Botulismo: o que é, sintomas, causas e tratamento

O botulismo é uma infecção grave, porém rara, que é causada pela toxina botulínica, uma substância que é produzida pela bactéria Clostridium botulinum e que pode ser encontrada no solo e em alimentos mal conservados.

A infecção por essa bactéria pode causar sintomas gastrointestinais, como náuseas, vômitos e diarreia, e, caso não tratada, pode resultar em comprometimento muscular.

De acordo com a forma pela qual a toxina e a bactéria entram no corpo, a doença pode ser classificada em:

  • Botulismo alimentar, em que as pessoas adquirem a bactéria ao consumirem alimentos contaminados ou que foram armazenados de forma incorreta;
  • Botulismo por ferimentos, em que o Clostridium botulinum infecta a pessoa por meio da contaminação das feridas, principalmente úlceras crônicas, fissuras ou feridas causadas por agulhas em usuários de drogas injetáveis;
  • Botulismo intestinal, em que a bactéria fixa-se no intestino e se multiplica, havendo a produção de toxina e absorção pelo organismo. Esse tipo de botulismo é mais comum de acontecer em pessoas que fizeram cirurgias intestinais, possuem doença de Crohn ou fizeram uso de antibióticos por tempo prolongado, o que altera a microbiota intestinal.

É importante que seja feita a identificação do botulismo por meio de exames de sangue e microbiológicos para que seja iniciado o tratamento e evite a progressão da doença, que pode resultar em invalidez ou óbito. 

Botulismo: o que é, sintomas, causas e tratamento

Principais sintomas

Os sintomas do botulismo normalmente aparecem entre 4 a 36 horas após a entrada da toxina no organismo. Quanto maior for a concentração de toxina no sangue, mais cedo surgem os sintomas, sendo os principais:

  • Boca seca;
  • Visão dupla;
  • Queda da pálpebra superior;
  • Dificuldade para focar a visão em objetos próximos;
  • Náuseas;
  • Febre;
  • Vômitos;
  • Cólicas;
  • Diarreia;
  • Dificuldade para falar e engolir;
  • Fraqueza progressiva dos músculos respiratórios;
  • Fraqueza dos músculos das pernas.

À medida que a doença progride, os sintomas se tornam mais graves e debilitantes, principalmente devido à fraqueza dos músculos respiratórios, o que resulta em dificuldade para respirar, podendo causar a morte devido à paralisia dos músculos respiratórios.

No caso do botulismo infantil, que é caracterizada pela entrada da bactéria no organismo e posterior produção de toxinas, o quadro clínico pode variar desde a constipação leve até a morte súbita. Por isso, é importante identificar o botulismo logo nos primeiros sintomas para que possa ser feito o tratamento. Saiba mais sobre o botulismo no bebê.

O diagnóstico do botulismo é feito pelo médico a parir da análise dos sintomas apresentados pelo paciente, além de exames de sangue ou fezes que indiquem a presença da bactéria no organismo.

Possíveis causas

O botulismo é causado principalmente pelo consumo de alimentos contaminados pela bactéria e sua toxina. A principal causa de botulismo infantil é o consumo do mel antes do primeiro ano de idade, pois nesta fase o bebê ainda não possui o sistema imunológico bem desenvolvido, ficando propenso às infecções por bactérias oportunistas.

As conservas caseiras também representam alto risco de infecção pelo Clostridium botulinum, pois a presença de umidade e nutrientes e na ausência de oxigênio a bactéria consegue se multiplicar e produzir toxinas capazes de resistir às enzimas digestivas do organismo, resultando na intoxicação alimentar.

Os vegetais, os peixes, as frutas e os condimentos são as fontes alimentares mais comuns. A carne bovina, os laticínios, a carne suína e de aves e outros alimentos também podem conter a bactéria ou a toxina botulínica. Veja como evitar a contaminação dos alimentos.

Como é feito o tratamento

O tratamento para o botulismo deve ser feito em internamento no hospital, normalmente na UTI, pois tem como objetivo neutralizar a ação da toxina produzida pela bactéria no organismo, sendo importante que o paciente seja monitorado e evitar a progressão da doença.

Normalmente o tratamento consiste na aplicação de um soro anti-botulínico, também chamado de antitoxina, devendo ser feito o mais rápido possível para que as chances de cura aumentem. O soro anti-botulínico pode causar reações de hipersensibilidade quando administrado e esse é outro dos motivos pelos quais o tratamento deve ser feito em internamento no hospital. Além disso, é recomendada a realização de lavagem estomacal e intestinal para eliminar qualquer resto de alimento contaminado.

Medidas de suporte de vida, como o uso de aparelhos para respirar, monitoração da função cardíaca, nutrição adequada e prevenção de escaras também fazem parte do tratamento. Isso porque a toxina botulínica pode levar à paralisia dos músculos cardiorrespiratórios, o que pode colocar a vida em risco.

Como prevenir a infecção

Para prevenir a contaminação pela bactéria Clostridium botulinum é importante ter atenção ao consumo, distribuição e comercialização de alimentos. Assim, é recomendado:

  • Evitar ingerir alimentos industrializados que apresentem líquido em seu interior;
  • Não conservar os alimentos a altas temperaturas;
  • Evitar consumir alimentos enlatados, principalmente aqueles que estão em latas estufadas, danificadas ou com alteração no cheiro e no aspecto;
  • Higienizar bem os alimentos antes de consumi-los;
  • Ferver por pelo menos 5 minutos os alimentos em conserva ou enlatados antes de serem consumidos.

Não oferecer mel para o bebê com menos de 1 anos, pois o mel é um ótimo meio de propagação dos esporos dessa bactéria, podendo resultar no botulismo do bebê, já que o sistema imunológico não está completamente desenvolvido.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Botulismo: causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. Disponível em: <http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/botulismo>. Acesso em 03 Set 2019
  • BARER, Michael R. et al. Medical Microbiology - A guide to Microbial Infections: Pathogenesis, immunity, laboratory investigation and control. 19 ed. Elsevier, 2018. 300-301.
  • BARER, Michael R. et al. Medical Microbiology - A guide to Microbial Infections: pathogenesis, immunity, laboratory investigation and control. 19 ed. Elsevier, 2018. 300-301.
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Botulismo: causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. Disponível em: <http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/botulismo>. Acesso em 03 Set 2019
Mais sobre este assunto: