Transplante de coração: como é feito, indicação e recuperação

julho 2022

O transplante de coração consiste na substituição do coração por outro, vindo de um doador que esteja com morte cerebral, que não possua doença e alterações cardíacas e que seja compatível com a pessoa que tem um problema cardíaco potencialmente fatal.

Esta cirurgia é indicada quando a condição do coração já é bem grave, e quando outras possibilidades de tratamento não tiveram sucesso e por isso, o paciente passa a ter um risco elevado de morte. A insuficiência cardíaca grave, pode ser causada por várias doenças como doenças cardíacas congênitas complexas, infarto agudo do miocárdio, valvulopatias, miocardites, por exemplo.

O transplante de coração é uma cirurgia delicada e de alta complexidade, com mortalidade aumentada, tanto durante o procedimento como no pós operatório imediato, devido às rejeições, sendo realizado em grandes centros hospitalares, com equipe especializada em transplantes cardíacos, formada por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas e técnicos de enfermagem. 

Quando é indicado

O transplante de coração é indicado em caso de doenças cardíacas graves em estágios avançados, que não apresentam boa resposta ao uso de medicamentos e/ou procedimentos como trocas valvares, correções de cardiopatias congênitas ou revascularização miocárdica, evoluindo para falência do sistema cardiovascular. É indicado em casos de:

  • Doença coronária grave;
  • Miocardiopatia;
  • Doença cardíaca congênita;
  • Cardiomiopatia;
  • Válvulas cardíacas com alterações graves;
  • Arritmia ventricular não controlada com outros tipos de tratamento.

O transplante pode ser feito em pessoas de todas as idades, no entanto a indicação para o transplante cardíaco também irá depender do estado dos outros órgãos, como cérebro, fígado e rins, pois se eles estiverem gravemente comprometidos, a pessoa poderá não se beneficiar do transplante.

Como é feita a cirurgia

O transplante de coração é feito por uma equipe multidisciplinar formada por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas, técnicos de enfermagem, todos  devidamente treinados para este fim, pois é um procedimento complexo e delicado, onde é removido o coração e substituído por outro compatível.

O procedimento é realizado no hospital devidamente equipado, com a pessoa sob anestesia geral, que deve permanecer em internamento após a cirurgia e manter cuidados após a alta para que não corra risco de rejeição do órgão. 

A cirurgia é feita seguindo as seguintes etapas:

  1. Anestesiar o paciente no bloco operatório;
  2. Fazer um corte no peito do paciente, ligando-o a uma máquina de coração-pulmão, que durante a cirurgia vai ajudar a bombear o sangue;
  3. Remover o coração fraco e colocar o coração do doador no local, suturando-o;
  4. Fechar o tórax, fazendo uma cicatriz.

O transplante cardíaco demora algumas horas e o pós operatório depende de uma equipe multidisciplinar para este tipo de paciente, que fica internado Unidade de Terapia Intensiva (UTI), até ter condições de alta para apartamento e, em seguida, para casa, o que geralmente leva cerca de 1 mês.

Quando não é recomendada

O transplante cardíaco possui contra-indicação nas seguintes situações:

1. Contra-indicações absolutas

Ainda existem algumas contraindicações consideradas absolutas para o transplante cardíaco, ou seja, onde não é permitida a realização desta cirurgia, entretanto, grande parte das contraindicações que eram consideradas relativas (onde é avaliado cada caso), tem sido satisfatoriamente manejadas em centros de referência, devido aos avanços diagnósticos e terapêuticos crescentes nesta área. Algumas contraindicações absolutas são:

  • Incompatibilidade sanguínea entre receptor e doador;
  • Insuficiência hepática ou renal irreversível;
  • Infecção local ou sistêmica ativa;
  • Diabetes mellitus com danos em outros órgãos, como nefropatia, neuropatia ou retinopatia;
  • Doença pulmonar grave;
  • Embolia pulmonar com menos de três meses;
  • Hipertensão pulmonar ou resistência vascular pulmonar irreversíveis;
  • Doença psiquiátrica grave;
  • Uso ativo de drogas de abuso;
  • Tabagismo ativo;
  • Expectativa de vida menor que dois anos;
  • Doenças, como amiloidose, sarcoidose, hemocromatose ou lúpus;
  • Idade maior do que 70 anos;
  • Câncer ativo;
  • Histórico de câncer nos últimos 5 anos, exceto câncer de pele não melanoma localizado, ou câncer de mama ou próstata no estágio 1.

Além disso, o transplante de coração é contra-indicado nos casos de infecções virais crônicas, como HIV, hepatite B ou C. No entanto, nesses casos o transplante pode ser realizado se a contagem viral for indetectável e não existam evidências de danos em outros órgãos.

Outra contra-indicação absoluta é no caso de pessoas que não se comprometam ou sejam incapazes de fazer mudanças de vida após o transplante, como não fumar, não usar drogas de abuso, evitar o consumo de bebidas alcoólicas e não seguir o tratamento após o transplante.

2. Contra-indicações relativas

Com o avanço da medicina, algumas situações que antes eram consideradas contraindicações absolutas, passaram a ser avaliadas caso a caso, como é o caso de pessoas com mais de 70 anos, porém com grande chance de se beneficiarem com o transplante. Pacientes com disfunção nos rins ou fígado, a depender do Centro hospitalar onde será realizada a cirurgia, pode se beneficiar com o transplante de múltiplos órgãos como coração e rim ou coração e fígado.

Possíveis riscos

A cirurgia de transplante de coração está associada a alguns riscos, por isso é necessário que o paciente permaneça em internamento no hospital após a cirurgia e seja regularmente monitorado após a alta. Assim como qualquer outro procedimento invasivo, há aumento do risco de infecção após o procedimento.

Além disso, há possibilidade de haver rejeição ao órgão transplantado, principalmente durante os primeiros 5 anos, aumento da chance de desenvolvimento de aterosclerose, que corresponde ao entupimento das artérias cardíacas, e aumento do risco de desenvolver câncer, pelo uso de imunossupressores.

Recuperação após transplante do coração

Alguns cuidados importantes que o transplantado deve ter depois do transplante do coração incluem:

  • Tomar remédios imunossupressores, segundo indicação do médico;
  • Evitar o contato com pessoas que estejam doentes, ambientes poluídos ou muito frios, pois o vírus poderá desencadear uma infecção e levar à rejeição do órgão;
  • Fazer uma alimentação equilibrada, eliminando todos os alimentos crus da dieta e, optando apenas alimentos cozidos para reduzir o risco de infecção.

Estes cuidados devem ser seguidos por toda vida, podendo o transplantado ter uma vida praticamente normal, e podendo, até mesmo, realizar atividade física.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em julho de 2022. Revisão médica por Drª. Ana Luiza Lima - Cardiologista, em julho de 2022.

Bibliografia

  • MANCINI, D. IN: UPTODATE. Heart transplantation in adults: Indications and contraindications. 2020. Disponível em: <https://www.uptodate.com/contents/heart-transplantation-in-adults-indications-and-contraindications#H608624786>. Acesso em 30 jun 2022
  • KITTLESON, M. M.; KOBASHIGAWA, J. A. Cardiac Transplantation: Current Outcomes and Contemporary Controversies. JACC Heart Fail. 5. 12; 857-868, 2017
Mostrar bibliografia completa
  • BHAGRA, S. K.; et al. Cardiac transplantation: indications, eligibility and current outcomes. Heart. 0. 1-9, 2018
  • BROWN, K. N.; KANMANTHAREDDY, A. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Heart Transplantation Patient Selection. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK537090/>. Acesso em 30 jun 2022
  • JOHNS HOPKINS. Heart Transplant Patient Selection Criteria. 2022. Disponível em: <https://www.hopkinsmedicine.org/transplant/referring-physicians/heart-transplant-criteria.html>. Acesso em 30 jun 2022
  • DE JONGE, N.; et al. Guidelines for heart transplantation. Neth Heart J. 16. 3; 79-87, 2008
  • SHAH, K. S.; et al. Updates on Heart Transplantation. Curr Heart Fail Rep. 16. 5; 150-156, 2019
  • VIEIRA, J. L.; MEHRA, M. R. Heart transplantation candidacy. Curr Opin Organ Transplant . 26. 1; 69-76, 2021
Revisão médica:
Drª. Ana Luiza Lima
Cardiologista
Médica Cardiologista, formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional nº CRM/PE – 16886.