Mastite: o que é, sintomas, tratamento e como evitar

setembro 2022

A mastite é uma inflamação na mama que geralmente ocorre devido a uma infecção por bactérias, provocando sintomas, como dor, inchaço ou vermelhidão. Pode ainda ser acompanhada de febre, calafrios e, nos casos mais graves, levar à formação de uma cavidade com pus no interior na mama.

A mastite é mais comum em mulheres que estão amamentando, especialmente devido ao acúmulo de leite na mama, que favorece a multiplicação de bactérias. No entanto, também pode ocorrer no homem ou em qualquer outra fase da vida da mulher devido à entrada de bactérias na mama em caso de ferimentos no mamilo, por exemplo.

Em caso de suspeita de mastite é importante consultar um ginecologista ou clínico geral para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado, que pode envolver medicamentos e, até, cirurgia. 

Sintomas de mastite

A mastite normalmente produz sintomas como:

  • Dor na mama;
  • Inchaço do local afetado;
  • Endurecimento da parte da mama afetada;
  • Calor na pele sobre a região envolvida;
  • Vermelhidão da pele sobre o local;
  • Febre acima de 38ºC;
  • Calafrios;
  • Mal-estar geral.

A mastite não tratada pode evoluir para um abscesso mamário, que é uma cavidade preenchida por pus no interior da mama, que normalmente precisa ser drenado cirurgicamente, além de aumentar o risco de uma infecção generalizada. 

Caso se suspeite de mastite, é muito importante ir rapidamente ao hospital ou posto de saúde, para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento mais adequado.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico de mastite pode ser confirmado pelo médico através da avaliação dos sintomas e do histórico da pessoa. No entanto, em caso de suspeita de abscesso, o ultrassom da mama pode ser indicado. 

Além disso, em caso de infecção grave, saída de pus do mamilo ou falta de resposta ao tratamento com antibióticos, o médico pode ainda pedir uma análise do leite materno ou da secreção liberada pela mama, para verificar a presença de bactérias.

Em alguns casos, como os sintomas podem ser semelhantes aos do câncer de mama, podendo ser indicada a mamografia ou até mesmo a biópsia. Veja os principais sintomas do câncer de mama.

Principais causas

A mastite geralmente é causada por uma infecção provocada por bactérias, que afeta os canais por onde passa o leite produzido. Durante a amamentação, a mastite tende a ocorrer quando o leite se acumula na mama, o que pode levar à multiplicação de microorganismos. No entanto, em alguns casos pode ocorrer sem uma causa específica.

Durante a amamentação, o risco de mastite é maior em mulheres com rachaduras ou feridas nos mamilos e em caso de dificuldade de esvaziamento das mamas, estresse, falta de sono e uso de sutiãs apertados, sendo mais comum de ocorrer nas primeiras semanas após o nascimento do bebê.

Já em homens ou mulheres que não estão amamentando, a mastite geralmente surge devido a cortes ou feridas no mamilo, pancadas na mama, tabagismo, diabetes ou obesidade.

Como é feito o tratamento

O tratamento da mastite pode envolver:

1. Cuidados em casa

O tratamento realizado em casa é importante para aliviar os sintomas, diminuir a inflamação e acelerar a recuperação. Para isso é recomendado:

  • Beber cerca de 2 litros de líquidos por dia como água, chás ou água de coco;
  • Aplicar compressas frias para aliviar a dor e inchaço;
  • Fazer uma massagem com movimentos circulares delicados na parte afetada.

Nos casos em que a mastite está relacionada com o processo de amamentação, o médico pode também indicar:

  • Usar compressas mornas nas mamas antes de retirar o leite;
  • Certificar-se de que a pega do bebê está adequada, para que a saída do leite seja eficiente;
  • Deixar o bebê esvaziar uma mama antes de dar a outra, para evitar que o leite se acumule nas mamas;
  • Amamentar de acordo com a demanda do bebê, porque a alimentação excessiva estimula a produção de ainda mais leite;
  • Usar sutiã confortável e que dê sustentação adequada às mamas;
  • Massagear as mamas delicadamente com movimentos circulares antes de amamentar, para facilitar a saída do leite;
  • Fazer a ordenha da mama ou usar a bombinha para retirar o leite quando indicado pelo médico e com cuidado para não ferir a mama.

Geralmente, não é necessário interromper a amamentação em caso de mastite, exceto se houver a saída de pus pelo mamilo. Além disso, ao continuar a amamentação, é possível evitar o acúmulo de mais leite e a proliferação de bactérias.

2. Uso de remédios

O médico pode indicar o uso de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios, como o Paracetamol ou o Ibuprofeno, para aliviar a dor e diminuir a inflamação na mama. 

Além disso, em caso de suspeita de infecção, o uso de antibióticos pode ser recomendado.

3. Tratamento natural

O uso de suplementos de lecitina de soja ou girassol também pode ser benéfico para melhorar a inflamação e ajudar na saída do leite em caso de mastite. Além disso, probióticos contendo Limosilactobacillus fermentum ou Ligilactobacillus salivarius também podem ser indicados em alguns casos.

Ainda assim, estes tratamentos não substituem os medicamentos orientados pelo médico no tratamento da mastite, principalmente em caso de suspeita de infecção, em que são necessários antibióticos.

4. Cirurgia

A cirurgia pode ser indicada nos casos em que ocorre a formação de abscessos na mama devido à mastite. Neste caso, geralmente é indicada a drenagem do abscesso. 

Após a drenagem, o médico pode indicar o uso de antibióticos e anti-inflamatórios para aliviar a dor e o desconforto que podem surgir após o procedimento e evitar o desenvolvimento de infecção.

Como evitar a mastite

Para evitar a mastite durante o período da amamentação é importante:

  1. Esvaziar completamente a mama em cada mamada;
  2. Deixar o bebê esvaziar a primeira mama antes de dar a outra, alternando as mamas na mamada seguinte;
  3. Variar a posição para amamentar de forma a que o leite seja retirado de todos os segmentos da mama; 
  4. Colocar o bebê na posição adequada, posicionando-o em frente à mama, com a boca à altura do mamilo. Veja qual a posição correta para amamentar.
  5. Evitar usar roupas apertadas, optando por roupas que sustentem a mama sem criar pressão em excesso. 

Além disso, é importante tratar adequadamente feridas e rachaduras nos mamilos caso existam, para evitar a entrada de bactérias que podem provocar mastite.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em setembro de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • MITCHELL, Katrina B. et al. Academy of Breastfeeding Medicine Clinical Protocol #36: The Mastitis Spectrum, Revised 2022. BREASTFEEDING MEDICINE. Vol.17, n.5. 2022
  • BERENS, Pamela D. Breast Pain: Engorgement, Nipple Pain, and Mastitis. Clin Obstet Gynecol. Vol.58, n.4. 902-914, 2015
Mostrar bibliografia completa
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. CADERNOS DE ATENÇÃO BÁSICA: Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Aleitamento Materno e Alimentação Complementar. 2015. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_aleitamento_materno_cab23.pdf>. Acesso em 23 set 2022
  • STATPEARLS. Acute Mastitis. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK557782/>. Acesso em 23 set 2022
  • FREBASGO. Mastite puerperal. Disponível em: <https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/309-mastite-puerperal>. Acesso em 21 abr 2021
  • ROSSATO, NATHALIA C.; MORAIS, ELISA F. M.; MATTOS, GUILHERME; ZERWES, FELIPE. Processos Inflamatórios da mama: caracterização e manejo terapêutico. Disponível em: <https://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/04/882369/processos-inflamatorios-da-mama-caracterizacao-e-manejo-terapeutico.pdf>. Acesso em 21 abr 2021
  • NHS. Mastitis. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/mastitis/>. Acesso em 21 abr 2021
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.