Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Streptococcus agalactiae: principais sintomas e como é feito o tratamento

O Streptococcus agalactiae, também chamado de S. agalactiae ou Streptococcus do grupo B, é uma bactéria que pode ser encontrada naturalmente no organismo sem causar qualquer sintoma. Essa bactéria pode ser encontrada principalmente no sistema gastrointestinal, urinário e, no caso das mulheres, na vagina.

Devido à sua capacidade de colonizar a vagina sem provocar sintomas, a infecção por S. agalactiae é mais frequente em gestantes, podendo essa bactéria ser transmitida para o bebê no momento do parto, sendo também essa infecção considerada uma das mais frequentes em recém-nascidos.

Além da infecção acontecer em grávidas e recém-nascidos, a bactéria também pode proliferar em pessoas acima dos 60 anos, obesas ou que possuem doenças crônicas, como diabetes, problemas cardíacos ou câncer, por exemplo.

Streptococcus agalactiae: principais sintomas e como é feito o tratamento

Sintomas de Streptococcus agalactiae

A presença de S. agalactiae normalmente não é percebida, pois essa bactéria permanece no organismo sem causar qualquer alteração. No entanto devido ao enfraquecimento do sistema imune ou presença de doenças crônicas, por exemplo, esse microrganismo pode proliferar-se e causar sintomas que podem variar de acordo com o local em que a infecção acontece, como por exemplo:

  • Febre, calafrios, náuseas e alterações no sistema nervoso, que são mais frequentes quando a bactéria está presente no sangue;
  • Tosse, dificuldade para respirar e dor no peito, que podem surgir quando a bactéria atinge os pulmões;
  • Inchaço em uma articulação, que acontece quando a infecção acomete a articulação ou os ossos;
  • Vermelhidão, aumento da temperatura local, inchaço e dor na região e presença de pus, que surgem quando a bactéria atinge articulação e ossos.

A infecção por Streptococcus do grupo B pode acontecer em qualquer pessoa, no entanto é mais frequente em gestantes, recém-nascidos, pessoas acima dos 60 anos e pessoas que possuam doenças crônicas, como insuficiência cardíaca congestiva, diabetes, obesidade ou câncer, por exemplo.

Como é o diagnóstico

O diagnóstico da infecção por Streptococcus agalactiae é feito por meio de exames microbiológicos, em que são analisados fluidos corporais, como sangue, urina ou fluido espinhal.

No caso da gravidez, o diagnóstico é feito a partir da coleta de secreção vaginal com um cotonete específico, que é encaminhado para o laboratório para análise. No caso de resultado positivo, o tratamento com antibiótico é feito algumas horas antes e durante o parto para evitar que a bactéria volte a crescer rapidamente após o tratamento. Saiba mais sobre o Estreptococos B na gravidez.

É importante que o diagnóstico e o tratamento de S. agalactiae na gravidez seja feito corretamente para evitar que o bebê seja infectado no momento do parto e surjam complicações, como pneumonia, meningite, sepse ou óbito, por exemplo. 

Tratamento para S. agalactiae

O tratamento para a infecção por S. agalactiae é feito com antibióticos, sendo normalmente o uso de Penicilina, Vancomicina, Cloranfenicol, Clindamicina ou Eritromicina, por exemplo, que devem ser usados conforme a orientação do médico.

Quando a bactéria atinge osso, articulações ou tecidos moles, por exemplo, pode ser recomendado pelo médico, além do uso de antibiótico, a realização de cirurgia para remover e esterilizar o sítio de infecção.

No caso da infecção por S. agalactiae durante a gravidez, a primeira opção de tratamento indicado pelo médico é com Penicilina. Caso esse tratamento não seja eficaz, o médico pode recomendar o uso de Ampicilina pela gestante.

Bibliografia >

  • FREY, Marcos N. et al. Streptococcus agalactie como agente etiológico de Doença Sexualmente Transmissível. An Bras Dermatol. Vol 86. 6 ed; 1205-1207, 2011
  • HOSPITAL SÃO LUIZ. Estreptococos do grupo B. Disponível em: <http://www.saoluiz.com.br/Libraries/Protocolos_M%C3%A9dicos_-_%C3%81rea_M%C3%A9dica/Estreptococos_do_Grupo_B.sflb.ashx>. Acesso em 02 Mai 2019
  • FASSINA, Jaqueline R.; PIMENTA-RODRIGUES, Marcus Vinicius. Aspectos laboratoriais da identificação de Streptococcus agalactiae em gestantes: uma mini-revisão. Interbio. Vol 7. 1 ed; 26-40, 2013
  • CDC. Group B Strep Disease in Adults. Disponível em: <https://www.cdc.gov/groupbstrep/about/adults.html>. Acesso em 02 Mai 2019
  • FARLEY, Monica M. Group B Streptococcal Disease in Nonpregnant Adults. Emerging Infections. Vol 33. 556-561, 2001
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Mais sobre este assunto:


Publicidade

LIVE | Saúde da Prostata

A Tatiana e o Manuel vão estar te esperando num encontro informal para falar tudo sobre problemas na próstata.

A sua presença vai fazer o evento ser mais especial.

Se inscreva e receba uma notificação quando começar, para não perder nenhum minuto.

Inscreva-se
* Não perca a oportunidade de fazer perguntas e participar deste momento em homenagem ao Novembro Azul.

Estamos ao vivo agora! Vem falar com a gente!

A Tati e o Manuel falam sobre problemas na próstata, o preconceito dos homens a respeito do exame de toque retal, e até sobre impotência sexual, que pode ser um complicação da detecção tardia desse tipo câncer.

Participe agora
* Vamos responder todas as perguntas que chegarem, sem tabus. Estamos te esperando!
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem