Síndrome de Apert: o que é, sintomas, causas e tratamento

julho 2022

A Síndrome de Apert é uma doença genética rara que afeta o crânio, a face, as mãos e os pés, causada por uma mutação genética que leva a um fechamento precoce dos ossos do crânio do bebê, ainda no útero, não deixando espaço para que o cérebro se desenvolva, causando uma pressão excessiva sobre ele, além de deformidades nas mãos ou nos pés.

Essa síndrome, também conhecida como acrocefalossindactilia, faz com que a criança nasça com características específicas, como topo da cabeça pontiagudo, dedos dos pés ou das mãos colados ou entrelaçados, podendo também existir deficiências intelectuais.  

A síndrome de Apert é diagnosticada pelo pediatra e o tratamento geralmente é feito com cirurgia para corrigir a junção dos ossos, e melhorar a qualidade de vida.

Sintomas da síndrome de Apert

Os principais sintomas da síndrome de Apert são:

  • Cabeça alongada ou pontiaguda;
  • Testa alta e larga;
  • Olhos esbugalhados e mais afastados um do outro do que o normal;
  • Pálpebras mal fechadas;
  • Face achatada;
  • Nariz pequeno;
  • Dedos das mãos ou dos pés colados;
  • Polegar curto ou achatado;
  • Rigidez dos dedos;
  • Céu da boca arqueado e estreito;
  • Fenda palatina;
  • Atraso no crescimento dos dentes;
  • Mordida aberta;
  • Dentes encavalados ou apinhados;
  • Baixa estatura;
  • Fusão das vértebras do pescoço, dos ossos do braço ou pulso.

Além disso, a síndrome de Apert pode levar ao aumento da pressão intracraniana, deficiências intelectuais, problemas respiratórios, dificuldade para engolir e se alimentar, apnéia do sono, cegueira, infecção crônica no ouvido ou sinusite frequentes, além de complicações renais, gastrointestinais ou cardíacas.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da síndrome de Apert é feito pelo pediatra através do exame físico do bebê e avaliação do histórico familiar da síndrome. 

No caso dos sintomas não serem claros e não existir histórico familiar da síndrome, o pediatra pode solicitar exames como raio X, ressonância magnética ou tomografia computadorizada do crânio, para detectar a craniossinostose, que é a fusão dos ossos do crânio, assim como o aumento da pressão intracraniana. 

Além disso, o médico pode solicitar um teste genético molecular para verificar a mutação no gene FGFR2, para confirmar o diagnóstico da síndrome de Apert.

Possíveis causas

A síndrome de Apert é causada por uma mutação genética no gene FGFR2, que é responsável pela produção de fibroblasto, importante para orientar a união dos ossos no momento certo da gestação, resultando em uma fusão ou junção prematura dos ossos do crânio no bebê ainda no útero, e alterações nos ossos das mãos e dos pés.

Essa mutação no gene FGFR2 pode ocorrer de forma casual, tendo um maior risco de ocorrer com a idade paterna avançada.

Como é feito o tratamento

O tratamento da síndrome de Apert deve ser feito com orientação de uma equipe multidisciplinar, incluindo pediatra, neurocirurgião pediátrico, cirurgião craniofacial, cirurgião plástico, oftalmologista, dentista, otorrinolaringologista e fonoaudiólogo, por exemplo, para a realização de uma ou mais cirurgias para corrigir a fusão dos ossos, e, assim, melhorar a função respiratória, deglutição, fala, além de aliviar a pressão intracraniana.

Além disso, o médico pode indicar o uso de remédios para tratar outros sintomas, como infecção no ouvido, sinusite ou problemas nos rins, coração ou sistema gastrointestinal.

A expectativa de vida da criança com síndrome de Apert varia com a gravidade dos sintomas, sendo que quanto mais rápida diagnosticada e iniciado o tratamento, menor o risco de complicações e melhor a qualidade de vida da criança.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Dr.ª Sani Santos Ribeiro - Pediatra e Pneumologista infantil, em julho de 2022.

Bibliografia

  • AL-NAMNAM, N. M.; et al. Insights and future directions of potential genetic therapy for Apert syndrome: A systematic review. Gene Ther. 28. 10-11; 620-633, 2021
  • FEARON, J. A. Treatment of the hands and feet in Apert syndrome: an evolution in management. Plast Reconstr Surg. 112. 1; 1-12; discussion 13-9, 2003
Mostrar bibliografia completa
  • RAPOSO-AMARAL, C. E.; et al. Apert Syndrome Management: Changing Treatment Algorithm. J Craniofac Surg. 31. 3; 648-652, 2020
  • CONRADY, C. D.; PATEL, B. C.; SHARMA S. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Apert Syndrome. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK518993/>. Acesso em 04 jul 2022
Revisão médica:
Dr.ª Sani Santos Ribeiro
Pediatra e Pneumologista infantil
Médica formada pela Universidade Federal do Rio Grande com CRM nº 28364 e especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria.