Torcicolo congênito: o que é, causas e tratamento

O torcicolo congênito é uma situação em que há contração muscular no pescoço do bebê, de forma que ao nascer, o pescoço está virado para um dos lados, sendo também observada limitação do movimento do pescoço.

As causas do torcicolo congênito ainda não estão muito bem esclarecidas, mas acredita-se que possa estar relacionado com situações relacionadas com o parto ou posição intrauterina do bebê.

O tratamento para essa condição é feito com fisioterapia e osteopatia e a cirurgia só é indicada nos casos em que a criança não tenha alcançado melhora até 1 ano de idade.

Torcicolo congênito: o que é, causas e tratamento

Causas do torcicolo congênito

O torcicolo congênito não tem causa muito bem estabelecida, no entanto acredita-se que pode estar relacionado com as condições do parto e/ou posição do bebê durante a vida intrauterina, o que poderia comprometer a circulação de sangue no músculo e levar à fibrose e encurtamento muscular, em alguns casos.

Como identificar

O diagnóstico do torcicolo congênito é feito a partir de avaliação clínica após o nascimento, no entanto pode também ser indicado pelo médico a realização de exames que ajudem a excluir outras causas do torcicolo e possíveis alterações ósseas, como a radiográfica cervical, por exemplo.

Além disso, durante a gravidez pode ser também realizada a ecografia cervical, pois assim é possível verificar a posição que o bebê se encontra e avaliar se há risco de ocorrência do torcicolo congênito.

Tratamento para torcicolo congênito

O tratamento para o torcicolo congênito consiste nas sessões de fisioterapia e de osteopatia, mas é fundamental que os pais ou cuidadores do bebê saibam como fazer alguns exercícios em casa para complementar e potencializar o tratamento.

A mamãe deve ter o cuidado de sempre dar de mamar no peito em que force o bebê a girar o pescoço, numa tentativa de liberar a articulação e diminuir a contratura do músculo afetado. Recomenda-se que ela tire o leite da outra mama com a bombinha para evitar o risco de empedrar e de haver uma diferença no tamanho das mamas no futuro.

Os pais devem ainda deixar o bebê com a cabeça com o lado afetado voltada para uma parede lisa, para que os ruídos, estímulos luminosos e outras coisas interessantes à criança obriguem-na a virar-se para o outro lado e assim alongar o músculo afetado.

Exercícios para torcicolo congênito

O fisioterapeuta do bebê deverá ensinar algum exercícios de alongamento e de liberação do músculo afetado para que a mãe faça em casa, a fim de complementar o tratamento. Alguns bons exercícios são:

  • Chamar a atenção do bebê com algo que faça barulho posicionando o objeto de frente para ele e, aos poucos, ir chegando o objeto para o lado, para estimular que o bebê vire o pescoço para o lado afetado;
  • Colocar o bebê deitado na cama e sentar-se ao lado dele, de modo que para olhar para você, ele tenha que virar o pescoço para o lado afetado.

O uso de bolsas de água morna ou de toalhas aquecidas antes da realização dos exercícios é fundamental para facilitar a mobilização do pescoço e diminuir o risco de dor.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • BASTOS, Sara; ALMEIDA, Joana; VEIROS, Iolanda. Torcicolo Muscular Congénito. Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Física e de Reabilitação. Vol 25. 1 ed; 2014
Mais sobre este assunto: