O que fazer em caso de leite empedrado (causas e sintomas)

setembro 2022
  1. O que fazer
  2. Sintomas
  3. Causas

O leite empedrado, conhecido cientificamente por ingurgitamento mamário, é uma situação em que há acúmulo de leite nas mamas, o que faz com que fique mais viscoso e exista maior dificuldade para sair. Dessa forma, a mulher pode sentir a mama maior e mais dura, além de haver dor e desconforto na hora de amamentar.

O empedramento do leite geralmente acontece devido ao esvaziamento incompleto da mama, técnica incorreta de amamentação ou mamadas pouco frequentes. Além disso, quando não tratado adequadamente, pode causar inflamação da mama, chamada mastite. Entenda o que é mastite e suas causas.

Caso o leite empedrado não melhore em alguns dias após o nascimento do bebê ou prejudique a amamentação, é importante consultar um pediatra ou ginecologista para avaliar a necessidade de iniciar tratamento, que pode envolver a retirada do excesso de leite e medicamentos para a dor.

O que fazer

Para aliviar os sintomas de leite empedrado e favorecer a saída do leite é recomendado:

1. Garantir uma técnica de amamentação correta

Para que o bebê consiga esvaziar a mama adequadamente é importante certificar-se de que a pega do peito pelo bebê está correta. Quando a pega do peito está correta não há dor e o lábio inferior do bebê fica virado para fora, seu queixo fica tocando a mama e normalmente é possível ver pequena parte da aréola acima da sua boca. Veja como fazer a técnica correta de amamentação.

2. Tomar banhos mornos antes das mamadas

Tomar banhos mornos ou aplicar compressas mornas sobre as mamas antes das mamadas ajuda na liberação do leite, o que facilita o esvaziamento da mama pelo bebê, além de reduzir o desconforto em caso de ingurgitamento mamário.

3. Estimular os gânglios linfáticos

Os gânglios linfáticos da axila têm um papel importante na remoção de líquidos da região mamária. Por isso, quando devidamente estimulados podem ajudar a diminuir o inchaço da mama e a dor causados pelo leite empedrado.

É possível estimular os gânglios por meio de uma massagem com movimentos circulares delicados na região em que a axila se une à mama. Os movimentos circulares podem ser repetidos por 10 vezes seguidas. Depois, deve-se tocar a mama levemente da borda do mamilo em direção ao ombro. A massagem deve ser leve para não causar dor.

4. Fazer massagens circulares na mama

A massagem da mama, principalmente nas regiões onde o leite está mais empedrado, ajuda a fluidificar o leite e estimula a produção de ocitocina, um hormônio que ajuda na descida do leite, facilitando a sua retirada pelo bebê. 

A massagem deve ser feita com movimentos circulares delicados, para não causar dor ou desconforto. Durante a massagem, deve-se apoiar a mama em uma das mãos e realizar os movimentos com a outra. A massagem deve ser repetida antes de cada mamada. 

5. Ordenhar um pouco de leite antes da mamada

Após a massagem da mama e antes da mamada, a ordenha da mama até que um pouco de leite surja no mamilo ajuda a descida do leite e facilita a pega do peito pelo bebê. 

A ordenha pode ser feita pressionando cuidadosamente a base da mama entre os dedos indicador e polegar e movendo-os na direção do mamilo. 

6. Retirar o excesso de leite

O excesso de leite pode ser retirado por meio da ordenha da mama ou usando uma bombinha e deve ser feito de acordo com a orientação do pediatra ou ginecologista, porque quando feito em excesso pode estimular a produção de ainda mais leite.  

A ordenha pode ser feita aplicando uma leve pressão com o polegar e o dedo indicador na base da mama e movendo-os na direção do mamilo até que o leite comece a sair.

7. Aplicar compressas frias após a mamada

A aplicação de compressas frias nas mamas nos intervalos entre as mamadas ajuda a reduzir a produção e o acúmulo de leite. Nos casos em que o leite empedrado é mais grave, a aplicação pode ser indicada até de 2 em 2 horas, no entanto, o tempo de cada aplicação não deve ultrapassar 15 minutos.

8. Usar analgésicos em caso de dor

Em caso de dor e desconforto persistentes, o ginecologista pode indicar medicamentos analgésicos como ibuprofeno ou paracetamol, porque a dor tende a prejudicar a produção de ocitocina e a descida do leite. 

Sintomas de leite empedrado

Os principais sintomas de leite empedrado são:

  • Mamas mais endurecidas;
  • Dificuldade de saída do leite;
  • Aumento do tamanho das mamas;
  • Dor nos seios.

Além disso, algumas vezes outros sintomas como febre e mal-estar também podem ocorrer e indicar casos mais graves de empedramento do leite. Veja mais sintomas de leite empedrado.

Caso o leite empedrado não melhore em alguns dias, esteja prejudicando a amamentação ou cause sintomas como febre e mal-estar, é importante consultar um pediatra ou ginecologista para orientar o tratamento. 

Principais causas

O leite empedrado pode ser causado devido ao esvaziamento incompleto das mamas, atraso no início da amamentação ou realização de uma técnica incorreta de amamentação, por exemplo. Além disso, quando a sucção do bebê não é eficiente ou em caso de uso de alguns medicamentos, como metoclopramida e domperidona, também pode ocorrer o empedramento do leite.

É importante que a causa do leite empedrado seja identificada para iniciar o tratamento mais adequado, principalmente caso a técnica de amamentação esteja incorreta ou o bebê não realizar a sucção adequada, quando podem ser indicadas outras posições para amamentar. Conheça algumas posições para a amamentar.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em setembro de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • MITCHELL, Katrina B. et al. Academy of Breastfeeding Medicine Clinical Protocol #36: The Mastitis Spectrum, Revised 2022. BREASTFEEDING MEDICINE. Vol.17, n.5. 2022
  • BURNS, Dennis A. R. et al. Tratado de Pediatria da Sociedade Brasileira de Pediatria. 4.ed. Barueri, SP: Editora Manole, 2017. 334.
Mostrar bibliografia completa
  • JOHNSON, Helen M. et al. ABM Clinical Protocol #32: Management of Hyperlactation. Breastfeed Med. Vol.15, n.3. 129-134, 2020
  • CAMPOS, Araceli R. Dor mamária na amamentação: os desafios no diagnóstico etiológico. Tese de mestrado, 2018. Universidade Federal de Uberlândia.
  • BERENS, Pamela D. Breast Pain: Engorgement, Nipple Pain, and Mastitis. Clinical Obstetrics and Gynecology. Vol 58. 4 ed; 902-914, 2015
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.