Tinea pedis: o que é, sintomas, causas e tratamento

Setembro 2021

A Tinea pedis, também conhecida como pé de atleta, frieira, tinha ou micose do pé, é uma infecção fúngica na pele que afeta os pés e, geralmente, começa entre os dedos, causando coceira, vermelhidão, descamação e mau cheiro, por exemplo. 

Esse tipo de micose é causada principalmente pelo fungo do gênero Trichophyton sp., que pode ser encontrado nas camadas externas da pele e ser  transmitidos através do  contato da pele com pisos, toalhas ou roupas contaminadas, ou proliferarem quando a região entre os dedos encontram-se úmidas, por exemplo.

O tratamento da Tinea pedis deve ser recomendado pelo dermatologista, que normalmente indica o uso de pomadas ou cremes com antifúngico que devem ser aplicados no local dos sintomas, sendo importante que o tratamento seja feito de acordo com a orientação médica para evitar que o fungo volte a crescer e causar novamente os sintomas.

Tinea pedis: o que é, sintomas, causas e tratamento

Principais sintomas

Os sintomas da Tinea pedis surgem quando o fungo prolifera na pele dos pés, e pode afetar a região entre os dedos, a sola ou a lateral de um ou os dois pés, e incluem:

  • Coceira ou sensação de queimação entre os dedos ou sola dos pés;
  • Vermelhidão da área afetada;
  • Bolhas nos pés que coçam;
  • Rachaduras ou descamação da pele, mais comum entre os dedos e nas solas dos pés;
  • Pele seca na sola ou na lateral dos pés;
  • Mau cheiro.

Nos casos mais graves, devido à multiplicação do fungo, pode haver o comprometimento da unha, dando origem à oníquia, também chamada de onicomicose, em que as unhas do pé podem ficar descoloridas, grossas, esfareladas e descoladas da pele. Entenda melhor o que é a onicomicose e como tratar.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da Tinea pedis é feito pelo dermatologista por meio da avaliação dos sintomas apresentados pela pessoa. Para confirmar a Tinea pedis e o fungo responsável, o médico pode realizar a raspagem da lesão, que consiste em retirar algumas células de pele e analisá-las no microscópio com o objetivo de identificar o fungo e, assim, iniciar o tratamento mais adequado. 

Possíveis causas

A Tinea pedis pode ser causada pelos fungos das espécies Trichophyton rubrum, Trichophyton interdigitale ou Epidermophyton floccosum, que crescem em ambientes quentes e úmidos e, por isso, quando a região entre os dedos não é enxugada corretamente, por exemplo, é possível que esses fungos proliferem e levem ao aparecimento dos sintomas.

Esses fungos podem ser transmitidos por meio do contato com escamas da pele de uma pessoa infectada ou contato com superfícies contaminadas com os fungos como chuveiro, banheira, pisos de vestiários ou ao redor de piscinas, por exemplo.

Além disso, alguns fatores podem contribuir para o desenvolvimento da Tinea pedis, e incluem:

  • Manter os pés molhados ou suados por muito tempo;
  • Não enxugar bem os pés após o banho;
  • Não usar chinelos ou outros calçados ao visitar locais públicos, especialmente vestiários, chuveiros, saunas e piscinas;
  • Compartilhar meias, sapatos, roupa de cama, tapetes, esteira ou toalhas com uma pessoa infectada;
  • Usar sapatos fechados ou apertados por muito tempo.

Além disso, viver em regiões muito quentes e úmidas, participar de esportes em que se fica descalço no tatami, como luta livre, ou ter o sistema imunológico enfraquecido, por exemplo, podem aumentar o risco de desenvolver a Tinea pedis.

Como é feito o tratamento

O tratamento da Tinea pedis precisa ser orientado pelo dermatologista e geralmente inclui remédios como:

  • Antifúngicos na forma de pomada, gel, creme, pó ou spray, como terbinafina, cetoconazol, clotrimazol ou miconazol, aplicados diretamente sobre a pele na região afetada, geralmente, de 1 a 2 vezes por dia, de 15 a 30 dias de tratamento;
  • Antifúngicos na forma de comprimidos, como griseofulvina, terbinafina ou itraconazol, tomados por via oral, nos casos de Tinea pedis grave ou que não melhoram com o tratamento tópico.

O tempo de tratamento deve ser indicado pelo dermatologista, de acordo com os sintomas, tipo de fungo, gravidade da micose e estado de saúde da pessoa., sendo importante que seja feito conforme a orientação do médico para garantir a eliminação do fungo.

Opções de tratamento caseiro

Algumas opções de tratamento caseiro para Tinea pedis são o chá de alecrim, chá de capim-limão ou óleo essencial de melaleuca, que podem ser usados para complementar o tratamento médico e acelerar a recuperação. Esses remédios possuem ação antifúngica, anti-inflamatória ou cicatrizantes, aliviando a coceira na pele de forma natural.

Os remédios caseiros podem ser preparados em casa com ingredientes naturais comprados em farmácias ou lojas de produtos naturais, e utilizados diretamente sobre a pele dos pés. Saiba como preparar os remédios caseiros para Tinea pedis.

Como prevenir

Alguns cuidados são importantes para prevenir ou reduzir o risco de infecção pelos fungos causadores da Tinea pedis, como:

  • Secar bem entre os dedos após o banho e, se possível, deixar os pés arejarem o máximo possível antes de calçar sapatos;
  • Trocar as meias a cada vez que calçar sapatos, e sempre que estiverem húmidas;
  • Usar sapatos leves e ventilados sempre que possível;
  • Evitar sapatos de material sintético, como vinil ou borracha;
  • Evitar usar sapatos fechados sem usar meias de algodão;
  • Não usar o mesmo par de sapatos todos os dias, para dar tempo do sapato secar bem após o uso;
  • Usar chinelos ou sandálias em locais públicos;
  • Não compartilhar meias, sapatos ou objetos pessoais com outras pessoas;
  • Lavar bem a pele com sabonete neutro após esportes que envolvam ficar descalço.

Além disso, no caso de se ter alguma pessoa próxima com Tinea pedis, é importante certificar que a pessoa seja tratada para evitar a transmissão do fungo.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • SAHOO, A. K. MAHAJAN, R. Management of tinea corporis, tinea cruris, and tinea pedis: A comprehensive review. Indian Dermatol Online J. 7. 2; 77-86, 2016
  • ILKIT, M.; DURDU, M. Tinea pedis: the etiology and global epidemiology of a common fungal infection. Crit Rev Microbiol. 41. 3; 374-88, 2015
  • ELY, J. W.; et al. Diagnosis and management of tinea infections. Am Fam Physician. 90. 10; 702-10, 2014
  • THOMAS, B.; et al. Topical management of tinea pedis. Can Fam Physician. 67. 1; 30, 2021
  • CLEBAK, K. T.; MALONE, M. A. Skin Infections. Prim Care. 45. 3; 433-454, 2018
Mais sobre este assunto: