Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Alterações na menstruação devido a Tireoide

Os distúrbios da tireoide podem levar a alterações na menstruação. Mulheres que sofrem de hipotireoidismo, podem ter uma menstruação mais abundante e com mais cólicas, enquanto que no hipertiroidismo, é mais comum uma redução do sangramento, que pode mesmo ser ausente. 

Estas alterações menstruais podem acontecer porque os hormônios da tireoide influenciam diretamente os ovários, causando irregularidades menstruais. 

Alterações na menstruação devido a Tireoide

Como a Tireoide afeta a Menstruação 

As possíveis alterações que podem acontecer no ciclo menstrual podem ser:

Alterações em caso de hipotireoidismo

Quando a tireoide produz menos hormônios do que deveria, pode ocorrer:

  • Aparecimento da menstruação antes dos 10 anos, que pode acontecer porque o TSH aumentando tem um pequeno efeito semelhante aos hormônios FSH e LH, que são responsáveis por regular a menstruação.;
  • Menstruação antecipada, ou seja, a mulher que tinha um ciclo de 30 dias, pode passar a ter de 24 dias, por exemplo, ou a menstruação pode vir fora de hora;
  • Aumento do fluxo menstrual, chamada de menorragia, sendo necessário trocar o absorvente mais vezes ao longo do dia e, além disso, o número de dias da menstruação pode aumentar;
  • Cólicas menstruais mais intensas, chamadas de dismenorreia, que causa dor pélvica, dor de cabeça e mal-estar, podendo ser necessário tomar analgésicos para alívio da dor.  

Outra alteração que pode acontecer é a dificuldade para engravidar, porque há uma diminuição da fase lútea. Além disso, pode ainda ocorrer galactorreia, que consiste na saída de 'leite' pelos mamilos, ainda que a mulher não esteja grávida. Saiba como é feito o tratamento da galactorreia.

Alterações na menstruação devido a Tireoide

Alterações em caso de hipertireoidismo 

Quando a tireoide produz mais hormônios do que deveria, pode surgir:

  • Atraso da 1ª menstruação, quando a menina ainda não teve sua menarca e já apresenta hipertiroidismo na infância;
  • Menstruação atrasada, devido a alterações no ciclo menstrual, que pode ficar mais espaçado, havendo um maior intervalo entre os ciclos;
  • Diminuição do fluxo menstrual, que pode ser percebido nos absorventes, porque há menos sangramento por dia; 
  • Ausência da menstruação, que se pode prolongar por vários meses. 

Após fazer uma cirurgia para retirar uma parte da tireoide, também podem surgir alterações na menstruação. Logo depois da cirurgia, ainda no hospital, pode ocorrer um sangramento forte mesmo que a mulher esteja tomando a pílula de uso contínuo normalmente. Esse sangramento pode durar 2 ou 3 dias, e depois de 2 a 3 semanas pode haver uma nova menstruação, que pode chegar de surpresa, e isso indica que a metade da tireoide que permaneceu ainda está se adaptando à nova realidade, e ainda precisa de se ajustar em relação à quantidade de hormônios que precisa produzir.

Quando a tireoide é completamente removida pela cirurgia, isso causa um hipotireoidismo, e o médico pode indicar a reposição hormonal logo nos primeiros 20 dias, para regular a menstruação. Saiba em que consiste a cirurgia da tireoide e como é feita a recuperação.

Quando ir ao médico

Deve-se marcar uma consulta com um ginecologista, se a mulher apresentar as seguintes alterações:

  • Tiver mais de 12 anos e ainda não tiver menstruado;
  • Ficar mais de 90 dias sem menstruação, e se não estiver tomando a pílula de uso contínuo, nem estiver grávida;
  • Sofrer um aumento das cólicas menstruais, que impedem de trabalhar ou estudar;
  • Surgir sangramento por mais de 2 dias, totalmente fora do período menstrual;
  • A menstruação ficar mais abundante que o habitual;
  • A menstruação durar mais de 8 dias. 

O médico poderá solicitar exames TSH, T3 e T4, para avaliar os hormônios tiroidianos, de forma a poder verificar se há necessidade de tomar medicamentos para regular a tireoide, porque assim a menstruação ficará normalizada. O uso de pílula anticoncepcional deverá ser discutido com o médico ginecologista.

Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem