Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como identificar e tratar a síndrome de DiGeorge

A síndrome de DiGeorge é uma doença rara causada por um defeito congênito no timo, nas glândulas paratireoides e na aorta, que pode ser diagnosticada durante ainda durante a gestação. Dependendo do grau de desenvolvimento da síndrome, o médico pode classificá-la como parcial, completa ou transitória.

As crianças não desenvolvem esta doença do mesmo jeito, pois isso varia de acordo com as alterações genéticas de cada uma, no entanto, as características mais comuns incluem:

  • Pele azulada;
  • Orelhas mais baixas que o normal;
  • Boca pequena, em formato de boca de peixe;
  • Atraso no crescimento e desenvolvimento;
  • Fenda palatina;
  • Ausência do timo e das paratireoides, em exames de ultrassom;
  • Malformações nos olhos;
  • Surdez ou diminuição acentuada da audição;
  • Surgimento de problemas cardíacos.

Além disso, em alguns casos, esta síndrome também pode causar problemas respiratórios, dificuldade para aumentar de peso, atraso na fala, espasmos musculares ou infecções frequentes, como amigdalite ou pneumonia, por exemplo.

Como identificar e tratar a síndrome de DiGeorge

A maioria destas características é visível logo após o nascimento, mas em algumas crianças os sintomas podem ficar evidentes apenas alguns anos mais tarde, especialmente se a alteração genética for muito leve. Assim, se os pais, professores ou familiares identificarem alguma das características deve-se consultar o pediatra que se possa confirmar o diagnóstico.

Como é feito o diagnóstico

Normalmente o diagnóstico da síndrome de DiGeorge é feito por um pediatra através da observação das características da doença. Assim, caso considere necessário o médico pode pedir exames de diagnóstico para identificar se existem alterações cardíacas comuns da síndrome.

Porém, para fazer um diagnóstico mais correto, pode ainda ser pedido um exame de sangue, conhecido como FISH, no qual é avaliado a presença de alterações no cromossoma 22, que é o responsável pelo surgimento da síndrome de DiGeorge. Saiba mais sobre como é feito este exame.

Como se trata a síndrome de DiGeorge

O tratamento da síndrome de DiGeorge é iniciado logo após o diagnóstico, o que, geralmente, acontece nos primeiros dias de vida do bebê, ainda no hospital. Normalmente, o tratamento inclui o fortalecimento do sistema imune e dos níveis de cálcio, porque estas alterações podem levar a infecções ou outras situações graves para a saúde.

Outras opções podem incluir ainda a cirurgia para correção da fenda palatina e o uso de medicamentos para o coração, dependendo das alterações que se desenvolveram no bebê. 

Ainda não existe uma cura para síndrome de DiGeorge, mas acredita-se que o uso de células tronco embrionárias possam curar a doença.

Pincipais causas da síndrome de DiGeorge

As causas da síndrome de DiGeorge estão relacionadas com o uso de álcool durante a gravidez, desenvolvimento de diabetes gestacional e as alterações genéticas espontâneas do cromossomo 22, que podem acontecer sem causa específica.

Mais sobre este assunto:


Carregando
...