O que é teste da linguinha, para que serve e como é feito

Revisão médica: Dr.ª Sani Santos Ribeiro
Pediatra e Pneumologista infantil
junho 2020

O teste da linguinha é um exame obrigatório que serve para diagnosticar e indicar o tratamento precoce de problemas no freio da língua de recém-nascidos, que podem prejudicar a amamentação ou comprometer o ato de engolir, mastigar e falar, que é o caso da anquiloglossia, também conhecida como língua presa.

O teste da linguinha é realizado nos primeiros dias de vida do bebê, geralmente ainda na maternidade. Esse teste é simples e não causa dor, isso porque o fonoaudiólogo apenas levanta a língua do bebê para analisar o freio da língua, que também pode ser chamado de frênulo da língua.

Para que serve

O teste da linguinha é realizado em recém-nascidos para detectar alterações do freio da língua, como a língua presa, cientificamente chamada de anquiloglossia. Esta alteração é muito comum e ocorre quando a membrana que prende a língua na parte de baixo da boca é muito curta, dificultando os movimentos da língua.

Além disso, o teste da linguinha é feito para avaliar a espessura e de que forma o freio da língua está fixado, além de analisar como o bebê movimenta a língua e se apresenta dificuldades para sugar o leite materno. Veja como saber se o bebê tem a língua presa.

Assim, é importante que o teste da linguinha seja feito o mais cedo possível, de preferência nos primeiros meses de vida do bebê, pois dessa forma é possível identificar alterações do freio da língua o quanto antes para evitar consequências como dificuldades na amamentação ou para comer alimentos sólidos, alteração na estrutura dos dentes e na fala.

Como é feito

O teste da linguinha é feito pelo fonoaudiólogo a partir da observação da movimentação da língua e da forma como o freio está fixado. Essa observação é muitas vezes realizada quando o bebê está chorando ou durante a amamentação, uma vez que algumas alterações na língua podem dificultar a pega do bebê no peito da mãe.

Assim, ao verificar os movimentos da língua e o formato do freio, o fonoaudiólogo preenche um protocolo em que constam algumas características que devem ser pontuadas durante o exame e, no fim, identifica se há ou não alterações.

Caso seja verificado no teste da linguinha que existem alterações, o fonoaudiólogo e o pediatra podem indicar o início de tratamento adequado, e, de acordo com a alteração identificada, pode ser recomendada a realização de uma pequeno procedimento para liberar a membrana presa embaixo da língua.

Importância do tratamento

A língua presa limita os movimentos da língua durante a sucção e deglutição, o que pode levar ao desmame precoce. Já na introdução da papinha sólida, os bebês com língua presa podem apresentar dificuldade para engolir e até sofrer engasgos.

Assim, a identificação e o tratamento precoces podem diminuir as consequências negativas no desenvolvimento oral das crianças de zero a dois anos de idade que nasceram com o freio da língua muito curto. Quando corrigido a tempo, o tratamento pode evitar transtornos nas diferentes etapas do desenvolvimento oral das crianças.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em junho de 2020. Revisão médica por Dr.ª Sani Santos Ribeiro - Pediatra e Pneumologista infantil, em junho de 2020.

Bibliografia

  • BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE. Qual o objetivo, quando e como realizar o teste da linguinha?. Disponível em: <https://aps.bvs.br/aps/qual-o-objetivo-quando-e-como-realizar-o-teste-da-linguinha/>. Acesso em 18 dez 2019
  • MARTINELLI, Roberta L.C. et al. Protocolo de avaliação do frênulo lingual para bebês: relação entre aspectos anatômicos e funcionais. Rev. CEFAC. Vol.15, n.3. 599-610, 2013
Mostrar bibliografia completa
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE FONOAUDIOLOGIA. Teste da linguinha. 2014. Disponível em: <https://www.sbfa.org.br/fono2014/pdf/testelinguinha_2014_livro.pdf>. Acesso em 18 dez 2019
Revisão médica:
Dr.ª Sani Santos Ribeiro
Pediatra e Pneumologista infantil
Médica formada pela Universidade Federal do Rio Grande com CRM nº 28364 e especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria.