teoria de que o uso de hidroxicloroquina pode ser uma forma segura de tratar a infecção por COVID-19, especialmente nos casos de sintomas leves a moderados, além de diminuir o risco de transmissão da doença. Ainda assim, é necessário esperar pelo resultado de outros estudos que estão a ser realizados com o medicamento, para obter resultados com uma amostra de população maior.

Atualização 23 de Abril de 2020:

O Conselho Federal de Medicina do Brasil aprovou o uso da Hidroxicloroquina em associação com a Azitromicina a critério do médico, em pacientes com sintomas leves ou moderados, mas que não necessitem de internamento na UTI, em que foram descartadas outras infecções virais, como Influenza ou H1N1, e confirmado o diagnóstico de COVID-19 [12].

Assim, devido à falta de resultados científicos robustos, esta combinação de medicamentos só deve ser utilizada com o consentimento do paciente e com recomendação do médico, após avaliação dos possíveis riscos.

Atualização 22 de Maio de 2020:

De acordo com um estudo feito nos Estados Unidos com 811 pacientes [13], o uso de Cloroquina e Hidroxicloroquina, associadas, ou não, à azitromicina, não parece ter efeitos benéficos no tratamento da COVID-19, parecendo, até, duplicar a taxa de mortalidade dos pacientes, uma vez que estes medicamentos aumentam o risco de problemas cardíacos, especialmente arritmia e fibrilhação atrial.

Até o momento, este é o maior estudo feito com hidroxicloroquina e cloroquina. Uma vez que os resultados apresentados vão contra o que tem vindo a ser afirmado sobre estes medicamentos, mais estudos continuam sendo necessários.

Atualização 25 de Maio de 2020:

A Organização Mundial da Saúde (OMS) suspendeu temporariamente as pesquisas com hidroxicloroquina que coordenava em vários países. A suspensão deverá ser mantida até que a segurança do medicamento seja reavaliada.

Atualização 30 de Maio de 2020:

Estado de Espírito Santo, no Brasil, retirou a indicação do uso de cloroquina nos pacientes com COVID-19 em estado grave.

Além disso, procuradores do Ministério Público Federal de São Paulo, Rio de Janeiro, Sergipe e Pernambuco pedem suspensão da normativa que indica o uso da hidroxicloroquina e cloroquina no tratamento dos pacientes com COVID-19.

Atualização 4 de Junho de 2020:

A revista "The Lancet" retirou a publicação do estudo feito com 811 pacientes que demonstrava que o uso de hidroxicloroquina e cloroquina não apresentavam efeitos benéficos para o tratamento da COVID-19, por dificuldade em aceder ao dados primários apresentados no estudo.

Atualização 15 de Junho de 2020:

A FDA, que é o principal órgão regulador de medicamentos dos Estados Unidos, retirou a permissão de emergência para o uso de cloroquina e hidroxicloroquina no tratamento da COVID-19 [17], dando como justificação o elevado nível de risco do medicamento e os aparentes baixos potenciais para o tratamento do novo coronavírus.

Atualização 17 de Julho de 2020:

A Sociedade Brasileira de Infectologia [25] recomenda que o uso de hidroxicloroquina no tratamento da COVID-19 seja abandonado, em qualquer fase da infecção.

Atualização 23 de Julho de 2020:

De acordo com um estudo brasileiro [27], feito em conjunto entre os Hospitais Albert Einstein, HCor, Sírio-Libanês, Moinhos de Vento, Oswaldo Cruz e Beneficência Portuguesa, o uso de hidroxicloroquina, associado ou não à azitromicina, não parece ter qualquer efeito no tratamento de pacientes leves a moderados infectados com o novo coronavírus.

3. Dexametasona

A dexametasona é um tipo de corticoide muito utilizado em pacientes com problemas respiratórios crônicos, como a asma, mas que também pode ser usado em outros problemas inflamatórios, como artrite ou inflamação da pele. Este medicamento tem sido testado como forma de reduzir os sintomas da COVID-19, já que pode ajudar a diminuir a inflamação no organismo.

De acordo com um estudo sendo feito no Reino Unido [18], a dexametasona parece ser o primeiro medicamento testado a reduzir bastante a taxa de mortalidade de pacientes em estado grave com a COVID-19. Segundo os resultados do estudo, a dexametasona conseguiu diminuir em até ⅓, a taxa de mortalidade após 28 dias da infecção pelo novo coronavírus, especialmente em pessoas que estão precisando ser assistidas com ventilador ou a fazer administração de oxigênio.

É importante lembrar que a dexametasona não elimina o coronavírus do corpo, ajudando apenas a aliviar os sintomas e evitar complicações mais graves.

Atualização 19 de Junho 2020:

A Sociedade Brasileira de Infectologia recomendou o uso de dexametasona por 10 dias para o tratamento de todos os pacientes com COVID-19 internados na UTI com ventilação mecânica ou que precisam de receber oxigênio. No entanto, o corticoide não deve ser usado em casos leves nem como forma de prevenção da infecção [19].

Atualização Julho 2020:

A dexametasona foi incluída no protocolo de tratamento para doentes graves infectados com COVID-19 que estão precisando de suporte de oxigênio [48].

Atualização 17 de Julho 2020:

Segundo uma investigação científica feita no Reino Unido [24], o tratamento feito com dexametasona por 10 dias seguidos parece diminuir a taxa de mortalidade em pacientes com infecção muito grave pelo novo coronavírus, que necessitam de ventilador. Nestes casos, a taxa de mortalidade parece diminuir de 41,4% para 29,3%. Nos outros pacientes, o efeito do tratamento com dexametasona não apresentou resultados tão marcados.

Atualização 02 de Setembro 2020:

Uma meta-análise realizada com base em 7 ensaios clínicos [29] concluiu que o uso de dexametasona e outros corticoides pode, de fato, reduzir a mortalidade em pacientes críticos infectados por COVID-19.

Atualização 18 de Setembro 2020:

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) [30] aprovou o uso de dexametasona no tratamento de adolescentes e adultos infectados com o novo coronavírus, que estejam precisando de suporte de oxigênio ou ventilação mecânica.

4. Avifavir/ Favipiravir

O Avifavir é um medicamento produzido na Rússia que tem como princípio ativo a substância favipiravir, que segundo o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) [21] é capaz de tratar a infecção por coronavírus, tendo sido incluído nos protocolos de tratamento e prevenção da COVID-19 na Rússia.

Esta substância foi produzida originalmente para o combate ao vírus Influenza, estando aprovada no Japão para o tratamento de casos de gripe resistente. Este medicamento atua inibindo a RNA polimerase, uma enzima importante para a multiplicação de vírus RNA, como é o caso do coronavírus.

Atualização 22 de Junho de 2021:

A ANVISA negou a autorização para uso emergencial do Avifavir (Favipiravir) para o tratamento de pacientes internados com COVID-19 [45].

5. Plitidepsina

A plitidepsina é um medicamento antitumoral produzido por um laboratório espanhol que está indicado para o tratamento de alguns casos de mieloma múltiplo, mas que também tem demonstrando forte efeito anti-viral contra o novo coronavírus.

De acordo com um estudo feito nos Estados Unidos [39], a plitidepsina foi capaz de reduzir em até 99% a carga viral do coronavírus em pulmões de ratos de laboratório infectados com COVID-19. Os investigadores justificam o sucesso do medicamento na sua capacidade de bloquear uma proteína presente nas células que é essencial para que o vírus se multiplique e se espalhe pelo corpo.

Estes resultados, juntamente com o fato de o medicamento já estar sendo usado em humanos para o tratamento do mieloma múltiplo, sugerem que o remédio é potencialmente seguro para ser testado em pacientes humanos infectados com a COVID-19. É, por isso, necessário esperar o resultado desses testes clínicos para entender qual a dosagem e a possível toxicidade do medicamento.

6. Clofazimina

A clofazimina é um medicamento antibacteriano utilizado para o tratamento da lepra que tem demonstrado possuir atividade contra o novo coronavírus, podendo ser um possível futuro tratamento para a COVID-19 grave em pessoas não hospitalizadas.

Um estudo realizado nos Estados Unidos por cientistas da Sanford Burnham Prebys Medical Discovery Institute e da Universidade de Hong Kong [42], mostrou que a clofazimina, em pesquisas laboratoriais com células, realizadas in vitro, tem um potente efeito antiviral contra o SARS-CoV-2, impedindo a replicação do vírus.

Ainda nesse estudo, os pesquisadores testaram a clofazimina em hamsters saudáveis e infectados com o novo coronavírus, comparando a resposta ao tratamento com esse medicamento nesses dois grupos. Os resultados dessa pesquisa mostraram que a clofazimina diminuiu a resposta inflamatória exagerada que está associada à gravidade da COVID-19, reduziu a quantidade de vírus nos pulmões e os danos pulmonares, mesmo quando administrada em animais sem o vírus, mostrando que também pode ter efeito profilático.

No entanto, este medicamento ainda precisa passar por vários estudos com humanos, para entender qual a sua real eficácia, segurança e dose de tratamento e/ou profilaxia.

Remédios para COVID-19: aprovados e em estudo

7. Molnupiravir

O molnupiravir é um remédio experimental que está sendo desenvolvido pelos laboratórios Merck e que tem como objetivo impedir a replicação do novo coronavírus no corpo, o que deverá facilitar a eliminação do vírus, acelerando a cura em pacientes infectados.

De acordo com um estudo de 2ª fase feito pelo laboratório [40], o molnupiravir demonstrou ser capaz de diminuir o tempo desde que a pessoa é infectada até que volta a ter um resultado negativo no teste de COVID-19, apoiando a ideia de que pode acelerar a cura da infecção. No entanto, ainda são necessários mais estudos para assegurar a eficácia e a segurança do medicamento, de forma a que seja aprovado para o tratamento da COVID-19.

8. Colchicina

De acordo com um estudo realizado no Canada [38], a colchicina, um medicamento muito utilizado no tratamento de problemas reumatológicos, como a gota, pode ajudar no tratamento de pacientes com COVID-19.

Segundo os investigadores, o grupo de pacientes tratados com este medicamento desde o diagnóstico da infecção, quando comparados com o grupo que fez uso de um placebo, apresentaram uma diminuição acentuada no risco de desenvolver a forma grave da infecção. Além disso, também foi relatada uma redução das taxas de internamento e mortalidade.

9. Mefloquina

A mefloquina é um medicamento indicado para a prevenção e tratamento da malária, em pessoas que pretendem viajar para áreas endêmicas. Fundamentando-se em estudos que foram feitos na China e em Itália[6], está a ser estudado na Rússia, um esquema terapêutico em que a mefloquina é combinada com outros medicamentos, para verificar a sua eficácia no controle da doença COVID-19, mas ainda não existem resultados conclusivos.

Assim, o uso da mefloquina para o tratamento da infecção pelo novo coronavírus ainda não é recomendado porque são necessários mais estudos para comprovar a sua eficácia e segurança.

10. Tocilizumabe

O tocilizumabe é um medicamento que diminui a ação do sistema imune e que, por isso, é normalmente utilizado no tratamento de pacientes com artrite reumatoide, para diminuir a resposta imune exacerbada, reduzindo a inflamação e aliviando os sintomas.

Este medicamento está sendo estudado para auxiliar no tratamento da COVID-19, principalmente nas fases mais avançadas da infecção, quando existe um grande número de substâncias inflamatórias sendo produzidas pelo sistema imunológico, que podem agravar o quadro clínico.

Segundo um estudo feito na China [10] em 15 pacientes infectados com COVID-19, o uso de tocilizumabe demonstrou ser mais eficaz e causar menos efeitos colaterais, comparativamente aos corticoides, que são os medicamentos geralmente utilizados no controle da inflamação gerada pela resposta imune.

Ainda assim, mais estudos precisam ser realizados, para entender qual a melhor dose, determinar o esquema de tratamento e descobrir quais os possíveis efeitos colaterais.

Atualização 29 de Abril de 2020:

De acordo com um novo estudo feito na China com 21 pacientes infectados com COVID-19[14], o tratamento com tocilizumabe parece ser capaz de reduzir os sintomas da infecção logo após a administração do medicamento, diminuindo a febre, aliviando a sensação de aperto no peito e melhorando os níveis de oxigênio.

Este estudo foi feito em pacientes com sintomas graves da infecção e sugere que o tratamento com tocilizumabe deve ser iniciado o mais rápido possível quando o paciente passa de uma situação moderada para uma situação grave de infecção pelo novo coronavírus.

Atualização 11 de Julho de 2020:

Uma nova investigação feita pela Universidade de Michigan nos Estados Unidos [28], concluiu que o uso de tocilizumabe em pacientes com COVID-19 parece reduzir a taxa de mortalidade em pacientes sendo ventilados, embora tenha aumentado o risco de aparecimento de outras infecções.

Atualização 25 de Junho de 2021:

Os Estados Unidos aprovaram [46] o uso do emergencial do tocilizumabe (Actemra) para COVID-19 em pacientes que estejam em tratamento com corticoesteroides sistêmicos e necessitam de suporte de oxigênio. A autorização foi feita baseada em quatro estudos randomizados realizados com mais de 5500 pacientes hospitalizados, em que pôde ser observada diminuição do risco de morte e maior rapidez na recuperação.

11. Plasma convalescente

O plasma convalescente é um tipo de tratamento biológico em que é retirado, de pessoas que já estiveram infectadas pelo coronavírus e que estão recuperadas, uma amostra de sangue que, depois, passa por alguns processos de centrifugação para separar o plasma dos glóbulos vermelhos. Por fim, esse plasma é injetado na pessoa doente, para ajudar o sistema imunológico a combater o vírus.

A teoria por trás deste tipo de tratamento é de que os anticorpos que foram produzidos pelo corpo da pessoa que esteve infectada, e que ficaram no plasma, podem ser transferidos para o sangue de outra pessoa que ainda está com a doença, ajudando a fortalecer a imunidade e facilitando a eliminação do vírus.

Segundo a Nota Técnica nº 21 liberada pela Anvisa, no Brasil, o plasma convalescente pode ser utilizado como tratamento experimental em pacientes infectados com o novo coronavírus, desde que sejam seguidas todas as regras de Vigilância Sanitária. Além disso, todos os casos que fizerem uso do plasma convalescente para o tratamento da COVID-19 devem ser reportados para a Coordenação-Geral de Sangue e Hemoderivados do Ministério da Saúde.

12. Baricitinib

A FDA autorizou o uso emergencial do medicamento Baricitinib no tratamento de infecções graves por COVID-19 [32], em combinação com o remédio Remdesivir. O Baricitinib é uma substância que reduz a resposta do sistema imune, diminuindo a ação das enzimas que promovem a inflamação e já era utilizado anteriormente em casos de artrite reumatoide.

De acordo com a FDA, esta combinação pode ser utilizada em pacientes adultos e crianças com mais de 2 anos, internados e a necessitar de tratamento com oxigênio ou ventilação mecânica.

13. EXO-CD24

O EXO-CD24 é um medicamento indicado no tratamento contra o câncer de ovário e que foi capaz de curar 29 de 30 pacientes com COVID-19. No entanto, ainda estão sendo realizados mais estudos, com um número maior de pessoas, com o objetivo de verificar se este medicamento teria eficácia no tratamento da doença e a dose considerada segura para o uso.

Opções de remédios naturais para o coronavírus

Até o momento não existem remédios naturais comprovados para eliminar o coronavírus e ajudar na cura da COVID-19, no entanto, a OMS reconhece que a planta Artemisia annua poderá ajudar no tratamento [11], especialmente em locais em que o acesso a medicamentos é mais difícil e a planta é utilizada na medicina tradicional, como acontece em várias regiões da África.

As folhas da planta Artemisia annua são utilizadas tradicionalmente em África para ajudar no tratamento da malária e, por isso, a OMS reconhece que é válida a necessidade de se fazerem estudos para entender se a planta também poderá ser usada no tratamento da COVID-19, uma vez que alguns medicamentos sintéticos contra a malária também têm apresentado resultados promissores.

Ainda assim, é importante lembrar que o uso da planta não foi confirmado contra a COVID-19 e que mais investigações são necessárias.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • HORBY, Peter et al.. Dexamethasone in Hospitalized Patients with Covid-19 — Preliminary Report. The New England Journal of Medicine. 2020
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFECTOLOGIA. Informe nº16 da Sociedade Brasileira de Infectologia sobre: atualização sobre hidroxicloroquina no tratamento precoce da COVID-19. 2020. Disponível em: <https://www.infectologia.org.br/admin/zcloud/principal/2020/07/SBI_Informe_16_HCQ_precoce.pdf>. Acesso em 21 Jul 2020
  • NICHOLS, Brooke E. et al.. The role of remdesivir in South Africa: preventing COVID-19 deaths through increasing ICU capacity. Oxford University Press. 2020
  • D'ALESSANDRO, Sara. The Use of Antimalarial Drugs against Viral Infection. Microorganisms 2020. Vol.86. 8.ed; 2020
  • GILEAD SCIENCES. Gilead Announces Results From Phase 3 Trial of Investigational Antiviral Remdesivir in Patients With Severe COVID-19. Disponível em: <https://www.gilead.com/news-and-press/press-room/press-releases/2020/4/gilead-announces-results-from-phase-3-trial-of-investigational-antiviral-remdesivir-in-patients-with-severe-covid-19>. Acesso em 30 Abr 2020
  • GAUTRET, Philippe et al.. Clinical and microbiological effect of a combination of hydroxychloroquine and azithromycin in 80 COVID-19 patients with at least a six-day follow up: A pilot observational study. Travel Medicine and Infectious Disease. 2020
  • LUO, Pan et al.. Tocilizumab treatment in COVID‐19: A single centerexperience. Journal of Medical Virology. 1-5, 2020
  • OMS ÁFRICA. OMS apoia medicina tradicional comprovada cientificamente. Disponível em: <https://www.afro.who.int/pt/news/oms-apoia-medicina-tradicional-comprovada-cientificamente>. Acesso em 07 Mai 2020
  • CRM-MA. Proposta de tratamento precoce para COVID-19. 2020. Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/1X66r4mJYf1qoYQdgIxjNpW00Cp4sB6Un/view?usp=sharing>. Acesso em 13 Mai 2020
  • MEHRA, Mandeep R. et al.. Hydroxychloroquine or chloroquine with or without a macrolide for treatment of COVID-19: a multinational registry analysis. The Lancet. 2020
  • XU, Xiaoling et al.. Effective Treatment of Severe COVID-19 Patients With Tocilizumab. PNAS. Vol.117, n.20. 10970-10975, 2020
  • WANG, Yeming et al.. Remdesivir in adults with severe COVID-19: a randomised, double-blind, placebo-controlled, multicentre trial. The Lancet. Vol.395. 1569-1578, 2020
  • LIU, Jia et. al.. Hydroxychloroquine, a less toxic derivative of chloroquine, is effective in inhibiting SARS-CoV-2 infection in vitro. Cell Discov 6. Vol.16. 2020
  • GAUTRET, Philippe et. al.. Hydroxychloroquine and azithromycin as a treatment of COVID-19: results of an openlabel non-randomized clinical trial . International Journal of Antimicrobial Agents. 2020
  • WANG, Manli et al.. Remdesivir and chloroquine effectively inhibit the recently emerged novel coronavirus (2019-nCoV) in vitro. Nature Communications. 269-271, 2020
  • SHEAHAN, Timothy P. et al.. Comparative therapeutic efficacy of remdesivir and combination lopinavir, ritonavir, and interferon beta against MERS-CoV. Nature Communications. n.222. 2020
  • SHEANAH Timothy P. et al. Broad-spectrum antiviral GS-5734 inhibits both epidemic and zoonotic coronaviruses. Science Translational Medicine. Vol.9, n.396. 2017
  • CDC. Information for Clinicians on Therapeutic Options for COVID-19 Patients. Disponível em: <https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/hcp/therapeutic-options.html>. Acesso em 24 Mar 2020
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Protocolo de Manejo Clínico para o Novo Coronavírus (2019-nCoV). 2020. Disponível em: <https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2020/fevereiro/11/protocolo-manejo-coronavirus.pdf>. Acesso em 24 Mar 2020
  • ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA. Associação Médica Brasileira diz que uso de cloroquina e outros remédios sem eficácia contra Covid-19 deve ser banido. Disponível em: <https://amb.org.br/noticias/associacao-medica-brasileira-diz-que-uso-de-cloroquina-e-outros-remedios-sem-eficacia-contra-covid-19-deve-ser-banido/>. Acesso em 29 Mar 2021
  • ANVISA. Perguntas e respostas: medicamentos para o combate à COVID-19. 2020. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/4340788/Perguntas+e+respostas_COVID+19+Ascom.pdf/f2819214-f3f1-45db-9a42-de858593d098>. Acesso em 23 Mar 2020
  • LABORATÓRIO FARMACÊUTICO DA MARINHA. LFM-MEFLOQUINA (CLORIDRATO DE MEFLOQUINA) . 2015. Disponível em: <https://cdn.remediobarato.com/pdf/28976b7149b3d548e3fafd2c9f742360.pdf>. Acesso em 30 Mar 2020
  • FDA. Letter of Authorization: EUA for baricitinib (Olumiant), in combination with remdesivir (Veklury), for the treatment of suspected or laboratory confirmed coronavirus disease 2019 (COVID-19). 2020. Disponível em: <https://www.fda.gov/media/143822/download>. Acesso em 21 Dez 2020
  • AHMED, Sabeena; KARIM, Mohammad M.; ROSS, Allen G.; HOSSAIN, Mohammad S. et al. A five day course of ivermectin for the treatment of COVID-19 may reduce the duration of illness. International Journal of Infectious Diseases. 2020
  • GOMEZ-HERNANDEZ, Maria Teresa; NOVOA, Nuria M.; ANTUNEZ, Patricia; JIMENEZ, Marcelo F. et al. Ivermectin Treatment May Improve the Prognosis of Patients With COVID-19. Cartas Científicas / Arch Bronconeumol. Vol 56. 12 ed; 816-830, 2020
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFECTOLOGIA. Atualizações e recomendações sobre a Covid-19. 2020. Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/17wfxUCfUzhY4fWb1xiX2VsTi3noQsOfc/view>. Acesso em 20 Jan 2021
  • MITTAL, Niti; MITTAL, Rakesh. Inhaled route and anti-inflammatory action of ivermectin: Do they hold promise in fighting against COVID-19? . Medical Hypotheses. 2020
  • SURNAR, Bapurao; KAMRAN, Mohammad Z.; SHAH, Anuj S. Clinically Approved Antiviral Drug in an Orally Administrable Nanoparticle for COVID-19. ACS Pharmacol. Transl. Sci. 3 ed; 1371-1380, 2020
  • MONTREAL HEART INSTITUTE. Colchicine reduces the risk of COVID-19-related complications. 2021. Disponível em: <https://app.cyberimpact.com/newsletter-view-online?ct=guhsMu_jogsWK5zuKuZWMiFdWXxrNhn6Nkcjb1fm-HUAuS81ZbwD0N6bKX9bJ23ALFDAfrG83CWBnSzT41zxRA~~>. Acesso em 25 Jan 2021
  • WHITE, Kris M. et al.. Plitidepsin has potent preclinical efficacy against SARS-CoV-2 by targeting the host protein eEF1A. Science. 2021
  • LÓPEZ-MEDINA, Eduardo; LÓPEZ, Pio; HURTADO, Isabel C. Effect of Ivermectin on Time to Resolution of Symptoms Among Adults With Mild COVID-19 A Randomized Clinical Trial. JAMA. 2021
  • MERCK. Ridgeback Biotherapeutics and Merck Announce Preliminary Findings from a Phase 2a Trial of Investigational COVID-19 Therapeutic Molnupiravir. 2021. Disponível em: <https://www.merck.com/news/ridgeback-biotherapeutics-and-merck-announce-preliminary-findings-from-a-phase-2a-trial-of-investigational-covid-19-therapeutic-molnupiravir/>. Acesso em 08 Mar 2021
  • ANVISA. Anvisa aprova registro da vacina da Fiocruz/AstraZeneca e de medicamento contra o coronavírus. Disponível em: <https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2021/anvisa-aprova-registro-da-vacina-da-fiocruz-astrazeneca-e-de-medicamento-contra-o-coronavirus>. Acesso em 12 Mar 2021
  • YUAN, Shuofeng; et al. Clofazimine broadly inhibits coronaviruses including SARS-CoV-2. Nature. 1-27, 2021
  • BEIGEL, John H. et al.. Remdesivir for the Treatment of Covid-19 - Preliminary Report. New England Journal of Medicine. 2020
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. NOTA TÉCNICA Nº 21/2020-CGSH/DAET/SAES/MS. 2020. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/4340788/Nota+Conjunta+MS+Anvisa+Orientacoes+Plasma+convalescente+COVID+19.pdf/aed6438d-8e44-4611-add9-82be10652b2f>. Acesso em 16 Jun 2020
  • FDA. Coronavirus (COVID-19) Update: FDA Revokes Emergency Use Authorization for Chloroquine and Hydroxychloroquine. Disponível em: <https://www.fda.gov/news-events/press-announcements/coronavirus-covid-19-update-fda-revokes-emergency-use-authorization-chloroquine-and>. Acesso em 16 Jun 2020
  • NATURE. Coronavirus breakthrough: dexamethasone is first drug shown to save lives. 2020. Disponível em: <https://www.nature.com/articles/d41586-020-01824-5>. Acesso em 17 Jun 2020
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFECTOLOGIA. Informe da Sociedade Brasileira de Infectologia sobre o novo coronavírus nº14: dexametasona no tratamento da COVID-19. 2020. Disponível em: <https://www.infectologia.org.br/admin/zcloud/137/2020/06/f590ba9af0faf1a1490ef0b5f945b9c136dceba586b6fa18b86852927fe72b54.pdf>. Acesso em 23 Jun 2020
  • RUSSIAN DIRECT INVESTIMENT FUND. RDIF and ChemRar announce the Russian Ministry of Health has included Avifavir in the list of nationally recommended drugs for treatment of COVID-19. Disponível em: <https://rdif.ru/Eng_fullNews/5224/>. Acesso em 14 Jul 2020
  • ANVISA. Covid-19: negada autorização de uso emergencial do Avifavir. Disponível em: <https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2021/covid-19-negada-autorizacao-de-uso-emergencial-do-avifavir>. Acesso em 23 Jun 2021
  • REUTERS. U.S. approves Roche drug for emergency use against severe COVID-19. Disponível em: <https://www.reuters.com/business/healthcare-pharmaceuticals/us-fda-authorizes-drug-treat-hospitalized-covid-19-patients-2021-06-24/>. Acesso em 25 Jun 2021
  • CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA SP. Banlanivimabe e etesevimabe. Disponível em: <http://www.crfsp.org.br/noticias/11736-banlanivimabe-e-etesevimabe.html>. Acesso em 12 Jul 2021
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE BRASIL. Dexametasona para tratamento de pacientes infectados pelo SARS-CoV-2. 2020. Disponível em: <http://antigo.saude.gov.br/images/pdf/2020/September/03/NotaTecnica-Dexametasona-Covid19-Agosto2020.pdf>. Acesso em 31 Jul 2020
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Nota de esclarecimento sobre a ivermectina. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/nota-de-esclarecimento-sobre-a-ivermectina/219201?p_p_auth=vs02UMOx&inheritRedirect=false&redirect=http://portal.anvisa.gov.br/noticias?p_p_auth=vs02UMOx&p_p_id=101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU&p_p_lifecycle=0&p_p_state=normal&p_p_mode=view&p_p_col_id=_118_INSTANCE_KzfwbqagUNdE__column-2&p_p_col_count=2>. Acesso em 16 Jul 2020
  • CAVALCANTI, Alexandre B. et al.. Hydroxychloroquine with or without Azithromycin in Mild-to-Moderate Covid-19. The New England Journal of Medicine. 2020
  • SOMERS, Emily C.. Tocilizumab for treatment of mechanically ventilated patients with COVID-19. Clinical Infectious Diseases. 2020
  • Association Between Administration of Systemic Corticosteroids and Mortality Among Critically Ill Patients With COVID-19: a meta-analysis. Journal of the American Medical Association. 2020
  • EMA. EMA endorses use of dexamethasone in COVID-19 patients on oxygen or mechanical ventilation. Disponível em: <https://www.ema.europa.eu/en/news/ema-endorses-use-dexamethasone-covid-19-patients-oxygen-mechanical-ventilation>. Acesso em 29 Set 2020
  • AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA - ANVISA. Aprovado uso emergencial de anticorpos para tratamento de Covid-19. Disponível em: <https://www.gov.br/anvisa/pt-br/assuntos/noticias-anvisa/2021/aprovado-uso-emergencial-de-anticorpos-para-tratamento-de-covid-19>. Acesso em 21 Abr 2021
  • BEIGEL, John H. et al.. Remdesivir for the Treatment of Covid-19 — Final Report. The New England Journal of Medicine. 2020
  • JORNAL DA USP. Pesquisa reprova vermífugos e revela novos candidatos a terapia contra covid-19. Disponível em: <https://jornal.usp.br/ciencias/pesquisa-reprova-vermifugos-e-revela-novos-candidatos-a-terapia-contra-covid-19/?fbclid=IwAR1ITYL_Zq-5NHbqPqNJ5G9ak_qC_3y1ND4OTarrgksh2NukPF9c71xfJbw>. Acesso em 16 Jul 2020
Mais sobre este assunto:

Carregando
...