Síndrome de Fournier: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
junho 2022
  1. Sintomas
  2. Causas
  3. Tratamento
  4. Prevenção

A síndrome de Fournier é uma doença que atinge o escroto, pênis e a região entre o ânus e o pênis, conhecida como períneo, e que é caracterizada pela gangrena dessa região, que corresponde à morte das células presente na pele, na gordura e outros tecidos. Em alguns casos, as lesões da síndrome de Fournier podem ser estender até a parte superior da coxa e região abdominal, além de também poder acontecer nas mulheres, sendo notada gangrena na vulva e virilha.

Esta síndrome é mais comum quando existe falta de higiene da região, já que está relacionada ao desenvolvimento de bactérias que promovem a morte das células, causando sintomas como dor intensa, cheiro fétido e inchaço da região.

A síndrome de Fournier tem cura e não é contagiosa, no entanto o seu tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível para diminuir o risco de amputação e espalhamento da infecção para outros órgãos, o que pode colocar a vida em risco.

Sintomas da síndrome de Fournier

Os principais sintomas da síndrome de Fournier incluem:

  • Pele da região íntima vermelha que evolui para escurecida;
  • Dor intensa e constante;
  • Cheiro fétido;
  • Inchaço da região pélvica;
  • Febre acima de 38ºC;
  • Cansaço excessivo.

É importante que, assim que surgirem os primeiros sinais indicativos de lesões na região íntima, se consulte um ginecologista ou urologista, para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento mais adequado.

Possíveis causas

A síndrome de Fournier é causada por bactérias que se desenvolvem no local e levam à morte das células devido à produção e liberação de toxinas no local. As principais bactérias relacionadas com essa síndrome são Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Proteus mirabilis, Streptococcus sp, Enterococcus e Pseudomonas spp.

As situações que favorecem a proliferação dessas bactérias e aumentam o risco de desenvolver a síndrome de Fournier são:

  • Falta de higiene;
  • Pregas na pele, que acumulam bactérias;
  • Diabetes mellitus;
  • Obesidade mórbida;
  • Desnutrição;
  • Sepse;
  • Síndrome da Imunodeficiência Adquirida;
  • Infecção do Trato Urinário.

Além disso, outros fatores como cirrose, alcoolismo, hipertensão, uso de drogas e de antibióticos sem recomendação médica, também podem aumentar o risco de ter Fournier, uma vez que podem promover a permanência de bactérias mais resistentes.

Como é feito o tratamento

O tratamento da síndrome de Fournier deve ser sempre orientado por um urologista ou ginecologista, sendo normalmente indicada a realização de cirurgia para retirar a pele e as células afetadas e, assim, evitar a progressão da doença. Além disso, o tecido removido é enviado para o laboratório para identificar o microrganismo responsável pela síndrome, facilitando a escolha do antibiótico.

Além da cirurgia são então utilizados antibióticos, como Vancomicina, Penicilina, Clindamicina, Metronidazol ou Cefalosporina, para promover a eliminação completa de todas as bactérias.

Nos casos mais graves, pode ser necessário remover muita pele e tecidos afetados e realizar cirurgia de reconstrução da região íntima.

Como prevenir

Como a síndrome de Fournier é causada por bactérias que são encontradas naturalmente na região genital, é importante adotar medidas que evitem a sua proliferação, sendo importante manter a higiene correta da região genital, além de evitar alimentos ricos em açúcar, pois pode favorecer o desenvolvimento bacteriano.

Além disso, é importante evitar os fatores de risco, sendo importante ter uma alimentação saudável, evitar o consumo de bebidas alcoólicas ou drogas, não fazer uso de antibióticos sem indicação médica.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em junho de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • CANDELARIA, P.; KLUG, WA.; CAPELHUCHNIK, P.; FANG, CB. Síndrome de Fournier: Análise dos Fatores de Mortalidade. Revista Brasileira de Coloproctologia. Vol 29. 2 ed; 197-202, 2009
  • DORNELAS, Marilho T.; CORREIA, Marília P. D.; BARRA, Felipe Marcellos L. Síndrome de Fournier: 10 anos de avaliação. Rev Bras Cir Plást. Vol 27. 4 ed; 600-604, 2012
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.